Pular para o conteúdo principal

SOS PRAIA PONTAL DO PERÓ

Recebi o texto abaixo de uma amiga do facebook, como um pedido de socorro em favor dessa região tão linda que é a praia do Peró. Atualmente, não só a praia do Peró, mas também as outras de nossa cidade passam por sérios problemas ambientais causados pelos maus hábitos dos frequentadores e limpeza inadequada. Isso sem falar na falta de segurança, que acaba comprometendo o turismo, principal atividade econômica da região.

Pelo menos sabemos que nossas praias não estão sozinhas nesta luta pela sobrevivência. Ainda bem que há pessoas sérias, verdadeiramente comprometidas com o trabalho de preservação ambiental.
Abaixo segue o texto juntamente com algumas fotos e vídeo do local.

Luciana G. Rugani

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


“A praia do Peró localiza-se no bairro do Peró na cidade de Cabo Frio, no estado brasileiro do Rio de Janeiro. Com 7 quilômetros de extensão, é apreciada para a prática do surf e outros esportes náuticos. Possui águas cristalinas e foi apontada, através de análise feita pela FEEMA, como a mais limpa da Região dos Lagos. A praia situa-se entre Cabo Frio e Búzios, ao longo das Dunas do Peró, que possui um rico ecossistema com espécies endêmicas, e junto à Serra das Emerências, onde encontra-se o maior nicho de pau-brasil do Estado do Rio. A praia é parte integrante da Área de Proteção Ambiental do Pau-Brasil. Dos seus 7 quilômetros de extensão, apenas menos de 1 quilômetro é urbanizado, sendo o restante preservado com vegetação de restinga. No centro urbano existem dois shoppings e a Praça do Moinho, principal ponto de concentração dos turistas.”

Este texto foi extraído do Wikipédia, a enciclopédia livre. 

Porém, este paraíso vem sendo ameaçado pelo descaso da segurança pública e da proteção ao meio ambiente. No final da praia indo em direção a Búzios tem um cantinho que chamamos de Pontal do Peró, onde temos uma área com uma vegetação de mangue e nas cheias cria-se uma braço do mar, conforme exibido num vídeo postado no Youtube. http://www.youtube.com/watch?v=A_flNtL74nY

Este lugar lindo vem sofrendo com constantes roubos, arrastões e assaltos a mão armada, além do lixo que não é recolhido tanto do que vem pelo mar quanto por frequentadores mal educados que deixam seu lixo na praia. 

A limpeza só é feita na área “urbanizada”, o restante da praia fica por conta de alguns voluntários e da própria natureza. 

Tenho tentado assim como outras pessoas do Loteamento Caravelas do Pero, local também abandonado e que dá acesso a praia, buscar junto aos órgãos competentes melhorias de infra estrutura e de segurança, mas infelizmente até agora não tivemos retorno. 

Nós moradores e proprietários do Loteamento Caravelas do Peró estamos apavorados, não podemos mais frequentar a Praia, até para fazermos atividades de limpeza no local. A recomendação de todos que conhecem o cantinho Pontal do Pero é de que lá é muito perigoso. Lamentável, estamos sendo privados do nosso direito mais básico que é de ir e vir". 

SOS Praia Pontal do Peró




                                                 


                                                 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si