Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES: SOBRE O FINANCIAMENTO DAS CAMPANHAS ELEITORAIS

Hoje, ao ler a matéria publicada no UOL sobre o custo das campanhas eleitorais (http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/08/02/r-74-bilhoes-campanhas-eleitorais-vao-custar-ate-tres-copas-do-mundo.htm), novamente lembrei da reforma política tão urgente, mas tão protelada em nosso país.

Segundo a matéria, a soma do limite de gastos das campanhas de todos os candidatos já registrados na Justiça Eleitoral será de R$ 73,9 bilhões (valor suficiente para organizar três copas do mundo). Há quatro anos, este valor foi de R$ 48,4 bilhões. A matéria destaca ainda o fato de que "a diferença é que a Copa do Mundo foi custeada, sobretudo, com dinheiro público, enquanto as campanhas são bancadas majoritariamente por meio de doações feitas por empresas".  

Sem entrar na discussão dos valores, que a cada eleição aumentam vertiginosamente por diversas razões, é importante sabermos que em muitos casos o fato de estas campanhas serem bancadas por meio das doações de empresas (ou particulares) pode causar um estrago ainda maior do que se fossem custeadas por um valor público, fixo, e mais de acordo com nossa realidade.

Concordo quando a matéria diz o que todos sabemos, que "não existe preferência em termos de ideologia". Neste meio há sempre interesses, basta lidar um certo tempo no meio político para ter isso como uma verdade absoluta. Contribui-se para, lá na frente, receber a recompensa. Mas quanto danosa pode ser esta recompensa para os brasileiros em geral? Quando ouvimos notícias sobre votações que acabam por levar à destruição de nossa natureza; quando reformas sérias nas questões do combate à criminalidade não vão pra frente, por exemplo, quais as raízes de tais decisões? Logicamente, quem fala mais alto nestes casos são os interesses dos grupos financiadores que estão sendo defendidos, não há como sair fora dessa realidade, pois trata-se de um negócio, um trato firmado e remunerado para isso. Quantas empresas seguem, por exemplo, destruindo o meio ambiente, desmatando, descumprindo normas, e apesar de tudo permanecem ativas por governos e governos? 

A doação de particulares, sejam empresas ou pessoas físicas, é também uma porta aberta para entrada de dinheiro sujo e, por conseguinte, manipulação do poder, tanto no Legislativo como no Executivo. Todos sabemos que não são poucos os que aproveitam deste recurso para "lavar" o dinheiro oriundo de atividades ilegais, ou mesmo derivado de abuso de poder de alguma autoridade, aquele dinheiro que não pode ser declarado. Pessoas físicas, utilizadas como "laranjas" para esconder a verdadeira origem do dinheiro, figuram como doadores de campanha no lugar dos verdadeiros colaboradores. Há inúmeros esquemas bem elaborados para trazer verba para campanha e ao mesmo tempo atrelar, amarrar o candidato aos interesses dos financiadores. Isso sem falar nos gastos não declarados, dos quais de vez em quando ouvimos notícias de apuração por parte do Ministério Público.

Nos dias atuais, tempo em que a criminalidade e as irregularidades possuem ligação cada vez mais estreitas com o poder, a reforma política se faz urgente, principalmente no que toca ao financiamento de campanhas. Muitas máfias disso ou daquilo mantêm-se no poder devido a estes esquemas milionários de financiamento. É parte da triste realidade brasileira....

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si