domingo, 18 de agosto de 2013

FRASE PARA INÍCIO DA SEMANA








A frase abaixo foi postada no face pela página "Anonymous Brasil". Achei uma frase de grande sabedoria, e muito oportuna principalmente numa sociedade onde prevalece o individualismo, fruto do egoísmo e do orgulho. Muitas vezes, a única coisa que as pessoas precisam é uma palavra, um incentivo, um estímulo. Ter empatia, saber colocar-se no lugar do outro, perceber o que é relevante para ele, compreendê-lo e oferecer a ele o ombro ou a palavra que levanta, é uma das maiores provas de solidariedade.
boa noite

Luciana G. Rugani



"Ajudar as pessoas é algo interessante e necessário, um ato de solidariedade. Uma forma de compaixão, mesmo que seja apenas uma conversa para levantar a autoestima. Uma boa palavra que traz em seu bojo o incentivo a uma melhora de vida do seu próximo, que por sinal é eficaz e oportuno. Pessoas precisam de pessoas para levantar o seu astral, pois empatia é a compreensão necessária, que junto à ação solidaria torna possível a transformação de qualquer ser."


RECOMENDAÇÃO DE FILME: "FORREST GUMP"



Há muito tempo havia assistido a este filme, e hoje resolvi assistir novamente. E que coisa mais gostosa, tantos sentimentos diversos vividos em profundidade durante os minutos do filme. Forrest Gump é assim, nos faz viver uma diversidade de emoções enquanto assistimos ao correr da vida do personagem Forrest. 

Um filme que é como a vida, composto de várias fases, de vários momentos, de alegria,  emoção, tristeza, esperança, dor, amor. 

Forrest, sem deixar de ser como é, sem deixar de amar e sem abandonar os valores recebidos de sua mãe, passa por situações do acaso, ou do destino, que acabam por levá-lo ao renome e reconhecimento nacional. Vive também situações dolorosas, humilhações, preconceito. Mas não os introjeta, não os transforma em mágoa, pois segue firme acreditando no que sua mãe lhe disse: "lembre-se: você não é diferente de ninguém". 

Cumpridor de suas promessas, não deixa de realizar o sonho de seu amigo Bubba, morto na guerra do Vietnã. Compra um barco para pescar camarão e, mais uma vez por manobra do acaso, ele torna-se um grande produtor de camarão. Fica rico, mas, como dizia sua mãe, "não é preciso muito para viver", então ele segue sua vida da mesma forma que antes, sem se apegar ou se perturbar com a questão financeira.

Em todas as situações que vive, mesmo as mais dolorosas e em lugar distante, não deixa de pensar na sua amiga Jenny, o amor de sua vida, provando que é possível manter vivo os sentimentos verdadeiros e puros, mesmo perante as mais terríveis tribulações.

E, como a pena que flutua no início do filme e continua fluruando no final, sem rumo certo ou, quem sabe, com um rumo pré-definido, assim segue a vida de Forrest. Ele chega a indagar a sua mãe "qual é meu destino?" Mas ela lhe responde: "você terá que descobrir por si mesmo". E Forrest segue entre a convicção de sua mãe, de que a vida das pessoas flutuam pelo ar ao sabor da brisa, e a de seu amigo Tenente Dan, de que todos temos um destino.

Os amigos de Forrest tinham seus sonhos a realizar, como razões para suas vidas. Mas a vida acaba fazendo com que seus sonhos fiquem pelo caminho e eles, entre as alternativas de desistir de vez pondo fim em tudo ou dar a volta por cima e prosseguir, optam pela segunda alternativa, aceitando a realidade a eles destinada e descobrindo novas maneiras de seguir adiante. Entretanto, Forrest segue literalmente correndo pela vida, corre até o final de uma rua, vira-se e volta correndo até o começo, e assim faz várias vezes no mesmo trecho, passando a mensagem de que é preciso seguir sempre, ainda que surjam impeditivos, vire, tome outro rumo, mas siga em frente.

Ele atinge o sucesso tão almejado por tantos, mas de uma forma natural, ao sabor do vento, sem ter isso como motivação. O único sonho que Forrest tinha era o de se casar com Jenny. Acabou realizando este seu sonho, ainda que por curto período, mas sem pressionar os acontecimentos, sempre seguindo o movimento do vento, como a pena que flutua no ar.

Um filme maravilhoso, que nos possibilita profundas reflexões em torno de vários temas a partir da vida dos personagens.

