Pular para o conteúdo principal

CONSIDERAÇÕES SOBRE O EMPRÉSTIMO DE DUZENTOS MILHÕES PARA CABO FRIO

Muito se fala sobre essa questão do empréstimo e muitos comentários sem fundamento são divulgados maldosamente. O fato é que nossa cidade vive um dos seus mais graves momentos em função de toda essa crise que se abateu no país e principalmente em função da queda abrupta dos royalties.


Cabo Frio era uma cidade rica devido ao recebimento dos royalties do petróleo. Cresceu, tornou-se cidade de médio porte, desenvolveu-se bastante, principalmente entre os anos 1997/2004, em governos anteriores do prefeito Alair Corrêa, passando a ser conhecida como a "capital' da Região dos Lagos e, exatamente como ocorre nas capitais, tornou-se referência  na prestação de serviços essenciais até mesmo para as cidades ao seu redor. Na saúde, isso aumentou em muito o número de atendimentos. Lembro-me bem de quando muitas mulheres das cidades ao redor escolhiam o Hospital da Mulher para terem seus filhos devido ao renome do hospital. Além disso, passou a oferecer serviços que não são da competência do município, como na área da educação, com a criação de três escolas de nível médio, cuja competência é do estado.

A cidade vinha sendo trabalhada para viver independente dos royalties de petróleo, mas a queda abrupta da arrecadação fez com que o trabalho fosse interrompido, e os ajustes na administração fossem feitos. Hoje a cidade vive um momento grave em que a arrecadação está menor que a folha de pagamento. O prefeito conseguiu reduzir 5 milhões da folha de pessoal, mas agora não consegue reduzir mais, pois senão terá que fechar hospitais, devolver o ensino médio para o estado, enfim, o fato é que a cidade hoje não possui mais recursos para continuar oferecendo os serviços que oferece. Hoje mesmo o prefeito postou no seu blog que a trimestral do petróleo recebida ontem caiu para 0,001% do valor que era anteriormente. No passado, essa parcela era de 38 milhões de reais, e hoje ela caiu para 38 mil! Então não há cidade que consiga manter seus serviços e pagamentos em dia com tamanha queda de arrecadação. O ICMS (repasse do estado) era de 1 a 1,5 milhões por semana. Também caiu drasticamente, tanto que na semana passada foi de 48 mil. 

Em resumo, é impossível uma cidade manter seus serviços e pagar seus servidores sem recursos! Não há dinheiro, a verdade é essa. O empréstimo fará com que a cidade respire, pois seus recursos permitirão que o dinheiro que hoje é gasto com outras despesas possam ser utilizados para colocar em dia os salários dos servidores e assim a cidade poderá continuar prestando seus serviços a contento. Além disso, permitirá que outras dívidas sejam pagas, melhorando a capacidade financeira da cidade. 

Por isso que ficar contra o empréstimo nesse momento é um total contrassenso e os que estão se movimentando contra é porque têm interesse político na falência da cidade ainda neste governo, pois são adversários políticos do prefeito Alair. Mostram claramente com essa atitude que não se importam verdadeiramente com Cabo Frio e que preferem vê-la falida a vê-la reerguer-se novamente nas mãos de Alair. 


Eu quero ver a cidade em pé novamente, sendo capaz de seguir oferecendo os serviços que sempre ofereceu. E para isso é preciso sair do lugar, caminhar para frente e abraçar as boas oportunidades que surgem. Outras cidades não têm a oportunidade que Cabo Frio está tendo, portanto agora é o momento de olhar objetivamente os fatos, acordar para a realidade e abraçar essa oportunidade, sob pena talvez de nunca mais conseguirmos recuperar as conquistas perdidas.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Temos Alair como um administrador que produziu tudo o que foi mencionado no texto acima e muito mais. Nesta crise que CF vem passando exige-se que tenha um administrador de excelência. Nisto eu afirmo que nenhum dos opositores ou qualquer outro cabo-friense conseguiu construir 1/4 do que Alair já construiu nesta cidade. Por este motivo eu prefiro, por questão de inteligência, acreditar em quem já fez. Não temos tempo para jogar com a sorte pois a situação é caótica e complexa demais pra gerenciar.

    ResponderExcluir
  2. Sim, estamos no tempo das vacas muito magras, é hora de levar o gado para outras pastagens, pedirmos um alívio para nossa criação. Sabemos, a travessia é difícil, mas é preciso! É hora de crer que não se irá deixar o gado criado com tantos sacrifícios , morrer à míngua. Todos deverão ajudar a levar o gado e confiar naquele que vai à frente, que conhece todas as pedras, curvas tortuosas, porque já passou e sabe o caminho, na hora certa, voltaremos juntos, conscientes de que trouxemos o rebanho de volta pela união e confiança
    no nosso líder! CONFIE CABO FRIO, É DIFICIL, MAS O PEÃO CONHECE COMO NINGUÉM O CAMINHO... VAMOS TRAZER O GADO GORDO DE VOLTA, RECUPERAREMOS AS NOSSAS PRÓPRIAS PASTAGENS! Tenho certeza de que o nosso prefeito vai conseguir, daqui, pensamentos são todos positivos! TOCA BOIADA PREFEITO, SE LÁ TEM PASTO. ISSO MESMO. PEGA EMPRESTADO!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói