Pular para o conteúdo principal

MENSAGEM DO PREFEITO ALAIR CORRÊA

CABOFRIENSES, Não conseguimos ainda, a devolução dos 296 milhões de reais que perdemos com o petróleo como aprovaram o senado e a câmara federal, Sendo assim, em 2016, nossa batalha continua com uma arrecadação inferior a despesa que temos com a folha dos servidores e com a manutenção da cidade. 

Temos problemas com pagamentos das empresas de varrição , da coleta de lixo, da retirada do resto de obras, do subsídio de ônibus, fornecedores e empreiteiros. A cada dia temos um embate com algum seguimento mais sem fugir dele, Já diminuímos bastante as despesas com a manutenção da cidade e também com folha de pessoal. mas por maior que seja minha dedicação com a situação, ainda assim, não conseguimos resolver nosso problema financeiro na prefeitura. Em janeiro e fevereiro que em tese teriamos um fôlego, já que as férias escolares nos permitem a redução de 4 milhões de reais, infelizmente não acontecerá porque nossa despesa com a segunda parcela do13¤ salário será de 6 milhões de reais. Então, precisaremos de mais dois milhões de reais. Não é fácil enfrentar tamanha situação.

Não tenho contado com qualquer tipo de compreensão da nossa sociedade e alguns até pensam que eu sou a causa do sério problema. 

A folha que era de 35 milhões conseguimos trazê-la para 30.5 milhões, a manutenção bruta que era de 9.5 milhões reduzimos para 5.5 milhões. Não temos como fazer mais nada além de trabalhar o crescimento da receita interna e é o que estamos fazendo. A saúde e educação consomem 85% do valor da folha de pessoal, ou seja, 26 milhões de reais. Os outros 15% são de outras secretarias e comissionados.

Como vêem não temos mais onde diminuir os gastos, a não ser fechando escolas como o estado de São Paulo, ou fechando hospitais como o Estado do Rio de Janeiro, o que não farei. 
Sou sabedor de que para acabar com greves, protestos de fornecedores, de empreiteiros e a mídia cobrando sem parar por melhoria na cidade, só com atitudes duras como as que citei e agora comentei. No entanto não me perdoam mesmo conhecendo a crise.

Perguntemos; Alguém ataca SAO PEDRO, ARRAIAL DO CABO, BÚZIOS, IGUABA, ARARUAMA. SAQUAREMA, CASEMIRO DE ABREU , RIO DAS OSTRAS, RIO BONITO e outras cidades da Região por terem apenas um hospital enquanto nós temos SEIS? Não ouço ninguém reclamar por estas cidades não terem uma escola de ensino médio enquanto nós temos CINCO!!!

Não, ninguém fala nada e ninguém crítica, agora, se eu fechar apenas um dos seis hospitais que temos em CABO FRIO, o mundo cairá sobre mim, por isso prefiro sofrer mantendo a saúde, educação e a limpeza funcionando, mesmo com os protestos dos que não recebem dentro do vencimento, mas continuarei trabalhando para um dia cumprir prazos com essas pessoas que têm sido tolerante com nosso governo. Uma UPA está fechada e abrimos para substituí-la um hospital o HCE, MELHOR EQUIPADO, MAIOR, MAIS FUNCIONAL, NOVO E COM UTI DE OITO LEITOS, mas a mídia bate na prefeitura e não no estado que devem 10 milhões de reais ao município. Critica o fechamento da UPA mas não mostra a população o novo hospital municipal HCE que a prefeitura com todo sacrifício inaugurou. Só peço força a DEUS para me permitir continuar trabalhando e suportando a incompreensão humana! boa noite!

Alair Corrêa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si