Pular para o conteúdo principal

FLIC - FESTIVAL LITERÁRIO CABO-FRIENSE FLORES LITERÁRIAS

Ontem aconteceu no Charitas a abertura do FLIC - Festival Literário Cabo-friense Flores Literárias. Foi uma noite belíssima! As queridas escritoras e professoras Andréa Rezende e Jaqueline Brum oficializaram a abertura do festival. Em seguida houve a apresentação do Coral Despertar Alegria de Viver, sob a regência do maestro Francisco Javier Silguero Gorriti. Em seguida tivemos Kéren-Hapuk cantando seu sucesso "Poesia de Jardim", música composta em homenagem ao projeto Flores Literárias. O painel literário ficou por conta de Andréa Rezende, que nos brindou com uma aula riquíssima de conhecimentos sobre o "Fazer Literário". A noite seguiu com o lançamento do livro "Amor e Dor", da poetisa Célia Regina, e encerrou com um show de excelência da cantora Juliana Feliciano.

Estes momentos literários em nossa cidade são imperdíveis! Todos deveriam comparecer para sentir a beleza destes momentos. Como bem disse o amigo Ricardo Varella, algo como: a arte não possui partido, não tem religião, a arte é para todos! Eu concordo com ele, a arte, em todas suas expressões, é um elo, uma ferramenta que possibilita a união e convivência harmônica até mesmo entre os divergentes, afinal de contas somos seres humanos e cada ser humano é um universo próprio, e, é bom que lembremos, em constante expansão e evolução.

O festival acontecerá até sábado, dia 18, quando ocorrerá o lançamento da 2ª Antologia Flores Literárias, da qual tenho a honra e alegria de participar novamente! Abaixo seguem fotos do evento de ontem e programação de hoje e amanhã:

Coral Despertar Alegria de Viver interpretando o sucesso de Roberto Carlos: "É preciso saber viver"


Escritor Carlos Henrique e eu entre as escritoras Andréa Rezende e Jaqueline Brum
Hairon, eu e nossos queridos amigos

Maestro Francisco Javier e o Coral Despertar Alegria de Viver
Ricardo Varella, Diretor de Cultura da CMCF

Escritora Ludmila Oliveira
Luciana Branco, Superintendente de Projetos e Eventos da PMCF

Juliana Feliciano
Jaqueline Brum apresentando a cantora Keren-Hapuk

Jaqueline Brum
Andréa Rezende

Texto, fotos e vídeo: Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói