Pular para o conteúdo principal

AOS MEUS CAROS AMIGOS, LEITORES E SEGUIDORES

Caros amigos, leitores e seguidores

Considerando o fato de que alguns amigos me perguntaram sobre qual candidato a prefeito eu apoiaria desta vez, venho informá-los o seguinte:

Amigos, antes de tudo, gostaria de reforçar que tudo o que já escrevi até hoje aqui em meu blog, em relação à política, todo trabalho e apoio sempre foram enquanto cidadã cabo-friense.  Nunca tive cargo, nunca fiz parte da folha de pagamento da administração da cidade e nunca fui funcionária de político. O apoio que dei foi em via totalmente unilateral, fruto de minha vontade e da admiração que tinha pelo trabalho de um político. Não vivo de política, não trabalho com política. Apenas sou uma pessoa que gosta de se posicionar, de estar ativa em relação ao dia a dia da cidade e de manifestar apoio aos nomes que escolho. 

Nesta eleição que se aproxima, temos dois principais nomes. Um deles é José Bonifácio (Zé, ou Zezinho, como é conhecido na cidade), economista, candidato com muita experiência, conhecedor de Cabo Frio e sua história, uma pessoa íntegra e de caráter. Digo isso baseado em minhas observações e conhecimento sobre sua pessoa e também em depoimentos de pessoas que o conheceram de perto há muitos anos. Inclusive Alair Corrêa, seu antigo adversário político, comentou comigo, há uns dois anos, sobre a integridade de Zé, e já falou isso em entrevistas também. Além disso, penso, e já postei isso várias vezes nas minhas redes sociais, que Cabo Frio, na situação difícil em que se encontra, não pode abdicar de ter um prefeito experiente, que conheça a fundo cada canto da cidade e sua administração. 

O outro candidato (que chamarei aqui de "o segundo") diz representar tudo o que eu considero de mais destrutivo que temos visto na política ultimamente. Um nome sem história, sem experiência, sem nenhum trabalho social e nenhuma ação representativa na cidade. Elegeu-se deputado já visando a cadeira da prefeitura, apesar de ter dito, quando eleito, que cumpriria seu mandato de deputado. A política que este nome representa é a política das fakenews, que tanto prejuízo já causou a todos nós.

Enfim, prezo muito pela coerência. Penso que um ser humano tem seus valores, princípios e ideias que regem um caminhar. As nossas ações, opções, e até mesmo nossas mudanças de opinião, são guiadas por aquilo que prezamos em nosso íntimo, por nosso aprendizado e pelas constatações que observamos no decorrer da vida. Assim, eu não poderia caminhar agora com outro nome que não o de José Bonifácio. Jamais abriria mão de meus ideais e valores para caminhar em outra direção.

E, aos que devem estar curiosos em relação à minha situação com Alair Corrêa, pelo fato de termos caminhado juntos há mais de dez anos, informo que Alair me conhece bem e sabe que eu nunca poderia seguir com o segundo nome. Inclusive, em março, quando conversávamos sobre política e ele ainda era pré-candidato, eu disse a ele que, se algum dia, por acaso, ele viesse a desistir, eu seguiria com Zé e jamais poderia apoiar o segundo nome, pois, caso o fizesse, estaria sendo totalmente incoerente com tudo que penso e expresso em meus textos e em minhas redes sociais. Alair entendeu, disse que ele e Zé hoje em dia são amigos e têm uma boa relação. E, no início deste mês, quando Alair postou sua mensagem abdicando da candidatura, respondi a ele lamentando sua decisão e reafirmando o que já havia dito sobre meu apoio ao Zé. Ele me disse ser um bom nome e compreendeu minhas colocações. E, vale dizer ainda, algo que prezo muito em Zé é a forma educada e sem ofensas com que sempre tratou a todos, inclusive a seus adversários e também ao próprio Alair Corrêa. Mesmo quando muitos batiam em Alair em razão do seu último governo, inclusive pessoas da parte do outro candidato, ao qual estou aqui neste texto chamando de "o segundo", Zé nunca o ofendeu, muito pelo contrário. Em todas as entrevistas às quais assisti, quando questionado sobre Alair, Zé falou muito bem e afirmou a boa relação que ambos têm atualmente.

Por fim, apesar de minha participação como pré-candidata na política partidária ao lado do então pré-candidato Alair Corrêa ter sido cogitada, essa ideia ficou por terra. Eu não tenho nenhuma pretensão de seguir em política partidária e nem tampouco de lidar mais com política da forma como lidei. Resolvi seguir até dia 15/11 por já estar neste caminho, então irei conclui-lo até sua data final, mas somente até aí.

Venho, então, convidar meus amigos e seguidores para caminhar com Zé e apoiá-lo como candidato à prefeitura de Cabo Frio para que possamos ter uma cidade livre, que não seja negociada e que não tenha que servir a interesses outros que não os da coletividade e os legítimos de sua população. José Bonifácio é economista, tem muita experiência em administração pública, pois já foi prefeito duas vezes, e por isso, também tem muitas realizações e obras na cidade. Não podemos ficar inertes, é preciso que façamos nossa parte para o bem de nossa Cabo Frio. Se a cidade já passa por situação difícil e grave em sua administração, a experiência administrativa é quesito essencial do qual não se pode abrir mão.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói