Pular para o conteúdo principal

SALVEMOS OS GALPÕES DE SAL!


Ontem, quarta-feira (7), na Casa do Escritor (Solar dos Massa) aconteceu mais uma reunião extraordinária do Conselho Municipal do Patrimônio, com a finalidade de debater o valor histórico dos galpões de sal da Passagem, cujo proprietário, interessado na venda do local, solicitou à prefeitura autorização de demolição. Há uma proposta de tombamento do local, cuja votação deverá acontecer entre os próximos dias 11 e 13. O resultado será o parecer do conselho, de caráter apenas consultivo. A decisão final caberá ao prefeito.

As reuniões são abertas à participação de todos os cidadãos interessados na preservação de nossa história.

Os galpões de sal são, sem dúvida nenhuma, parte relevante da história da economia de nossa cidade,  representando o tempo em que a indústria do sal era nossa principal atividade.

Se o poder público efetuar o tombamento e, ademais, buscar incentivo e parceria para recuperar o local, fazendo dali, por exemplo, um museu do sal, decorado com objetos da época, como os moinhos, por exemplo, retratando todas as atividades salineiras inclusive dos garotos que participavam da contagem do sal, já imaginaram como seria interessante? Um museu vivo, com espaço para apresentações culturais, teatro, saraus...

Outro ponto importante de nossa história para o qual, há algum tempo, postamos aqui no blog uma solicitação  e promovemos uma campanha com abaixo assinado é a antiga estação de trem, tombada pelo IMUPAC, e que estaria à venda. Se o município houvesse adquirido a propriedade, poderia ter feito dali mais um ponto de visitação para o turismo histórico-cultural.

Há muitas ideias maravilhosas que poderiam ser implementadas, ideias promovedoras de nossa cultura e de nossa história. Cabo Frio precisa despertar, tomar consciência de sua importância histórica, valorizar o que resta como retrato de um tempo que não volta mais, mas que traduz etapas do desenvolvimento, da evolução, da vida de uma cidade, sua memória e suas raízes.

Será possível sonhar?

Lembremos que uma cidade sem história é uma cidade sem identidade. Está em nossas mãos preservarmos o pouco tão representativo que nos resta. Participemos e fiquemos atentos às reuniões dos próximos dias. Façamos a nossa parte pela preservação de nossa história.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Muito obrigado Luciana Rugani por nos trazer estas tão importantes informações. Saúde, felicidade e muito mais sucesso. Valeuuuuuu!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si