Pular para o conteúdo principal

BREVES PALAVRAS SOBRE OS ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS EM NOSSO PAÍS


É muito saudável ver a sociedade movimentando-se contra a corrupção e as instituições atuando para investigar e punir. Mas, infelizmente há oportunistas de ambos os lados que não visam nada além do poder. 

Não sei o que será de nosso país, mas a sociedade precisa, independente do que acontecer, acordar e deixar ser massa de manobra dos oportunistas e continuar lutando pelo fim da corrupção e por uma sociedade mais justa. Há muitos oportunistas que se aproveitam desse movimento para utilizá-lo em seus propósitos de tomar oficialmente o poder, prova disso foi a participação na manifestação de membros da oposição citados em depoimentos na operação lava-jato, e também o fato de o processo de impeachment ser conduzido por outro investigado por corrupção. Gritarmos fora PT, PSDB, ou seja o que for, não é o caminho. Sabemos que a corrupção está no sistema como um todo, incluindo aí a legislação que a favorece. Há que se apoiar as ações de combate à corrupção sistêmica, independente de que partido for.

Não pensemos que, caso saia o PT, a corrupção estará fora do governo. Não defendo partidos. Apenas procuro enxergar com olhos mais realistas, considerando os hábitos incrustados em nosso sistema político. 

Que venham para as ruas aqueles que realmente são contra a corrupção e não os que são contra partidos. Que venham os que almejam uma sociedade mais justa,  independente de classes sociais ou de posições políticas. É ser muito idealista? Pode ser, se considerarmos a secular postura de passividade, subserviência e aceitação dos brasileiros. Afinal assim tem sido nossa cultura, enquanto cidadãos, desde a colonização. Por isso, para infelicidade de nossa nação, certamente este movimento será mais um, entre os vários que já aconteceram, a ser utilizado como legitimador dos interesses de grupos que na verdade nunca perderam o poder e que fazem parte da conhecida dança cadenciada que existe entre oposição e governo.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Sou sempre a favor da Democracia, me incomoda bastante saber que num momento tão importante como estamos passando, venham políticos corruptos, se aproveitarem e misturar o que eu entendo por política, com politicagem! Há diferenças entre política e política partidária que é de interesses e que muitas vezes passa por cima do que considero ciência política, prática de idéias. O povo domingo passado deu uma aula de cidadania e foi às ruas contra a corrupção,não a favor desse ou aquele partido, foi à favor da democracia e assim, baniu de lá os autores corruptos como Aécio,Alkmim, Serra, comprovadamente citados na operação lavajato. Eles não entenderam, pensaram que sairiam ovacionados, mas foram rechaçados, banidos, parece que o povo entendeu e está crescendo politicamente! Não queremos mais sermos manobrados, essa prática que parece não nos deixar há uns 500, anos. Acredito que esse processo está libertando o povo brasileiro, estamos à duras penas aprendendo a nos respeitar! Atentem para o crescimento do conhecimento do povo, políticos, esse sim, sempre tem razão e acerta. NÓS SOMOS OS DONOS DO BRASIL... ABAIXO TODA E QUALQUER CORRUPÇÃO!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si