Pular para o conteúdo principal

CABO FRIO: PIONEIRA NO PAÍS NA CRIAÇÃO DE COMUNIDADE PARA TRATAMENTO DE DEPENDENTES QUÍMICOS A FUNCIONAR COM RECURSOS PRÓPRIOS

Todos os dias, no meu caminho para o trabalho, passo por uma avenida em cuja margem, já chegando na região central da cidade, encontra-se parte de nossa terrível cracolândia. Já de manhã bem cedinho e aquelas pessoas ali, perdidas de si mesmas, entregues totalmente ao poderio da droga, à margem da vida.

Hoje observei e fiquei refletindo: como pode um poder público, uma prefeitura, permitir esse tipo de coisa dentro de seu município? Há tantos anos que vivemos esta situação em Belo Horizonte, reportagens e mais reportagens na TV, nos jornais, e nenhuma atitude por parte do Poder Público. Daí lembrei da matéria abaixo, e resolvi publicá-la aqui neste blog como divulgação para que, quem sabe, outras cidades possam se sensibilizar com a ideia e investir em projeto semelhante. 

A cidade de Cabo Frio certamente será a primeira cidade no país a ter uma Comunidade Terapêutica para tratamento de dependentes químicos com recursos próprios! Parabéns! Com certeza será um primeiro passo de suma importância para atacar o problema das drogas de uma forma mais realista e mais efetiva. 

Que os prefeitos das cidades que sofrem com este grave problema possam se inteirar melhor deste projeto e adaptarem algo semelhante em seus municípios, pois o problema da dependência adquiriu proporção gigantesca e tornou-se um grave problema social que atinge diversas áreas, como saúde, assistência social e segurança pública.

Não basta ignorar, não basta mudar de caminho ou se acostumar com um fato tão degradante, passando a enxergá-lo simplesmente como algo comum nos dias de hoje.
Vale ler a matéria abaixo:
Luciana G. Rugani

Cabo Frio ganha Comunidade Terapêutica para tratamento de dependentes químicos
 Comunidade ficará no Alecrim e será a primeira a funcionar no país com recursos próprios


Oferecer um ambiente seguro e acolhedor que facilite a socialização e a busca de equilíbrio no tratamento de dependentes químicos. Esse é o objetivo da Comunidade Terapêutica que a Prefeitura de Cabo Frio, através da secretaria Municipal de Prevenção ao Uso de Drogas, vai criar no bairro Alecrim. Será a primeira Comunidade Terapêutica pública do país a funcionar com recursos próprios, já que este tipo de tratamento só é oferecido hoje à população através da rede particular de saúde.

- Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) cerca de 5% da população mundial – 200 milhões de pessoas – entre 15 e 64 anos de idade, consomem algum tipo de droga ilícita ao menos uma vez no ano. O Brasil está entre os países onde este problema ocorre com maior intensidade, daí a importância da sua prevenção e o enfrentamento com a adoção de políticas públicas e ações articuladas que minimizem as conseqüências do tema em questão, bem como a conscientização da população, diz a secretaria Cris Mansur.

Comunidade Terapêutica é um modelo residencial de tratamento da dependência química, que utiliza como método, a experiência de vida e a convivência em uma cultura saudável organizada como uma micro-sociedade. Ao todo serão disponibilizados 75 leitos, sendo 50 para homens e 25 para mulheres. Sua estrutura (organização social), seus moradores (funcionários, residentes e profissionais da área de saúde) e sua rotina de atividades diárias (recreação, palestras, reuniões, trabalhos) serão preparados para facilitar o tratamento, a aprendizagem e a recuperação do interno.
- Nosso objetivo é minimizar os danos provocados por este grande mal da sociedade e os problemas que se agravam a cada dia, interferindo no desenvolvimento dos indivíduos, principalmente na vida de jovens e adolescentes, alerta.

A Comunidade Terapêutica do Alecrim terá clínico geral, neurologista, atendimento odontológico, psicólogo, psiquiatra, enfermeiros, monitores, biblioteca, espaço para terapias em grupo, academia de ginástica, lavanderia, campo de futebol, quadra de vôlei, hidroginástica, salão de jogos e cursos profissionalizantes nas áreas de hotelaria, culinária, artesanato, eletricista, entre outros. Todos os dormitórios têm banheiro para os internos. Além disso, um dos alojamentos será adaptado com 6 leitos para receber portadores de necessidades especiais.

Na Comunidade Terapêutica, além de receber todo o atendimento necessário para sua recuperação, o interno precisa trabalhar. Eles formam a mão-de-obra para o cultivo de hortaliças, criação de animais e fabricação de pães e bolos numa mini-padaria. Todos os alimentos são para consumo próprio. A transformação biopsicossocial e espiritual envolve o aprendizado de novos valores, comportamentos, capacidades e responsabilidades, gerando os instrumentos necessários para a reinserção social. Segundo especialistas, o trabalho realizado incentivar o usuário a retomar suas relações familiares e atividades profissionais.

- O objetivo é tratar o transtorno do indivíduo, mas também proporcionar uma transformação no estilo de vida e na construção de uma identidade cidadã, conclui Cris Mansur. 

Texto: Alexandra de Oliveira e Marcelo Velloso / Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Prevenção ao Uso de Drogas

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si