Pular para o conteúdo principal

CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CONSTANTES GREVES NA CIDADE

A Constituição Federal garante direito de greve e direito de livre expressão e manifestação. E é saudável para uma sociedade que assim seja.

O problema que vemos em Cabo Frio é que infelizmente a política (não a "Política", com P maiúsculo, mas sim a "política" que visa disputa por interesses personalistas) impregnou e tomou conta de tal forma de movimentos e instituições, que abusos se fazem visíveis e acabam manchando movimentos antes legítimos.

Ter bom senso é fundamental na busca de soluções. A luta por direitos é legítima, direitos devem ser respeitados. Mas várias ações já deixaram clara a influência política opositora. O governo expôs a situação financeira do município em diversas oportunidades, seja em entrevistas, seja em reuniões com os sindicatos. E não se viu, nessas reuniões, a presença de nenhum destes pré-candidatos oposicionistas (frequentemente vistos nas manifestações) para propor soluções e colaborar efetivamente para a resolução dos problemas. Comparecem às manifestações para incentivar, sem pudor, a violência e destruição do patrimônio público; aos movimentos em dia de votação da Câmara; mostram sua presença também através do patrocínio dos movimentos, mas nos momentos de apresentação de ideias e busca de soluções eles desaparecem.

Isso tudo que temos observado nos leva a lamentar a situação, pois ver os alunos irem para as ruas e, na ilusão de estarem lutando por seus direitos, serem manipulados em função dos interesses políticos dessas pessoas  é muito triste e deprimente para a Educação, área que merece amplo e total respeito, que conta em sua maioria com profissionais íntegros e competentes, porém reféns das decisões deste pequeno grupo de profissionais que controla o sindicato segundo as diretrizes de pré-candidatos da oposição.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. É lamentável que políticos dessa natureza sem escrúpulos,que na verdade não amam sua cidade,porque não pensão em soluções e sim tentar derrubar um prefeito que faz acontecer e transformou essa cidade em paraízo,hoje passa por uma crise que não é dele e sim de todo o país,não existindo compreensão e apoio dos opositores que almejam ver sua queda,mas,nosso prefeito pode envergar,porém,jamais caíra.
    Eu sou professora aposentada pelo estado do RJ e em 42 anos nunca fiquei sem pagamento e décimo terceiro,esse ano,aconteceu,não temos datas para o pagamento,décimo em 5 parcelas e a crise da Petrobrás deixou municípios e estados numa situação péssima.
    Porque massacrar nosso prefeito se o roubo veio do mais alto escalão,afetando,indústrias,comércios,empresas,havendo fechamento das mesmas e o desemprego a cada dia aumenta.
    É difícil ficar sem sálario,claro que é,temos compromissos,contas que não podem esperar,mas,o que fazer?
    Ter esperança,compreender a situação política que estamos atravessando e nos ajeitar na medida do possível.Somos capazes,é uma questão de paciência e fé.
    Somos formadores de opinião,não vamos nos deixar influenciar pelos opositores,o interesse deles são outros,que não beneficiam Cabo Frio.
    Atenciosamente,
    Eliane Campelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si