domingo, 12 de julho de 2015

A SECA NO SUDESTE E A DESTRUIÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA

Abaixo segue entrevista realizada pelo escritor e jornalista Marcelo Csettkey com Antônio Donato Nobre, pesquisador e cientista  do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), sobre um dos grandes problemas de nossa atualidade: a falta de chuvas na região sudeste do país e sua relação direta com o desmatamento e consequente destruição que vem ocorrendo em nossa floresta amazônica. 
A entrevista faz parte do livro "A floresta amazônica garante nossas vidas", de Marcelo Csettkey.

Luciana G. Rugani

JORNAL DE DEBATES > ENTREVISTA / ANTONIO DONATO NOBRE

A água nossa de cada dia

Por Marcelo Csettkey em 10/02/2015 na edição 837
Há uma ficção que traduz com semelhança a situação que ora vivemos. Um cientista anteviu uma catástrofe climática inevitável no filme O dia depois de amanhã. Os políticos o ignoraram, até que o pior previsto aconteceu. A diferença entre a realidade e a ficção se dá por dois detalhes importantes: no filme, o cientista elabora uma teoria no calor do momento, na iminência do fato ocorrer. Na vida real, nossa crise hídrica foi antevista e anunciada pelo cientista Antonio Donato Nobre (PhD, pesquisador do MCTi/CCST-Inpe e MCTi/Inpa) com bastante antecedência. Sua previsão, feita há dez anos, está registrada em uma reportagem da revista Veja intitulada “O ano em que a Amazônia começou a morrer”, publicada no dia 28 de dezembro de 2005. Ali, Nobre afirmava:
“Teríamos uma grande queda de pluviosidade na Região Sudeste, comprometendo a Bacia do Prata e consequentemente, grande parte da geração de energia do país.”
Exatamente o que está acontecendo, basta acompanhar as notícias. Então, o que será da Região Sudeste se os “volumes mortos” morrerem? Os políticos até agora não quiseram ouvir o alerta e a mídia não lhe deu a importância merecida. Políticos e mídia, ao que parece, preferem assumir o risco da ocorrência, omitindo-se ou tergiversando. No filme, houve, por parte do cientista, a constatação da inevitabilidade da catástrofe! Na realidade, ainda há esperança de gerar-se uma inflexão no curso dessa inevitabilidade. É por esta esperança que entrevisto o cientista real.
Partilho a preocupação de todos com a seca que atinge o Sudeste do Brasil, pondo em risco nossas bacias hidrográficas, nossa energia elétrica, nossa água e comida. Tudo o que está acontecendo pode não ser aleatório, mas sim resultado também do desmatamento irresponsável que ocorre diuturnamente na Amazônia e sua relação causal, e não casual, com a diminuição da umidade vinda da floresta para o Sudeste do país nos “rios aéreos” – por uma singularidade que envolve a Cordilheira dos Andes.
O relatório de avaliação científica feito por Nobre, “O Futuro Climático da Amazônia“, é contundente; porém, como dizia Shakespeare, “para males desesperados só remédios enérgicos ou remédio nenhum”. Nobre exorta a população, pois só combatendo a ignorância por meio da mobilização popular poderá ser estancada a grande perda anunciada.
“A única possibilidade é restaurar as florestas”

Marcelo Csettkey - O que de fato acontece que põe em risco o abastecimento de água e energia elétrica nas cidades e capitais do Sudeste? Que singularidade está sendo ameaçada – que difere o Sudeste do país dos desertos na mesma linha entre os trópicos de Câncer ou Capricórnio – e por que motivo os “volumes mortos” tendem a morrer definitivamente?

Antonio Donato Nobre – Os sintomas do desarranjo climático estão aí. Como na crônica da morte anunciada, experimentamos já agora muito do que fora previsto desde mais de 20 anos por vários estudos feitos na Amazônia. E da observação desta nova realidade chegamos à conclusão cientifica: remover árvores leva a um clima inóspito. Com a destruição continuada das florestas é garantido o destino de clima não amigável, especialmente sob o estresse aumentado das mudanças climáticas globais. Éramos felizes e não sabíamos, pois a Amazônia foi e, apesar do desmatamento, ainda é, grande provedora de serviços ao clima. Sabemos agora que a região centro sul da América do Sul recebe a maior parte de suas chuvas a partir de vapor bombeado pela grande floresta. Tal explicação permite compreender por que essa rica região produtiva não é deserto, como são outras regiões na mesma latitude. O clima é variável, assim é provável que, apesar destes anos alarmantemente secos, ainda voltem as chuvas. Não sabemos exatamente como essa transição para uma aridez possa se dar. Mas sabemos que, quando vier, toda a região se verá permanentemente privada do elo mais importante do ciclo de água doce em terra: o suprimento pelas chuvas. 2014 já é um exemplo do que poderemos esperar.

M.C. - O que provoca o surgimento de uma enorme massa de ar seco, um “paquiderme atmosférico”, uma espécie de Jabba the Hutt“sentado” em cima da Região Sudeste? O que poderia ser feito para diluir essa massa de ar seco que insiste em impedir que as nuvens carregadas de água, vindas da Amazônia se espraiem pela Região Sudeste?

