Pular para o conteúdo principal

IMPORTANTE: NOTA DA PRR3 SOBRE A VOTAÇÃO DAS 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO

por Luciana G. Rugani - No Brasil infelizmente é assim: quando uma instituição resolve cumprir seu papel realmente como deve ser, trabalhando e realizando as ações que tem por dever realizar, logo vêm as ameaças, jeitinhos e armações para inviabilizar. É isso que esse congresso está tentando fazer com instituições como o Ministério Público, a Polícia Federal, e também com o Judiciário. 
Precisamos estar atentos, pois, pela primeira vez na história do nosso país, temos a prisão de corruptos e apuração de esquemas bilionários de corrupção, e isso não pode parar. Já passa da hora desta doença, este hábito nocivo e podre da corrupção ser banido da administração pública brasileira. O gestor público, os legisladores, administradores, empreiteiros, enfim, todos os participantes destes esquemas são sujeitos ativos de crimes gravíssimos pois é justamente por suas ações perversas que a cada dia nós brasileiros temos menos oportunidades de trabalho, de atendimento de saúde, de educação, de segurança. A cada dia eles, indiretamente, matam projetos, oportunidades, matam pessoas que morrem nas filas de atendimento e matam o futuro dos jovens. Além do que, seus esquemas abrem espaço, fortalecem e colaboram com o poder paralelo, as drogas e a violência.
Abaixo segue nota da Procuradoria Regional da República - 3ª região sobre a votação das 10 medidas contra a corrupção, que aconteceu na última terça-feira. A procuradora-chefe da PRR3 se manifesta contra o resultado da votação do PL 4850/2016 que, além de descaracterizar as medidas apresentadas, ainda incluiu um dispositivo que tem claro objetivo de intimidar e enfraquecer o Ministério Público e o Judiciário:


Nota da PRR3 sobre a votação das 10 Medidas contra a Corrupção


Nesta terça-feira (29/11), assistimos ao Plenário da Câmara dos Deputados aprovar emendas e substitutivos que desfiguraram completamente as 10 Medidas Contra a Corrupção. O projeto das 10 Medidas teve um apoio maciço da sociedade brasileira. Foram mais de dois milhões de assinaturas colhidas, que demonstram o apoio popular das propostas.

Os deputados, no entanto, não se sensibilizaram sobre a importância das 10 Medidas Contra a Corrupção. Em votação do PL 4850/2016, nesta terça, o que vimos foi o país entrar em marcha a ré no combate à corrupção. Pontos importantes foram excluídos pela Casa Legislativa, tais como a tipificação do crime de enriquecimento ilícito, as mudanças na prescrição de crimes e a facilitação do confisco de bens oriundos de corrupção.

Há duas semanas, esta Procuradoria Regional da República noticiou que o STF reconheceu o trânsito em julgado para o ex-senador Luiz Estêvão e para o empresário Fábio Monteiro de Barros, no processo criminal por desvio de verbas do TRT/SP. Dezesseis anos após a propositura da ação, que foi incluída no programa Justiça Plena, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em razão da extrema morosidade da ação e o risco iminente de prescrição. A aprovação das 10 Medidas era uma esperança que casos como esse não se repetissem, pois um de seus intuitos era assegurar que a estratégia do abuso do direito de recorrer deixasse de ser um instrumento de impunidade.

Não é mais o que se pode esperar, a partir da votação da Câmara. Além de excluir medidas importantes, o Plenário foi além e incluiu uma proposta que coloca em risco o funcionamento de duas instituições essenciais no combate à corrupção: o Ministério Público e o Poder Judiciário. Essa proposta sujeita promotores, procuradores e juízes à punição por crime de responsabilidade.

Hoje, uma síntese do efeito da votação das 10 Medidas registra que o que havia de melhor no projeto foi excluído, e medidas que pretendem constranger a atuação de juízes, promotores e procuradores foram incluídas. Isso porque a emenda aprovada tem o claro objetivo de intimidar e enfraquecer o Ministério Público e o Judiciário.

Diante de tudo isso, vemos que as 10 Medidas Contra a Corrupção não existem mais. Como apontou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o Ministério Público Brasileiro não apoia o texto que restou após a votação. Um texto que, aprovado na Câmara, vai agora para o Senado.

A Procuradoria Regional da República da 3ª Região, assim como todas as demais instâncias do Ministério Público, seguirá sua trajetória de luta contra o desvio de dinheiro público. E conta com a atenção da sociedade, para que não permite que esse retrocesso se concretize, o que significaria uma marcha totalmente invertida do espírito original das propostas que, de combate à corrupção, se tornariam um estímulo maior à impunidade.

Maria Cristiana Simões Amorim Ziouva
Procuradora-Chefe
Procuradoria Regional da República da 3ª Região


Fonte: http://www.dezmedidas.mpf.mp.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si