Pular para o conteúdo principal

ATITUDES RENOVADAS NA POLÍTICA

por Luciana G. Rugani - Se observarmos a política nas esferas nacional, estadual e municipal, veremos que mudam os atores, sofisticam-se as ações, aumenta ou diminui a amplitude e complexidade, mas os mecanismos e hábitos são os mesmos. Por isso podemos aprender muito observando o que acontece também em outras cidades e também em outros estados. O importante é observarmos e sabermos extrair a ideia que poderá ser útil para nos engrandecer e engrandecer a nossa sociedade e buscarmos sua aplicação ou sua divulgação em nosso meio.

Temos aqui uma atitude de um homem público que vale a pena ser destacada e divulgada. Em Belo Horizonte, na última eleição, o Vereador Gabriel Azevedo apoiou o seu amigo e atual prefeito, mas, segundo ele, isso não quer dizer que ele tenha que aceitar e concordar com tudo que acontece na sede do Executivo e nem que tenha que aprovar todos os seus projetos. O vereador critica a fala do líder do governo, o qual teria usado um tom de que "observava com atenção" a lista de votação em plenário. 

Muito bom ver o vereador contestando velhos e ultrapassados hábitos que alguns ainda insistem em praticar! Eis aí mais uma atitude que reflete o espírito de inovação na política que começa a tomar força, principalmente nas capitais, mas que também é perfeitamente possível que comece a dar frutos nas cidades do interior. Basta que haja vontade e despertamento por parte do eleitor:

por Gabriel Azevedo - Durante a campanha, muitos eleitores me questionaram, pelo fato de eu ter apoiado a candidatura do prefeito, se eu me posicionaria de acordo com o interesse dos eleitores e da população ou com os interesses do Poder Executivo. Há aqueles que me conhecem e que não precisam de explicações. Há também aqueles que estão me conhecendo. Eu disse que não era necessário sequer dúvida... Eu, ainda mais exercendo o primeiro cargo eletivo, estaria com a vontade daqueles que me concederam esse mandato. Hoje, durante a sessão legislativa, havia um projeto de interesse da prefeitura. A minha opinião era contrária. A opinião dos eleitores no app "meu vereador" foi contrária. A opinião daqueles que não votaram em mim, mas se cadastraram no app, também foi contrária. Terminada a votação, o projeto foi rejeitado. Expliquei os motivos. Não é hora de criar um fundo municipal, por mais bem intencionado que ele seja, antes de um projeto de reforma administrativa completa e com o quadro orçamentário bem destrinchado. É momento de cortar gastos e economizar. E não é que o líder de governo, vereador Gilson Reis, do PCdoB, indicado pelo senhor Paulo Lamac, que acumula erroneamente as funções de vice-prefeito e Secretário de Governo, resolveu usar um tom de quem "observava com atenção" a lista de votação? Ele não me conhece... Nem ele, nem o frustrado responsável pela articulação política da prefeitura. Acho que o prefeito anda sendo enganado por quem escolheu para a função. Fica aqui o meu alerta, a minha resposta e a minha posição direta do plenário de forma imediata e veemente! Vamos às listas então! Estou aguardando a hora certa para mostrar a minha lista. Talvez na própria Comissão de Administração Pública através de uma convocação. Nos Estados Unidos da América, o vice recebe a denominação de "quinta roda". Em bom português, trata-se de um estepe. Quando o estepe inventa de querer obter a direção, não há de se dirigir para um bom caminho... Esse é só um alerta. Meu primeiro compromisso é com quem me elegeu. (E para explicar o começo da fala: um vereador chamou outro vereador de "mariquinhas" para ofendê-lo... Claro que não é uma postura que combina com o plenário e merece nosso repúdio.)

https://www.facebook.com/gabriel.azevedo/videos/1161422593956878/

Fonte: https://www.facebook.com/gabriel.azevedo/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si