Pular para o conteúdo principal

BANIDOS - TEXTO DE MIRTZI RIBEIRO

por Luciana G. Rugani - compartilho abaixo o texto de minha amiga escritora Mirtzi Ribeiro. Esse texto diz simplesmente tudo sobre nossa atualidade. Parabéns, Mirtzi! Assino embaixo de suas palavras!


BANIDOS
por Mirtzi Ribeiro

No MUNDO, não há mais lugar para o individual, o individualismo, o egocentrismo, assim como também para figuras populistas.
O mundo mudou, a consciência daqueles que costumam aprimorá-la, evoluiu.
O que se requer atualmente, urgentemente, são pessoas e gestores CAPAZES de se sentarem à mesa de negociações com RESPEITO, visando ao DIÁLOGO, às PARCERIAS, à COOPERAÇÃO, ao COMPROMETIMENTO, ao fato de que cada um deve fazer a sua parte no que foi acertado, negociado e definido para o TODO, para o GRUPO.
Não estamos mais na época da pedra lascada, onde o brutamontes atacava com seu tacape, levando a vítima arrastada para lhe servir, indefesa, sem voz e sem vida própria.
Não... isso precisa ficar no passado. Essa história de dizer que modelos como Trump e Bolsonaro representam uma "nova política", é um ENGODO e um AUTO-ENGANO de proporções dantescas.
Esses governantes, chamam a atenção para seu ego minúsculo e distorcido, promovem seu círculo de amigos com a ausência de controles e regramentos. Esses "amigos" ou "íntimos" deles, podem fazer tudo ao arrepio das leis, inclusive, cometer todos os ilícitos e prevaricações sem nenhuma restrição e sem qualquer tipo de punição: SEM ÉTICA, acham-se acima das leis e da moral, e, no "direito" de poder fazer TUDO o que lhes apraz, mesmo que subtraiam da sociedade. Esses gestores, ainda por cima, ignoram o coletivo, favorecem segregação e discórdia, pregam ódio que destilam impiedosamente sobre aqueles que não fazem adesão incondicional a eles, veneram personalidades obscuras que perpetraram torturas e mortes.
Daí se pergunta: por que espiritualistas, evangélicos de diversas denominações e fração da igreja católica ENDEUSAM esses obscuros? Serão esses os sepulcros caiados dos quais falava o Mestre Jesus? Possivelmente, SIM. Seriam esses os vendilhões do tempo, que o Cristo encarnado abominou? SIM... Seriam eles mesmos.
É totalmente inapropriado dizer que esses elementos são da LUZ, ao contrário, estão imersos na ESCURIDÃO do ESPÍRITO, e, representam o que há de mais vil, mesquinho, degradante e odioso na raça humana.
Seus fiéis seguidores estão com a MARCA da insígnia do Grande Reich cravada em seus corações, ressuscitando as hostes demoníacas que inspiraram seu Führer. Supremacistas e ególatras, tentam se manter em patamares acima dos demais mortais.
Se alguém falar sobre inclusão, sobre a necessidade de redução de desigualdades sociais, de erradicação da fome, de valorização da mulher, de respeito à opção sexual de alguém, é visto por eles como "comunista".
Essas criaturas colocam-se em um pedestal, confinam-se em sua BOLHA anti-realidade, e, defendem tudo o que é indefensável. Esse comportamento, entretanto, é a anti-civilidade, representando tudo o que é nocivo à coletividade; é o obscurantismo, é a limitação, é a falta de decoro, é o que degrada e segrega. É o lixo que deve ser expurgado, separado e transformado, para haver alguma possibilidade, mesmo que mínima, de servir a algo que CONSTRUA.
Assim como o nazismo foi banido (restando células cancerígenas desse tipo ainda nos dias atuais), o trumpismo e o bolsonarismo devem ser erradicados. Não servem a NADA CONSTRUTIVO. São o vírus que deve ser combatido, a ignorância que deve ser erradicada e a escória que deve ser banida.
O que é necessário, são pessoas comuns DISPOSTAS ao DIÁLOGO CONSTRUTIVO, colocadas no poder para representar os anseios do povo, não o seu próprio. Todas as demandas no mundo são mais amplas e tocam também ao mundo inteiro, não apenas a um país isoladamente. As fronteiras estão cada vez menos densas, permitindo negociações, ao invés de embates ideológicos. A tônica é a inclusão e não a exclusão.
Porém, nos casos extremos, como o cenário que vivenciamos, esse sim, deve ser erradicado, não porque discordemos do conceito e do posicionamento, MAS, porque se mostram LETALMENTE NOCIVOS à civilização e à sobrevivência da democracia. Porque representam o lado mais HEDIONDO que a humanidade seria capaz de ser, e, esse tipo de pensamento e comportamento, ao serem fomentados e alimentados, geram CAOS, DEGRADAÇÃO, ÓDIOS VIRULENTOS, enfim, tudo o que de PIOR existe no universo.
Esses são adjetivos desqualificantes que, quando VIVENCIADOS e APLICADOS, trazem alta LETALIDADE, a exemplo da segregação, do negacionismo, do autoritarismo, de ideias supremacistas, necessitando de expurgo uma vez que têm potencial e seus adeptos são capazes de cometer atrocidades e horrores à vida como um todo.
O resultado das eleições nos EUA é o prelúdio da derrocada desse modelo nocivo que não serve à humanidade.
É hora de expurgar, definitivamente, os fomentadores de notícias falsas, do engodo, da beligerância endêmica, das intolerâncias extremas, e, da vilania. O mundo irá mostrar a eles que não há mais lugar para esse tipo de pensamento e comportamento. É o BASTA.
Devem ser banidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

DIVULGANDO: CANAL DE DANÇA POÉTICA DO ARTISTA EDUARDO MACEDO

#Divulgando canal de dança poética Canal Eduardorio23deabril no YouTube Eduardo Macedo é bailarino e poeta e ultimamente tem se dedicado a vídeo dança, categoria artística que mistura o áudio visual e a dança como linguagem final. Para mostrar seus trabalhos, o artista fez um canal no YouTube, onde, nessa primeira fase, é o principal intérprete. Eduardo tem como locação o apartamento onde mora ou algum lugar na cidade que ache interessante. A filmagem é feita sozinho e utiliza apenas o seu smartphone em um tripé. Depois ele mesmo faz a edição, o que torna o trabalho particularmente autoral. Os movimentos apresentados são improvisações feitas a partir do local em que está sendo feita a filmagem. Cada lugar tem seus particulares e é partir desta ideia simples que o bailarino dá asas as suas criações. A música é inserida depois na edição, ou não inserida. Alguns vídeos são sem música. O canal já tem dois importantes pianistas como parceiros: João Carlos Assis Brasil e Luiz Castelões. Em