Pular para o conteúdo principal

SOLIDARIEDADE


SOLIDARIEDADE

por Marta Rocha


Se tinha uma coisa que eu gostava de fazer quando era jovem, era escrever, escrevia sobre tudo, tinha poesias, diário e uma facilidade enorme para me expressar através da escrita, com o tempo fui perdendo este dom, ou acredito que ele possa estar adormecido em algum lugar dentro de mim só esperando o momento certo para desabrochar novamente.

Tenho falado muito com uma amiga que ao meu ver é uma tremenda escritora por quem tenho muita admiração, em conversas pelo Facebook ela vem me incentivando a escrever. Ontem (22/01) escrevi para ela que iria pedir a Deus uma inspiração e assim que conseguisse alguma coisa interessante iria escrever. Ela como sempre, me deu a maior força.
Falamos sobre o objetivo do blog dela que está voltado para divulgação de boas causas. Hoje no caminho para o trabalho como faço todas as manhãs - uma verdadeira maratona - pego três conduções, sendo que a última é um ônibus que raramente consigo me sentar, ai veio em cheio a inspiração, com um simples sentimento ou falta dele: SOLIDARIEDADE. 

Eu como a maioria das mulheres carregamos mais de uma bolsa, no meu caso uma bolsa enorme com as minhas coisas que julgo altamente necessárias para a minha sobrevivência diária e a outra uma mochila ou algumas vezes uma sacola onde carrego a minha roupa de ginástica, que tenho intenção de fazer cinco vezes na semana, mas me dou por satisfeita quando consigo ir ao menos duas vezes.

Bom,  tudo isso para vocês entenderem o que quero dizer, primeiro tentar passar na roleta de um ônibus em movimento, carregando duas bolsas grandes e ainda tentando colocar o vale transporte no painel para liberar a catraca é uma completa aventura e demonstração de esforço e equilíbrio para não cair. O trocador normalmente sentado não mexe nem um milímetro para te ajudar e quando finalmente consigo passar ai vem a outra grande aventura que é não deixar com que as minhas bolsas incomodem ninguém e ainda continuar me equilibrando para não cair. Graças a Deus, esta parte da minha viagem é rápida, mas me serviu hoje de inspiração. Faço isso todos os dias e raramente, mas raramente mesmo, alguém se propõe a ajudar, segurar a bolsa ou me ajudar a atravessar a roleta e ai fiquei imaginando, onde anda a solidariedade das pessoas? O que custa você estender a mão para ajudar alguém um segundo sequer que está com dificuldades?

As vezes a gente fica buscando projetos mirabolantes para ajudar ao próximo e quando na maioria das vezes são gestos simples e que não requer muito esforço pode fazer uma grande diferença no outro e até em você mesmo.

Digo isso, porque quando você ajuda ao próximo recebe a energia de gratidão, aquele olhar de cumplicidade, tipo que bom que você percebeu que eu estava toda enrolada, enfim, é uma troca maravilhosa e que não custou nada, somente um pequeno gesto.

Que tal disseminarmos isso? Compartilhar a corrente do bem? Carregar uma sacola, ajudar alguém a atravessar uma rua ou seja, coisas pequenas e do dia a dia que fazem muita diferença a começar por nós mesmos.

Tenham um bom dia solidário!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si