Pular para o conteúdo principal

A VERDADE SOBRE URNAS ELETRÔNICAS


O vídeo abaixo traz uma entrevista com o Eng. Amilcar Brunazo, especialista em urnas eletrônicas. Através de explicações técnicas, ele demonstra que o voto eletrônico é rápido na apuração, mas, no modelo brasileiro, não há como saber se o que ele está somando está correto.
O engenheiro derruba, com explicações detalhadas e técnicas, a ideia bastante propagada de que o sistema de votação eletrônica do Brasil é um dos mais avançados do mundo. Primeiramente, ele aborda o fato do acúmulo de poder na justiça eleitoral: é ela quem administra o sistema eleitoral, legisla sobre ele e julga as questões a ele referentes. Assim, ela é quem impõe o tipo de sistema eletrônico e, devido a esse superpoder que lhe é atribuído, acaba dificultando os meios de sua auditoria.
Ainda segundo Amilcar, o Brasil e a Índia são os dois únicos países que usam a urna eletrônica da primeira geração. Outros países rejeitaram essa tecnologia e usam a tecnologia de segunda geração, onde é possível o eleitor confirmar se seu voto foi realmente para o seu candidato. É o que é utilizado na Argentina, que, segundo o engenheiro, é o melhor sistema que existe atualmente. As máquinas eleitorais gravam o voto eletronicamente, mas mantém um segundo registro que o eleitor pode ver.  Cada voto vai ter duas vias: via impressa e via digital (ou através do escaneamento ou por meio de impressão do voto). Na impressão, o eleitor pode ver e conferir a via impressa, a qual é guardada numa urna comum. Após a eleição, há como fazer uma auditoria e comparar se a soma dos votos impressos é igual à soma dos votos eletrônicos.  
Aqui no Brasil, no modelo de primeira geração, isso não é possível, pois o voto não é impresso na tela ou no papel para que o eleitor se certifique se está de acordo com sua opção. O voto vai direto pro arquivo de registro digital do voto sem o eleitor saber se o que lá está sendo gravado é realmente o seu voto. A justiça eleitoral não permite que o próprio eleitor veja o que foi gravado como sendo seu voto. Presume-se que todos que trabalham com o sistema eletrônico internamente são sujeitos honestos e incorrompíveis, perfeitos, o que sabemos ser impossível de se garantir.
Outro ponto interessante abordado: os testes realizados pelo TSE no nosso sistema eletrônico são falhos. Sim, são falhos porque repletos de limitações e condições que impedem que sejam realizados testes mais confiáveis.
Foi aprovada a Lei 12034/09, que previa a utilização do modelo da segunda geração em 2012. Mas, a justiça eleitoral solicitou ao Ministério Público que entrasse com uma ação de inconstitucionalidade desta lei. Esta ação foi para julgamento no STF. Então, por medida cautelar, a lei foi suspensa e assim se encontra até o momento.
Assistam à entrevista abaixo. Vale a pena, pois acrescenta muito conhecimento por meio de informações que normalmente não são divulgadas pela mídia convencional.
Por todas as informações, dá pra concluir que a justiça eleitoral possui poder total sobre o voto do eleitor, e que o brasileiro, como eleitor, precisa sim ter seus direitos mais respeitados.
Enviado por  em 09/01/2012

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si