Pular para o conteúdo principal

ESCRITORES CABO-FRIENSES EXPÕEM OBRAS LITERÁRIAS NA 18ª BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO RIO

Evento é o de maior expressão nacional no cenário literário


A cidade de Cabo Frio está sendo representada no maior evento literário do país, a 18ª Bienal Internacional do Livro Rio, que acontece na cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 31 de agosto e 10 de setembro. Três escritores cabo-frienses exibiram suas obras na abertura da bienal, com a Editora Comunicação, no estande H-29 do Pavilhão Azul. Já o autor Carlos Henrique Ferreira estará no evento no dia 5 de setembro expondo o livro “Almanaque da Imprensa Cabo-friense”.

A autora Ludmila Oliveira expôs seu livro "Construindo meu jardim: das sombras às flores". A obra mostra como pensa uma pessoa depressiva com ideação suicida e foi escrito com o intuito de causar autoidentificação. A obra se divide em dois extremos: poemas sombrios, complexos; e poemas floridos, que mostram o trajeto da cura emocional com junção de fé, terapia e poesia.

“Eu me sinto muito feliz de estar na Bienal, principalmente podendo representar nossa cidade, que é rica em talentos. Por isso, acredito que temos que compartilhar nosso tesouro literário, a história cultural que temos e continuamos construindo; e a Bienal é um local perfeito para expor a nossa cidade”, disse a escritora.

O poeta e escritor Junior Carriço esteve presente para o pré-lançamento do livro "Recovecos", obra que vai contar com poesias escritas ao longo da vida do autor. O livro, que foi muito bem recebido pelo público na Bienal, vai ser lançado no mês de setembro na Casa da Poesia.

A escritora Jaqueline Brum expôs o livro “Cabo Frio Conhecer para Preservar”, que aborda toda riqueza patrimonial da cidade e o livro “Hashtag Alunos” que reúne crônicas com situações engraçadas e inusitadas que acontecem em toda sala de aula. “Tenho muito orgulho de levar comigo o nome do Cabo Frio através dos livros em um evento tão importante, de muita troca e intercâmbio cultural”, contou Jaqueline.

Já o escritor Carlos Henrique Ferreira é um dos vinte e um autores escolhidos por uma instituição particular de ensino superior para participar da feira. "Para nós escritores é uma oportunidade de divulgar nossos trabalhos e também trocar experiências com outros autores. Estou bastante animado para mais essa edição", afirmou o escritor, que vai expor o livro “Almanaque da Imprensa Cabo-friense”, no dia 5 de setembro, das 9 às 15h, no stand P24 do pavilhão verde.

Att.
Coordenadoria de Comunicação
Prefeitura de Cabo Frio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si