Pular para o conteúdo principal

PESCA: UM POUCO DE HISTÓRIA

por Achilles Pagalidis - "A armação baleeira é uma instalação litorânea estruturada para a pesca ou caça às baleias e o processamento dos seus produtos. No Brasil existiu desde o início do século XVII até meados do XIX. A cidade de Búzios (antigo 3º distrito de Cabo Frio) teve o nome de batismo português de “Ponta dos Búzios”, devido a presença de numerosas conchas de moluscos gastrópodes em suas praias. Com a construção da Armação das Baleias de Búzios, o estabelecimento comercial, passa a topônimo substituto do original, incorporando o vocábulo composto “Armação dos Búzios"."
https://www.facebook.com/achilles.pagalidis/posts/797735250238742


Os borrifos da baleia, com seus enormes jatos de água no meio do mar, eram os primeiros sinais para os vigias atentos, indicando o momento dos pescadores colocarem os barcos na água para partir em busca das suas enormes presas. A temporada de caça ao animal durava de junho a setembro. Era preciso aproveitar enquanto os cetáceos, vindo da região polar, vinham nadar nas águas quentes das baías tropicais, onde procriavam.

Em tempos coloniais, esta era uma prática difundida por todo o litoral da América portuguesa. Introduzida no país no início do século XVII, a pesca da baleia tinha como produtos sua gordura, barbatanas e carne. Com a captura por arpão, esses derivados do animal não precisavam mais ser recolhidos nas praias, como se fazia até então, quando eram utilizadas apenas as baleias que encalhavam. A atividade logo atraiu um grande número de interessados, especialmente comerciantes portugueses.

O óleo, extraído das espessas camadas de gordura que envolvia o animal, por suas inúmeras funções, era o produto mais cobiçado. Chamado de “azeite” ou “graxa”, servia para a iluminação dos engenhos, casas e fortalezas, para a calafetagem de barcos (vedação com estopa), para a fabricação de sabões e velas, e ainda podia ser usado na lubrificação de engrenagens. Quando misturado ao barro, formava uma argamassa especial para construções sólidas, tão resistentes que ainda hoje é possível encontrar paredes intactas em que o material foi usado séculos atrás.

Da baleia, quase tudo se aproveitava. A carne servia de alimento: a língua, por exemplo, era vendida à nobreza e ao clero como iguaria. As barbatanas – placas de fibras que ficam no céu da boca das baleias – eram utilizadas na confecção de acessórios e roupas femininas e masculinas, como espartilhos, saias e chapéus. Os ossos, por sua vez, destinavam-se à construção civil e à produção de móveis.

A gordura era derretida no engenho de frigir, onde se obtinha o óleo. Esta etapa passava por um processo de purificação, que consistia na filtragem de resíduos. Quando estava puro e pronto para a venda, era armazenado na casa de tanques. A distribuição para o consumo era feita em pipas (recipientes de madeira que normalmente tinham um volume de 424 litros), enviadas para o Rio de Janeiro e daí para Portugal. Dependendo das dimensões da baleia, produziam-se de 10 a 30 pipas de óleo.

A caça se desenvolveu, em tempos passados, sem uma preocupação com as consequências ambientais, e não isso tardou a comprometer a procriação das baleias. Preocupado com as técnicas empregadas na pesca, o estadista José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838), que depois ficou conhecido como o “Patriarca da Independência”, previu a situação de escassez que podia diminuir as vantagens do empreendimento.

(Fonte: “Revista de História”, João Rafael Moraes de Oliveira – 2009)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si