E fica aqui a indagação maior proposta pelo filme: será que temos nossos destinos pré-determinados ou seguimos a vida como a pena que flutua no vento? Ou quem sabe temos em nós algo pré-destinado a dar certo, traduzido em nossas preferências e dons, que, por uma razão ou outra, acabamos por descobri-los nas oportunidades que nos surgem de exercê-los, e assim tudo passa a fluir naturalmente e com sucesso? Ou seja, se estamos afinizados com nossa essência, com nosso ser íntimo e real, puro, sem os bloqueios causados pelas ilusões e traumas de nossa existência, tudo flui naturalmente como deve ser, ao passo que, se estamos perdidos de nós mesmos, de quem realmente somos, tentamos tentamos e as coisas parecem não sair do lugar?

Luciana G. Rugani

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

RELEMBRANDO MENSAGEM DE 15 DE AGOSTO DE 2011

Texto que fiz em 15/08/2011, com meu pensamento sobre as datas religiosas. Há também algumas colocações do Padre Francisco, da Paróquia de São Cristóvão, em Cabo Frio, que ouvi certa vez em uma missa e que me marcaram bastante pela verdade e pelo chamamento à participação de todos nós na busca de uma sociedade mais harmoniosa e melhor para nossas vidas:



Por Luciana G. Rugani – Jesus, como grande Mestre da Verdade que é e sempre será, esteve entre nós num tempo em que não havia a facilidade de comunicação que temos no presente, mas, como para a divulgação das Grandes Verdades Universais não existem obstáculos, sua mensagem se espalhou por todo o mundo e se perpetuou mantendo-se atualíssima nos dias de hoje. 

Ele veio para nos mostrar o caminho que precisamos seguir para sermos seres verdadeiramente felizes. E, sabendo que somos como “alunos rebeldes” no aprendizado, em toda sua misericórdia nos enviou também, de tempos em tempos, verdadeiros missionários de luz, como são os diversos santos e santas, beatos, padroeiros e padroeiras que conhecemos. Todos vivenciaram a mensagem de Cristo, fazendo de suas vidas verdadeiros exemplos de fé. Foram criadas datas comemorativas em homenagem a todos eles, e isso não foi em vão. Não se trata de uma simples homenagem mundana aos seres de luz. Como tudo que envolve a mensagem de Cristo tem sua razão mais profunda de ser, o objetivo destas datas é justamente propiciar um momento de reflexão, trazer uma pausa aos nossos afazeres diários para pensar, meditar no quanto estamos ou não estamos seguindo o caminho para a verdadeira felicidade, recapitular as lições e analisar o quanto aprendemos. Esta é a parte que nos cabe fazer: refletir e aplicar o nosso aprendizado. E saber que tudo está no momento certo. Agora é o momento de realizarmos a mudança em nós mesmos e, enquanto isso, confiarmos. Confiarmos em que tudo tem seu tempo certo para acontecer, a nossa ideia de tempo é diferente do tempo real. Confiar que o melhor para nós tem seu momento certo de acontecer, e que se ainda não ocorreu, é porque ainda não conquistamos a maturidade suficiente para vivenciá-lo. Precisamos aprender mais.

Me lembrei agora de umas palavras ditas pelo Padre Francisco, da Paróquia de São Cristóvão, em Cabo Frio, em uma missa que assistimos em junho e que gravei em minha memória. Foram duas coisas que mais me marcaram. Uma delas: “tem muita gente olhando para o céu e se esquecendo de olhar pro lado e enxergar seu irmão, se esquecendo de vivenciar o evangelho de Jesus”. E a outra: “a população da cidade está precisando de mais evangelho” (realmente, o mundo como um todo está carente de vivenciar o verdadeiro amor, que é o AMOR de Cristo). Então, penso que é isso que precisamos fazer. Não devemos esperar a felicidade vir até nós sem nos prepararmos para ela. É preciso que vivenciemos o evangelho em nossa comunidade, em nossas relações humanas, para que estejamos prontos para recebê-la. E essa vivência é justamente nas coisas simples do dia-a-dia, é no respeito para com o outro e com a coletividade, é nos gestos de cidadania, é na solidariedade, no amor e na amizade.

Temos tudo que precisamos: o Guia e Mestre Jesus, o “mapa” deixado por Ele (que são os seus ensinamentos) e a proteção dos santos, dos padroeiros, que são os enviados do Mais Alto, em tamanho gesto de misericórdia, para nos auxiliarem ainda mais, por meio de seus exemplos, a seguirmos o caminho do Evangelho. Quanto ao tempo, não nos pertence, não podemos controlá-lo ao nosso bel prazer, mas o temos como empréstimo. Ele está aí, é o tempo presente em que vivemos e no qual devemos realizar nossa mudança para estarmos prontos para o recebimento da Glória Maior, que é a verdadeira felicidade.

Luciana G. Rugani

domingo, 11 de agosto de 2013

SER TRANSPARENTE - AMAR

SER TRANSPARENTE

(desconheço a autoria)


Ás vezes, fico me perguntando por que é tão difícil ser transparente...
Costumamos acreditar que Ser Transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros.
 Mas “Ser Transparente” é muito mais do que isso...
É ter coragem de se expor,
de ser frágil,
de chorar,
de falar do que a gente sente...
Ser transparente é desnudar a alma, é deixar cair as “máscaras”, baixar as armas,
...Destruir os imensos e grossos muros que insistimos tanto em nos empenhar para levantar...
Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde...
Mas, infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco.  Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana...
Preferimos o “nó na garganta” às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...
Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas a simplesmente nos entregar diante de Deus e admitir que não sabemos, que temos medo
Por mais doloroso que seja ter de construir uma ‘máscara’ que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos e até do nosso Deus... preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção...
E assim vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos...
Não porque sejamos pessoas mentirosas!...
Mas porque, como folhas secas, nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor  mais intenso e não-contaminado...
Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar com os irmãos... doçura, compaixão... compreensão...
...de que todos nós sofremos e às vezes nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir... 
Num silêncio que nos remete à saudade de
“nós mesmos”
...daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos!
Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: “você está me machucando... Pode parar, por favor!”
Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro...
Quando, na verdade, se agíssemos deixando que a nossa razão ouvisse também o nosso coração, poderíamos evitar tanta dor... Tanta dor!...
"Não devemos ter medo dos confrontos... Mas sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura!"
Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo, não desejar parecer tão invencíveis... Que consigamos tentar não controlar tanto, responder tanto, competir tanto... Mas confiar na Graça do Senhor Jesus Cristo, que nos basta...
“Ame, simplesmente ame!"
A inteligência sem amor nos faz perversos.
A justiça sem amor nos faz implacáveis...
A diplomacia sem amor nos faz hipócritas.
O êxito sem amor nos faz arrogantes...
A riqueza sem amor nos faz avaro...
A pobreza sem amor nos faz orgulhosos...
A beleza sem amor nos faz fúteis. A autoridade sem amor nos faz tiranos.
O trabalho sem amor nos faz escravos.
A simplicidade sem amor nos deprecia.
A lei sem amor nos oprime.
A política sem amor nos deixa egoístas.
A fé sem amor nos deixa fanáticos.
A cruz sem amor se converte em tortura
E quando, algumas vezes, NÃO encontramos as palavras adequadas
para expressar o que sentimos; seja por timidez ou porque os sentimentos nos avassalam;
nesses casos podemos contar com o idioma dos  abraços...

A vida sem amor...
... não tem qualquer sentido!
“Lembrando que “a vida é tão curta e a tarefa de vive-la é tão difícil que quando começamos a aprende-la, já é hora de partir... “Sigamos  na certeza de que....
TUDO PASSA...
Que consigamos docemente viver...  Sentir... Amar... Ser Transparentes!...
…certo de que esse momento que você vive, seja ele de muita alegria ou de dor…
…Vai passar!
e você deverá seguir em frente, sem olhar para trás, rumo à eternidade, sempre transparente, porque tudo passa, mas você é eterno...

“…no favor do Senhor está a vida; o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã Salmos 30:5.
Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede “de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco” (Bíblia Sagrada - 2 Coríntios 13:11)


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

COMUNIDADE QUILOMBOLA GANHA CENTRO ODONTOLÓGICO NO POSTO DE SAÚDE DO PACHECO

Inauguração acontece na manhã desta sexta-feira

A secretaria Municipal de Saúde de Cabo Frio inaugura, nesta sexta-feira (9/8) às 10h, o Centro Odontológico do Posto de Saúde do Pacheco, na área rural de Tamoios, no Segundo Distrito. A partir de agora, além do atendimento médico, realização de palestras, exames e coleta de sangue, os moradores da comunidade Quilombola Maria Romana, que é atendida na unidade de saúde, ganha um consultório odontológico.

- A nossa comunidade está muito feliz com essa conquista. O Centro Odontológico é todo equipado e novinho. Este acontecimento é para ficar na história e nós temos muito o que agradecer ao prefeito Alair Corrêa – disse Lamiel Leopoldino Barreto, coordenador Nacional das Comunidades Quilombolas para articulações políticas públicas de saúde.

O consultório contará com uma equipe de saúde bucal (dentista e agente de saúde bucal) e será composto por equipamentos odontológicos completos. Serão realizados tratamentos preventivos e curativos da atenção básica, como restaurações de resina, amálgama, ionômeros, limpezas e raspagens dentárias, além de aplicações de flúor, escovação supervisionada, curativos, alívio da dor e também palestras de educação para a saúde. 


