Pular para o conteúdo principal

A DANÇA DAS CADEIRAS DO MERCADO ELEITORAL



Incrível como neste caso do processo de impeachment da presidente Dilma vemos um retrato fiel do nosso infame sistema político. Pra começar, são criminosos e investigados julgando outros criminosos e investigados. Como se pode permitir que Maluf (aliás, não deveria ser-lhe permitido nem mesmo a ocupação de algum cargo público), Collor e Cunha, entre outros, participem ou interfiram no processo? Para mim isso chega a ser uma aberração! 

Por outro lado, vemos um governo desesperado, utilizando manobras que na verdade revelam o quanto estamos falidos em termos de Política com "P" maiúsculo. Denunciaram que o governo federal estaria negociando cargos em troca de votos contra o impeachment. Mas o que se poderia esperar, considerando que vivemos em uma sociedade que aceita com tranquilidade e acha normal esse troca-troca, esse "quem paga mais" da nossa política? Uma sociedade onde pré-candidatos se vendem em troca de favores ou promessas futuras, onde a dança das cadeiras nos partidos virou um verdadeiro mercado persa, sem nenhuma ideologia, sem a mínima coerência, e tudo permitido pela legislação eleitoral através do famigerado "quociente eleitoral". A matemática eleitoral permite que se conheça de antemão e com quase cem por cento de chance as reais possibilidades de sucesso em uma eleição, o que faz com que sejam ainda mais intensas as barganhas e os valores nelas "comercializados". 

Compra de votos hoje em dia é o mínimo, tendo em vista tudo o que acontece. Há compra de partidos, de candidaturas, de apoio, e até mesmo de silêncio. Tudo se vende e tudo se compra nesse que vou chamar de MPB. Não, não é a música popular brasileira. Essa não vai muito bem, mas segue seu caminho. MPB é a sigla de mercado político brasileiro, denominação que acabei de criar para esse verdadeiro mercado persa brasileiro da política. 

Como podemos querer que tudo caminhe de forma ética e legal, no congresso e no governo federal; como podemos achar um absurdo que ali ocorram estes disparates, se a sociedade brasileira, até mesmo nos pequenos pleitos, como as eleições para escolha de conselheiros tutelares, vive atolada em hábitos corruptos e realimentando-os a cada pleito? Impossível. Somos o reflexo do todo. 

Ao invés de manifestarmos surpresa com tudo que vem ocorrendo no governo federal, como se fosse algo totalmente fora de propósito, ponhamos a mão na consciência e olhemos ao nosso redor. Façamos também uma autorreflexão e analisemos friamente até que ponto permitimos ou até mesmo compactuamos com a permanência disso tudo. 

Nossa economia não suporta mais tanta corrupção. Corrupção gera custo, encarece produtos. O benefício a curto prazo recebido agora, por meio do troca-troca deste mercado eleitoral, já está nos custando muito caro, e isso tende a pior se não começar a ser cortado pela raiz.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Collor, Cunha, Maluf, Sarney, Renan Calheiros, Paulinho da Força, só para citar alguns dos principais, estes não deveriam sequer constar dos quadros políticos deste país, qto mais ter força política, mas como aqui é terra de inversões de valores...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019