Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES: DESCONSTRUÇÃO DO ADVERSÁRIO = MENOSPREZO DA INTELIGÊNCIA DO ELEITOR

Ao ler a matéria "PT e PSDB focam campanha em 'desconstruir' Marina" (http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Visao/noticia/2014/08/pt-e-psdb-focam-campanha-em-desconstruir-marina.html), chamou minha atenção o modo como é encarada, pelas partes, a disputa eleitoral.
O que fazemos quando queremos valorizar um produto para venda, por exemplo? Sabemos que todo bom vendedor busca exaltar as qualidades do seu produto, e mais que isso, busca enfatizar o que de bom ou de útil a aquisição daquele produto poderá trazer ao comprador. Esta é uma regra básica de argumentação de vendas. Ora, isso é valorizar o que se oferece ao outro. Não se vende um produto destacando os defeitos de outro, pois o cliente quer saber informações é sobre o seu produto. Você pode até compará-lo com o outro, mas sempre focando as características do seu produto, mostrando o seu diferencial.  

Trazendo esse raciocínio para o assunto da propaganda eleitoral, temos que o eleitor é como se fosse o comprador: deseja conhecer os candidatos e suas propostas para, a partir daí, escolher aquele que mais lhe pareça adequado. E os candidatos são como se fossem os vendedores, e os produtos a serem vendidos são suas propostas e ideias. Estas que devem ser valorizadas, focadas, destacadas.  

Essa pequena comparação serve para alertar o eleitor de que, em uma política séria, é essa a atitude que deve prevalecer: candidatos destacando seus trabalhos, suas ideias e o quanto elas farão a diferença na vida do eleitor. E eleitor se informando, conhecendo as ideias de cada um, comparando-as e, finalmente, optando. 

Agora, quando lemos uma matéria como a mencionada acima, percebemos o nível atrasado em que ainda se encontra a política brasileira. Essa estratégia do PT e PSDB é uma amostra de como se faz política no Brasil. A preocupação maior não é fazer um trabalho diferenciado, ou elaborar uma proposta coerente e atrativa. Preocupa-se muito mais em desfazer o adversário, foca-se mais nas propostas do outro do que no desenvolvimento do próprio projeto. É um nível bem atrasado ainda, e se pensarmos bem, é um reflexo da própria sociedade também ainda atrasada em que vivemos, onde muitas vezes, em uma equipe, os membros, invés de pensarem em desenvolver suas potencialidades e contribuírem com o melhor possível de cada um, preocupam-se mais em olhar o outro que se destaca e boicotar seu trabalho por simples espírito de competição, o que acaba por anular as forças que deveriam somar, e, por consequência, leva a um resultado final pífio. Se cada parte tivesse mais objetividade e preocupação em desenvolver um bom trabalho, com certeza viveríamos em uma sociedade muito mais evoluída e próspera.

Realizar uma campanha focando a desconstrução do adversário é revelar que o que vale é assumir o poder a todo custo, pois destruindo o adversário o poder lhes chegará naturalmente às mãos. Somem os debates construtivos, olvida-se a argumentação inteligente e o eleitor, ao ser privado de ricos debates em torno das ideias e projetos, tem sua capacidade de livre escolha menosprezada, diminuída.

Não sejamos fantoches, não nos deixemos manipular pelo que dizem uns de outros. Valorizemos mais nossa inteligência e capacidade de escolha apoiando candidatos que souberem manter uma campanha em melhor nível e que busquem divulgar seu próprio trabalho e debater ideias e propostas. Agindo assim, estaremos respeitando a nós mesmos, valorizando nosso próprio poder e capacidade de análise e decisão. 

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si