Texto: Alexandra de Oliveira | Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Saúde

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

PAPA FRANCISCO: O PAPA DA NOVA ERA


Há mais de um ano escrevi um pequeno texto para este blog sobre o que chamam "fim dos tempos". Neste texto, eu disse que, para mim, o significado deste termo "fim dos tempos" seria a mudança do padrão de consciência, o que já estaria acontecendo há alguns anos. 

O fim não existe, o que existe é a transformação. A humanidade segue seu processo de evolução de forma lenta e progressiva, a evolução é Lei da Vida. Pouco a pouco a humanidade vai expandindo sua consciência por meio da transformação e renovação de suas ideias e costumes.

A cortina do palco se abre pouco a pouco... o véu está caindo... As informações chegam com mais rapidez, está mais difícil ocultar os fatos. Os dons se expandem, as energias atuam de forma mais direta. Por isso tantos acontecimentos horripilantes, tristes, tanta loucura explícita, e ao mesmo tempo quanta revelação, quantas mentes brilhantes e crianças e jovens da chamada "geração y", ativos, corajosos e questionadores.

É neste panorama de transformação e chegada de uma nova era que surge um novo papa. Há cerca de quatro meses, tivemos a renúncia do papa Bento XVI e a entrada do papa Francisco. Papa Francisco esteve semana passada aqui no Brasil para a Jornada Mundial da Juventude. Foram poucos dias, mas sua presença foi marcante. 

Além de seu discurso ser inovador na igreja católica, os valores pregados e a mensagem transmitida não se circunscrevem a uma só religião, tanto é que suas palavras, seu carisma e sua espontaneidade conquistaram pessoas de todos os credos. Ele mostrou ser uma dessas mentes brilhantes do novo tempo, para as quais vale mais o conteúdo que o rótulo. Dono de uma linguagem clara, direta, natural, ele expôs seu pensamento sobre questões polêmicas e tornou evidente sua preocupação em semear valores que nossa sociedade tão individualista e consumista não conhece, como a solidariedade, a simplicidade e a autenticidade.

A evolução da sociedade humana é lenta, gradual e constante. Não se faz de um dia para o outro. Mas não podemos negar que ter uma pessoa que prega justamente valores que se chocam com o egoísmo e salve-se-quem-puder predominante em nossa sociedade, ocupando um dos cargos de maior relevância mundial, é mais uma certeza de que não estamos ao léu como uma nau sem rumo, e que se faz presente a transição para um novo tempo, um tempo de maior consciência acerca das consequências dos nosso proceder, um tempo em que diminui pouco a pouco o espaço para a hipocrisia, para o falseamento de informações, para o "empurrar a sujeira para debaixo do tapete" para satisfazer as pretensões de uma sociedade dominadora. 
Seguem algumas colocações do Papa Francisco que destaquei:

"Que todos trabalhemos por esta palavra que hoje em dia não é bem aceita: solidariedade. É uma palavra que procuram deixar de lado, sempre, porquê incômoda. Todavia, é uma palavra que reflete os valores humanos e cristãos que hoje nos pedem para ir contra; da cultura do descartável, de que tudo é descartável.

Uma cultura que sempre deixa as pessoas de fora: deixa à margem as crianças, deixa à margem os jovens, deixa à margem os idosos, deixa a fora aos que não servem, aos que não produzem, e isso não pode acontecer. Invés, a solidariedade, coloca todos dentro. Devem seguir trabalhando por esta cultura da solidariedade e pelo Evangelho”. 

"Deus chama para escolhas definitivas, Ele tem um projeto para cada um: descobri-lo, responder à própria vocação é caminhar para a realização feliz de si mesmo. A todos Deus nos chama à santidade, a viver a sua vida, mas tem um caminho para cada um. Alguns são chamados a se santificar constituindo uma família através do sacramento do Matrimônio. Há quem diga que hoje o casamento está “fora de moda”. Está fora de moda? [Não…]. Na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é “curtir” o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas, “para sempre”, uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã. Em vista disso eu peço que vocês sejam revolucionários, eu peço que vocês vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem: que se rebelem contra esta cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, crê que vocês não são capazes de amar de verdade. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de “ir contra a corrente”. E tenham também a coragem de ser felizes!" (Papa Francisco) 

“Nenhum esforço de pacificação será duradouro numa sociedade que deixa à margem, que abandona, na periferia, parte de si mesma”. 

“Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram seu próprio benefício”. 

“Não existe verdadeira promoção do bem comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação: a vida, a família, a educação integral, a saúde e a segurança”. 

“Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que persistem. Que cada um saiba dar sua contribuição para acabar com as injustiças sociais”.

Luciana G. Rugani
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...