Pular para o conteúdo principal

DESINTERESSE POLÍTICO

"Estamos cansados. Nós, os jovens, somos acusados de indiferentes e apáticos em um país que se destroi politicamente. Ante os contínuos enfrentamentos entre uns e outros partidos políticos, não nos resta outra opção. Estamos fartos de mentiras de uns e outros, que, à falta de argumentos, criticam os erros cometidos por governos anteriores, que estando na oposição digam apenas "não" a tudo, e de que tentem nos manipular através dos meios de comunicação. Senhores políticos de todas as ideologias: não nos sentimos identificados com ninguém! Temos sede de propostas, fome de ideias e um grande vazio de honestidade e trabalho pelo povo. Voltem a nos iludir e obterão a resposta que se espera de nós".


Ao ler a matéria publicada pelo Jornal O Tempo,  que diz que 62% dos brasileiros se interessam pouco ou quase nada pela eleição, destaco o seguinte trecho: 
"Para o cientista político da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas Marco Teixeira, os dados revelam algo que já transparecia na sociedade brasileira “Creio que aí se revelou algo que já vem acontecendo há algum tempo e desencadeou inclusive os protestos de junho. É a chamada crise de representação, quando os políticos não têm mais a capacidade de atender às demandas da população, principalmente essas que são mais urgentes”, avalia o professor". http://www.otempo.com.br/capa/pol%C3%ADtica/pesquisa-62-se-interessam-pouco-ou-nada-por-elei%C3%A7%C3%A3o-1.921355


Fica aqui a seguinte reflexão:

Qual será o quinhão de responsabilidade dos políticos nesse desinteresse? Será isso reflexo da impunidade, da corrupção impregnada em todos os níveis de poder, da falta de respeito generalizada com a coisa pública, fatores que levam a total falta de opção? 

Uma amiga comentou que dias atrás ouviu uma repórter dizer que estava percebendo, neste período eleitoral, o mesmo clima morno que reinava antes da copa, com total falta de entusiasmo e de expectativa por parte dos brasileiros. Creio que seja justamente isso que esteja acontecendo. Quando vemos que o sistema não muda, que entra governo, sai governo, e os problemas se agravam, parecendo que na verdade todos que entram falam a mesma língua, que expectativa podemos criar?

Para que qualquer ação seja realizada, é preciso motivação. Nós, seres humanos, não somos autômatos. Nossa essência tem base no pensamento, no livre discernimento. A essência do ser humano é pensar, raciocinar, escolher e agir, mas antes de tudo isso é necessário que haja a motivação. Pensemos bem: o que pode nos motivar quando vemos que a cada dia a situação se complica mais e mais e que, apesar de toda a esperança, a cada eleição os discursos e promessas são os mesmos e repetem-se de quatro em quatro anos? 

Penso que não adiantam os argumentos que dizem que os brasileiros devem se interessar pela política, pois interesse não é algo que se origine de dever. Forçar a barra insistindo em campanhas que digam que deve haver interesse é inócuo. Interesse vem junto com esperança, com estímulo. E para haver esperança e estímulo, só mesmo quando for possível vislumbrar uma chance de mudar o tão viciado sistema, os hábitos e costumes perniciosos do meio político. Enquanto prevalecer a mesma roda, onde só mudam os componentes de tempos em tempos, grande parcela dos brasileiros seguirá, em relação à política, desestimulada e sem vontade de dedicar seu empenho.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si