A.D.N. – O grupo no qual atuo, liderado pelos físicos russos Victor Gorshkov e Anastassia Makarieva, explica o fenômeno como decorrência direta da remoção de florestas (também na própria região Sudeste), o que impede a convergência de umidade do oceano para o interior do continente, permitindo a estacionamento dessa massa de ar quente e seco, típica de deserto. Tem também a alça de ar da circulação de Hadley, aquela do ar ascendendo úmido no entorno do equador e baixando seco nas latitudes médias – a explicação clássica para o cinturão de desertos nestas latitudes – que poderia estar recebendo vitamina energética do próprio aquecimento global. Liguemos as pontas: tire as florestas e os efeitos da circulação alterada pelo aquecimento global têm campo livre para atuar e eventualmente ali se fixar. Se essa nova circulação e seu clima associado vieram para ficar, se já não for tarde demais, a única possibilidade é recolocar na paisagem o elemento-chave para um clima amigo: restaurar as florestas.
“A floresta amazônica tem papel importantíssimo na regulação climática”

M.C.- Quais as medidas mais eficientes para se impedir a catástrofe climática anunciada?

A.D.N. – Nesta altura e a curto prazo não parece provável ou mesmo possível impedirmos a calamidade climática que nos bate a porta. Mas creio que podemos, se fizermos um genuíno esforço de guerra na restauração extensiva das florestas, atenuar muito os efeitos e quiçá logremos recuperar o espetacular sistema de condicionamento climático que operava no “berço esplêndido”.

M.C. - No filme supracitado, os políticos são os últimos a reconhecer a situação emergencial. Na realidade, ao que tudo indica, o governo Dilma está na contramão da História, pois negou a assinatura da carta de intenções pelo desmatamento zero até 2030, e replantio de árvores, na Declaração de Nova York sobre Florestas, em setembro de 2014, na reunião do Clima em Nova York – documento assinado por 29 países, incluindo Estados Unidos, Canadá e vários países da União Europeia. Que interesse segundo sua opinião, motivou a negativa?

A.D.N. – Não me parece útil presumir os interesses que governam o Brasil. Entretanto, o que parece evidente é que tais ações (ou falta delas) são instruídas pelo desconhecimento da ciência. Tenho a esperança de que governantes responsáveis e compromissados com a sorte da sociedade se apropriarão dos fatos científicos e reformarão as posturas oficiais. Em vista também dos graves fatos climáticos, o Brasil deveria ocupar a liderança mundial em uma luta que resultasse em curtíssimo prazo no estancamento do desmatamento, na abolição do fogo, fumaça e fuligem e no início de um amplo esforço de restauração florestal.

M.C. - Como a destruição da Floresta Amazônica pode interferir no clima mundial? O que irá acontecer se a grande floresta se transformar em uma savana, ou algo pior, em um deserto?

A.D.N. – Simulando a morte e desaparecimento da floresta, alguns estudos estimaram o efeito da liberação massiva do carbono estocado na Amazônia sobre o clima e os prognósticos que geraram indicam sério agravamento do aquecimento global. Outros estudos avaliaram o efeito do desaparecimento da floresta sobre a circulação atmosférica, transporte de vapor e mesmo no balanço de energia, e indicaram que o clima próximo e distante pode ser impactado via perturbação no funcionamento dos oceanos. A grande floresta amazônica, descobriu-se ter papel importantíssimo na regulação climática local, regional e mesmo global. Eliminá-la será uma catástrofe impensável para a humanidade.
“Estamos matando a galinha dos ovos de ouro”

M.C. - De que forma pode haver cooperação internacional para frear o desmatamento da Amazônia? Que atitude mundial fará com que haja uma interrupção dessa catástrofe climática já anunciada? O senhor acredita que este tema possa estar inserido na pauta da Conferência sobre Mudanças Climáticas (COP 21), em Paris, em dezembro de 2015? O que fazer para que o mundo tome ciência da gravidade de destruir-se a maior floresta tropical contínua do planeta?

A.D.N. – O desmatamento na Amazônia precisa ser zerado a qualquer custo. E a tarefa compete primeiramente aos países amazônicos porque a eles foi dado o privilégio de possuir tal riqueza. Os outros países podem colaborar neste esforço através de ações ao seu alcance, especialmente deixar de consumir produtos oriundos da destruição da floresta, como toras e madeira serrada, grãos e carnes produzidos em áreas de onde se removeram florestas, entre outros. Podem também apoiar a adoção de soluções alternativas à construção de hidrelétricas nos rios amazônicos, como facilitar o acesso a tecnologias de energia solar. Mas o essencial é que os países amazônicos assumam a liderança neste grande esforço, que precisa se estender a todos os países detentores de florestas e também aos que precisam reconstruir suas florestas originais. Essa grande ação na proteção e restauração de florestas tem ótima oportunidade de ser encampada pelas Nações Unidas, mas é preciso fazer um grande trabalho de conscientização da humanidade, que então demandará dos governos o fim da procrastinação.

