Pular para o conteúdo principal

AMIZADE POR CONVENIÊNCIA?


Muito oportuno este texto de Tatiana, principalmente para os dias atuais quando muitas pessoas já até atrofiaram sua capacidade de amar, talvez pelo tanto que priorizam as atribuições do lado esquerdo de seu cérebro e desprezam as funções do lado direito.

Talvez por isso estejam tornando-se robôs utilitários, para os quais tudo tem que ter uma lógica e uma função determinada, até mesmo os sentimentos e os vínculos que deles derivam.

Luciana G. Rugani


por Tatiana Dornelles


Nos últimos dias tenho pensado muito sobre a amizade. Até que ponto temos amigos verdadeiros? Será que existe realmente aquele amigo para toda hora? Vivemos rodeados de pessoas que fazem parte da nossa vida, seja no trabalho, na escola, na vizinhança, na padaria, no supermercado. Em alguns lugares, sentimos afinidade por um colega, com quem se troca confidências, idéias e até se tem conversas mais politizadas. Enfim, é aquele que, de uma forma ou de outra, é considerado como um amigo. Diariamente, é com essa pessoa que se conversa, convive, reclama da vida e dos amores, do trabalho e da faculdade.

Mas o tempo passa, cada um toma o seu rumo e, por conseqüência, há um distanciamento. Enquanto se está por perto, a convivência é real, existe de fato. Depois que um percorre um caminho distinto, é cada um por si e Deus por todos. Sem telefonemas, sem conversas, sem troca de e-mails ou mensagens, sem nada. Apenas o vazio, a distância, a saudade. Fica apenas a vontade de ter alguém com quem conversar, discutir, chorar no ombro. No momento em que se estava por perto, a amizade era conservada. Longe, nada mais.

Acredito que amigo de verdade é aquele que não o esquece, que mesmo longe procura saber como você está, como se sente. É quem não se distancia, mesmo a quilômetros longe, é quem o convida para dar uma volta e tomar um café, mesmo que não trabalhem mais juntos. Penso que, durante toda a minha vida, tive apenas amigos por conveniência: na escola, na faculdade, nos tantos trabalhos que tive, enquanto estava por perto, era amiga.Talvez pelas tantas mudanças de vida que tive, pelas cidades pelas quais fui morar e das vezes que tive que me mudar, não consegui enraizar as amizades. Sinto falta de um amigo. Não sei o que é uma amizade de anos a fio... Também não sei se isso é possível. Nos dias atuais, com a correria do dia-a-dia, ainda há tempo para a amizade? Em pleno século 21, será que existe amizade de verdade ou é apenas por conveniência?

Tatiana Dornelles - Jornalista
Artigo publicado no Jornal de Bairro!

Comentários

  1. Oi Luciana, obrigada pela indicação do meu texto.
    Somente hoje, em pesquisa na internet, encontrei. :)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Adorei! Ainda mais pq tenho percebido que muitos se aproximam de mim só quando precisam ou querem algum favor. Triste realidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019