Pular para o conteúdo principal

INSEGURANÇA EM CABO FRIO - DEU NO BLOG ALVARO NEVES, O ETERNO APRENDIZ



Cabo Frio mais uma vez é manchete em criminalidade. Não entendo como hoje há uma tendência geral de achar normal o crescimento da violência. Quando questionadas, as autoridades se põem logo a dizer que este é um problema comum, que atualmente cresce em todo lugar. Sim, isso sabemos. É cada vez mais frequente em qualquer cidade, estado ou país. O mundo está muito violento. Mas, o que queremos é justamente a disposição de analisar e verificar o porque, quais as causas disso, que falhas nosso sistema de segurança está tendo para permitir isso, e ir na fonte, na origem do problema, sem receio de colocar o dedo na ferida e detectar fatores agravantes, como por exemplo: é notório, todos que vivem em Cabo Frio percebem o quanto piorou a segurança pública depois que o governador do estado, Sérgio Cabral, criou as UPP's na capital. Um programa que tem suas qualidades, sabemos disso, mas que nunca deveria ter sido implementado sem medidas conjuntas nas cidades do interior do estado. E vou mais além. Penso que algo nesse sentido deveria ser muito mais amplo, partindo do governo federal, envolvendo todos os estados e também fronteiras. Um programa desse, realizado em somente uma cidade, acaba espalhando a violência para outros lugares, facilitando a propagação de ramais de criminalidade.  Agora, desde o início do programa, antes que a criminalidade avançasse, era preciso que tivesse havido disposição das autoridades municipais para se posicionarem perante o governo do estado e exigirem medidas preventivas para que o problema não chegasse ao interior. E o que percebemos foi mais uma vez a inércia, omissão. Deixaram o problema chegar e crescer. 
Em algumas cidades, como Macaé, por exemplo, as autoridades correram atrás e exigiram medidas de combate à criminalidade, e já percebem alguma queda nos índices, como podemos ver nesta matéria: http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=24094
Em Cabo Frio, não houve nenhuma medida semelhante, e quando questionadas, as autoridades municipais dizem sempre a mesma coisa: é um problema comum, que está crescendo em todos os lugares, e em Cabo Frio não é diferente.
Cabo Frio era uma cidade tranquila, até alguns anos atrás. Havia paz, havia segurança. Mas, havia um governo que se preocupava com essa questão, solicitava medidas do governo do estado, tinha maior número de viaturas e policiais rodando pela cidade, colocava maior efetivo da guarda municipal nas ruas para auxiliar a polícia militar. Era um governo que promovia debates com as autoridades de segurança pública do estado para exigir apuração de crimes e punição dos reais culpados. É essa disposição, essa vontade de agir e colaborar para a solução da questão que queremos ver. Não queremos mais simplesmente ouvir um governo municipal dizer que a segurança pública é responsabilidade do governo do estado e não colaborar, omitir-se, não dar o grito de socorro em nome da cidade, permitindo que a cidade se torne cada dia mais famosa pelo alto índice de criminalidade. 
A omissão muitas vezes tem consequências muito mais nefastas que a ação, e Cabo Frio, na questão de segurança pública, é a comprovação máxima dessa frase.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si