M.C. - Seria a demanda crescente por carne bovina, no mercado nacional e internacional, elemento catalisador do desmatamento da Floresta Amazônica, transformando grandes áreas do riquíssimo bioma em pastagens? O consumo de carne bovina oriunda da Amazônia poderia ser associado à crise hídrica no Sudeste? É plausível este pensamento?

A.D.N. – Se uma maior parcela do desmatamento bruto é atribuível diretamente à pecuária bovina e a ampliação desta atividade somente existe devido ao consumo crescente de carne no mundo, decorre que os efeitos no clima do desmatamento estão intimamente associados ao hábito de consumir carne.

M.C. - Em cinco séculos foram destruídos biomas exuberantes que garantiam o clima paradisíaco que encantou Pero Vaz de Caminha. A devastação sistemática de fauna e flora, apesar de enorme, alterou pouco o clima do país. Que singularidade beneficiou o Brasil até 40 anos atrás? E o que provocou a mudança drástica?

A.D.N. – A grande floresta amazônica, como sabemos hoje, exporta serviços ao clima para uma maior parte da América do Sul. A destruição da Mata Atlântica certamente teve efeito ruim sobre o clima local, especialmente na perda da regulação hidrológica fina e da capacidade de atenuação de extremos climáticos. Mas nos séculos passados essas regiões continuaram recebendo umidade suficiente da Amazônia para não terem se aridificado. A destruição sistemática e acelerada da floresta amazônica nos últimos 40 anos começa a destroçar a proteção que oferecia. Estamos matando a galinha dos ovos de ouro.
“Ainda temos a oportunidade de evitar o pior”

M.C. - Quanto o senhor calcula que a destruição de árvores tenha causado a diminuição dos “rios aéreos” que, tudo indica, tem provocado a crise hídrica crescente? O quanto de espaço foi perdido no desmatamento da Amazônia em quatro décadas?

A.D.N. – A crise hídrica atual parece resultar da atuação de vários fatores. Aquecimento global, mudança da circulação atmosférica, impedimento da progressão da umidade amazônica e enfraquecimento dos fluxos de vapor nos rios aéreos são alguns destes fatores. Quanto e de que forma exatamente contribui cada um deles, ainda não sabemos. Mas sabemos que todos estes fatores têm sido impactados por atividade humana. O desmatamento é a face mais visível da tragédia: somente de corte raso foram três estados de São Paulo (~763 mil km2). Degradação florestal, uma área maior ainda (~1,2 milhão de km2). Somadas, estas áreas de impacto já ocupam mais de 47% da área original de floresta na Amazônia brasileira. Tanta destruição já está produzindo impacto.

M.C. - Qual a importância das árvores na formação das nuvens? De que forma as árvores são vitais para se gerarem as chuvas de que tanto precisamos para viver?

A.D.N. – As árvores transpiram grandes quantidades de água bombeada do solo, o que resfria a superfície e fornece matéria-prima principal para a formação de nuvens. Elas também emitem compostos voláteis, os cheiros, que, como gases que se precipitam na forma de poeira finíssima, atuam na nucleação de nuvens e promoção de chuvas. Com a condensação do vapor fornecido pelas árvores, ocorre um abaixamento da pressão na atmosfera sobre a floresta, o que determina a sucção dos ares úmidos de sobre o oceano para dentro do continente.

M.C. - Há alguma possibilidade de tombar-se a Floresta Amazônica como patrimônio da Humanidade, tentando impedir assim sua destruição pela ignorância humana?

A.D.N. – Creio ser mais factível e prático empreender esforços para eliminar a ignorância humana. Somente uma sociedade consciente consegue fazer frente a interesses menores e destrutivos que surgem e são defendidos por elites poderosas. O exemplo das hidrelétricas na Amazônia é sintomático. Nos anos 80, depois de absurdos como Balbina e outras represas, pensou-se que nunca mais voltariam a cogitar novas obras deste tipo na Amazônia. Mas passaram-se décadas e o lobby das hidrelétricas voltou à carga, desta vez recebendo suporte de um governo oriundo de movimentos populares e até de parcela da sociedade que passou a justificar a geração de energia para atender à crescente demanda nacional. Até a proteção das reservas indígenas e outras áreas de conservação inscrita em nossa carta magna estão sob ataque eficiente dos interesses menores que dominam o Congresso. A meu ver, somente tombar a floresta, como se faz com valores culturais reconhecidos, não conseguirá barrar tais ataques.

M.C. - Sua mensagem para todos os que alimentam esperança, e possam garantir o futuro climático do Brasil, protegendo a Amazônia – por nós e pelas gerações que virão.

A.D.N. – Absorva e entenda a mensagem de alerta; aproprie-se do saber sobre a floresta e o clima; explique a seu modo para seu semelhante da importância das florestas; ensine a seus filhos, tios e avós; deixe de consumir produtos que colocam a floresta em risco; plante árvores; substitua seu chuveiro por aquecimento solar; demande de seus representantes e governantes atitudes responsáveis com o interesse da sociedade. E alegre-se que ainda temos essa oportunidade de evitar o pior – se lutarmos com todas nossas forças!
******
Marcelo Csettkey é jornalista, escritor e artista plástico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...