Pular para o conteúdo principal

BREVES PALAVRAS SOBRE A FÉ

Tão discutida no meio religioso, tão mencionada em mensagens consoladoras, a fé, esta palavra simples mas que estimula sentimentos tão diversos e profundos, é definida no dicionário como "confiança absoluta em algo ou alguém". Enquanto "confiança", portanto, trata-se de algo interno, de foro íntimo, pois que fruto de crença, entendimento e percepção pessoal. Assim podemos ter fé em alguém; em que algo se realize; entre outras tantas coisas, além da fé religiosa.

A fé religiosa é aquela convicção interior, aquela força, no mais íntimo de nosso ser, que sentimos em relação aos aspectos da Divindade e à Sua Presença em nossas vidas. A maioria de nós tem a religião como instrumento para exercício dessa fé, mas existem também aqueles que crêem, que confiam na interferência Divina em suas vidas mesmo sem seguirem uma religião específica.

O fato é que a fé religiosa busca uma maior aproximação com o Divino, com a Perfeição, portanto, a religião é utilizada como ferramenta de melhoria e aperfeiçoamento do ser humano para que este possa viver de maneira que menos infrinja as Leis Divinas, que são leis naturais. A própria origem da palavra "religião" (derivada do latim religare = ação de religar) traz em si a destinação primeira do termo que é a religação com o Divino, com o Amor Universal, que se faz por meio da transformação individual, com aprimoramento de propósitos e ações. Desse modo, também a religião, assim como a fé, é algo de caráter íntimo, que visa a melhoria interior e a ligação com Deus, e, portanto, não se destina a satisfazer aspectos exteriores. Não é instrumento de divulgação de imagem pessoal e muito menos meio de controle da preferência de terceiros. Se assim é utilizada por muitos na nossa sociedade, então não se trata neste caso de verdadeira postura religiosa. Rompe-se a ligação interna com o Divino, pois que a dirige para o externo, para o tão conhecido "passar a imagem" de religioso, ou de bom moço. O fim principal passa a ser o fim de satisfazer a sua própria vaidade através da aprovação externa, portanto total afastamento dos propósitos Divinos.

Por isso, religião e fé são coisas que não devem ser impostas a ninguém, são questões de convicção íntima.

A colocação em prática de seus princípios em nossas vidas pode nos fazer trilhar um caminho com mais amor por nós  mesmos e pelo nosso próximo, e com isso nos aproximar mais do Reino Divino; assim como a prática religiosa vazia de sentimento verdadeiro, visando o mundo de aparências e das impressões exteriores apenas como máscara de uso conveniente, nos liga ainda mais ao passageiro mundo das ilusões e das formas, nos afastando, consequentemente, do caminho das Verdades Imperecíveis.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. A fé só é inabalável quando confiamos em nós mesmos como eternos aprendizes.

    ResponderExcluir
  2. Prefeito amiga Luciana, compartilho totalmente das suas sábias palavras. Eu mesma não sigo religião alguma mas sou uma pessoa de muita fé na interferência Divina. Parabéns pela bela e exemplar mensagem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si