Pular para o conteúdo principal

PLANO DE GOVERNO DE ALAIR CORRÊA - PRINCIPAIS TEMAS - PARTE V

SEGURANÇA



Sabemos que a segurança pública é atividade de competência estadual, mas o governo municipal pode e deve colaborar, em forma de apoio, na solução do problema que, ultimamente, tornou-se algo de vulto em todo o país. Nas cidades do interior do estado do Rio de Janeiro, o problema se agravou com a instalação das UPP's na capital pois isso ocasionou uma migração de criminosos do Rio para o interior. 

Em Cabo Frio, a situação não foi diferente. Hoje em dia, a guarda municipal é o instrumento de que o município pode se utilizar para ajudar na prevenção e combate à criminalidade. Nos últimos anos, o governo atual da cidade não tomou nenhuma medida de apoio, nem mesmo exigiu do estado providências mais efetivas para resolver o problema. Além disso, o efetivo da guarda foi reduzido e, conforme comentário de um leitor, postado há alguns meses aqui mesmo neste blog, novos guardas municipais, aprovados em concurso público, não foram convocados. 

Em Campos Novos, no distrito de Tamoios, certa vez chegaram a correr um abaixo assinado para alterar o horário de saída dos alunos do turno da tarde por causa da falta de segurança ocasionada por ser um lugar ermo e sem segurança policial ou da Guarda Municipal.

Alair, em seu plano de governo, propõe medidas de fácil execução para ajudar a diminuir esta problemática. Será o governo municipal fazendo sua parte e colaborando para que seus cidadãos tenham uma melhor qualidade de vida. Suas ações passarão por um fortalecimento e aprimoramento da GUARDA MUNICIPAL.

São elas:

- aumento do efetivo, através de concurso;

- criação de novos destacamentos nos bairros Jardim Esperança e Peró e aumento do efetivo na Cidade de Tamoios;

- implantação de treinamentos periódicos através de cursos que promovam maior qualificação dos seus membros perante a legislação e os contribuintes;

- aquisição de novos veículos e modernização dos equipamentos já existentes;

- ampliação dos convênios com órgãos estaduais e federais;

- capacitação do efetivo para atender grandes eventos;

- criação do programa "Ronda Escolar" visando coibir prática de crimes no entorno das escolas.


E na área de prevenção ambiental:

GUARDA MARÍTIMA e AMBIENTAL:

- Reestruturação da Guarda: reestruturação da guarda marítima, retornando à sua obrigatoriedade dentro das praias, laguna e apoio à Capitania dos Portos, dando segurança aos moradores e turistas no seu principal lazer.

- Criação da Guarda Ambiental: nova estrutura da guarda, visando aprimorar o cuidado com o meio ambiente.

- Novos Equipamentos: compra de lanchas e de equipamentos modernos, visando uma melhora na prestação de serviços.

-Vigia da laguna de Araruama: monitoração da laguna de Araruama, visando diminuir a degradação do meio ambiente.

- Áreas de Proteção: proceder a vigilância sobre as APP's e APA's existentes em nosso município, visando impedir invasões e degradações às áreas preservadas.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói