Pular para o conteúdo principal

EXPOSIÇÃO DE MANDALAS DE RICARDO SEPÚLVEDA EM CABO FRIO

Música ao vivo com Maestro Budega

Quarta-feira, 5 de julho, às 18h, a mostra “Mandalas” do artista plástico Ricardo Sepúlveda será inaugurada no Espaço Cultural Cereall Gourmet, onde ficará aberta ao público até o dia 31 deste mês, das 9h às 19h, de segunda a sábado. A entrada é franca.

Nascido no Chile em 1941, a trajetória existencial de Ricardo passou pela Noruega, Estados Unidos, Espanha e Alemanha, até fixar-se em Cabo Frio onde reside atualmente. Já no Brasil, em 1979 ingressou na icônica Escola de Artes Visuais do Parque Laje, no Rio de Janeiro; fez oficinas de desenho com Roberto Magalhães, Astrea El-Jaik e Rubens Gershman; escultura com Haroldo Barroso, João Grilló, e Jaime Sampaio; e fotografia com Annie Moffit.

Com expressiva participação em mostras coletivas e individuais no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, entre outras cidades, Ricardo se destaca pela originalidade de suas obras e o esmero de seu inspirado trabalho, frutos da sua formação artística com renomados mestres que moldaram a sua versatilidade criativa. Em setembro de 2016 inaugurou a Exposição “Entre Tubarões e Embarcações”, no MART – Museu de Arte Religiosa e Tradicional de Cabo Frio, com esculturas criadas por elaborados recortes em folhas de papel Kraft.

Agora, em mais uma fase, volta-se para a ‘mandala’, palavra sânscrita que significa ‘círculo’, símbolo de integração, harmonia e concentração de energia. Ricardo está em boa companhia. O psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Jung, fundador da psicologia analítica, também se sentiu atraído pelas mandalas, cujo simbolismo estudou e descreveu em importantes trabalhos.

A magia das Mandalas, segundo o artista: “Não sei exatamente quando adquiri o gosto por fazer mandalas; mas tenho certeza que meu interesse cresceu muito depois de ter feito, há alguns anos, o curso de Leitura Vibracional com Sandra Luz. Tanto assim que, a partir de então, desenhei e fiz perto de uma centena delas de diversos materiais, especialmente de papel. Não foi por acaso que para a primeira serie usei, como imagens, fotos de tampinhas de garrafas por mim recicladas, que acredito foram minhas primeiras mandalas metálicas; pequenas, mas com alto simbolismo e comunicabilidade no mundo contemporâneo. Produzi em papel A4 e A3 mandalas planas, cônicas, parabólicas e agora uma serie de elípticas, baseado no conceito geométrico de que um círculo é uma elipse especial. Mas, principalmente, por causa da minha observação do maior relaxamento do meu olhar ao contemplar a mandala elíptica, que apresento pela primeira vez nesta exposição”.

*Evento gratuito* - Contribuição de 2 kg de alimentos não perecíveis para o GAI – Grupo de Apoio aos Idosos de Cabo Frio. Espaço Cultural Cereall Gourmet: Rua José Bonifácio, 28, Centro, Cabo Frio

Assessoria: Iva Maria Comunicação
Redação: Sylvia Maria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói