Pular para o conteúdo principal

CASA ARTESANAL: NOVO POINT DO ARTESANATO DE CABO FRIO

Nesta semana houve um intenso debate no facebook envolvendo a questão do artesanato de Cabo Frio. O centro da discussão girou em torno da ideia que alguns turistas possam ter de que os produtos à venda nos quiosques da Praça da Cidadania sejam os representativos do artesanato da cidade.

Quero deixar aqui minha opinião sobre o assunto e também aproveitar para divulgar mais uma vez a ação pioneira do governo Alair junto ao artesanato da cidade.

Em outubro de 2013, o prefeito Alair Corrêa inaugurou a Casa Artesanal. No ano seguinte, quando de nossa visita ao local, postei neste blog um texto a respeito (clique aqui para reler). No início, a "Casa" funcionava em uma pousada alugada. Hoje funciona no Shopping Ipanema Mall, no centro da cidade.

Trata-se de um projeto que reúne hoje 27 artesãos locais que trabalham com as mais diversas técnicas artesanais e expõem seus produtos confeccionados com materiais recicláveis, além de outros materiais próprios para artesãos.

Na Casa Artesanal, tanto os turistas quanto a população da cidade podem conhecer o melhor do artesanato cabofriense e contribuir para a valorização e reconhecimento do artesão local. Atualmente, a "Casa" possui também um stand no terminal dos transatlânticos, o que possibilita aos turistas que desembarcam dos navios uma recepção mais acolhedora, como se a cidade, em posição de gentil anfitriã, os convidasse para entrar de forma agradável e receptiva, mostrando um pouco de si através da produção artesanal e do contato com seus artesãos.

Como eu disse no meu texto anterior, todos sabemos da importância do artesanato como fonte geradora de renda, ainda mais agora neste tempo de crise. E além disso, sabemos que é um dos elementos propulsores do turismo, haja vista exemplos como o Shopping do Artesanato Potiguar, em Natal - RN, e o Mercado Central de Fortaleza - CE, ambos famosos pontos turísticos das respectivas cidades. Tive o prazer de conhecê-los e ver de perto o peso que o artesanato possui naquelas cidades, tanto como sobrevivência para muitas famílias como para o turismo local.

Foi conhecendo essa realidade e sabendo o quanto o artesanato pode ajudar também em nossa cidade, tanto como oportunidade de trabalho como atrativo para o turismo, que o prefeito Alair resolveu implantar o projeto da Casa Artesanal.

Já a feirinha da Praça da Cidadania é antiga. Iniciou-se há muitos anos em governo anterior do prefeito Alair, quando ainda não havia sido construída a praça e os boxes, era a chamada "feirinha do Malibu". Mas nos anos posteriores ela cresceu, mudou sua "cara". Com o tempo, diminuiu muito o número de boxes com artesanato propriamente dito, quase acabou, e aumentou o número de produtos industrializados e de alimentação. Então o que percebo é que ela ficou como um ponto de referência próximo à praia, onde o turista aproveita a noite para aquela caminhada leve com a família e amigos, onde come alguma coisa e olha um ou outro produto, mas ela não tem mais a "cara" de uma feira de artesanato. Ali é pouco para que o turista tenha uma visão do que seja realmente o artesanato local, e turista geralmente busca como souvenir algo que o remeta à cidade, ou à sua história e seus pontos turísticos.

Vejo que o governo do prefeito Alair Corrêa mais uma vez inovou e abraçou uma excelente ideia ao lançar o projeto da Casa Artesanal, possibilitando oportunidade de trabalho para os cabofrienses que vivem do artesanato e o mesmo tempo abrindo espaço para venda de produtos que expressem o dia a dia cabofriense, a vida e a cultura da cidade, onde os turistas possam realmente encontrar o que procuram em termos de souvenirs. É um projeto que abrange a divulgação de nossa cidade através dos produtos artesanais, que colabora na "conquista" do turista e ainda atua na geração de renda ao abrir oportunidade de trabalho.

Vale a pena conhecer!

 












Comentários

  1. Concordo com você minha amiga! Em número gênero e grau,essa é forma decente e equilibrada de defender um opinião, uma ideia e uma arte mais uma vez eu digo: Meus respeitos Luciana G. Rugani.

    ResponderExcluir
  2. Olá,Sou artesã da casa artesanal e Quero lhe agradecer pelo previlegio de estar falando um pouco sobre nossos trabalhos!!!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia... Bom saber que temos um lugar reservado para o verdadeiro artesão da cidade. Apesar de que, um local que reúna mais características da cidade seria o ideal, mas para começo já é válido! Ou que os produtos locais sejam vendidos em vários pontos também é uma boa!

    ResponderExcluir
  4. OI Eduardo, quem escreve aqui é Vania, mae de Rafael, Marcelo e Ricardo que estudaram no Beija Flor, legal que vc gostou. Esse foi um projeto que idealizei, ja teve local apropriado em 2013, mas por conta da crise, hoje estamos no shopping, que foi cedido por um amigo empresario da cidade. Qualquer dia passa la com sua filha, tem muitas bonecas e artigos infantis. Abraçao!

    ResponderExcluir
  5. Obrigado Vaninha, vamos sim!! Abraço em todos da sua família, que temos com muito carinho!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si