Pular para o conteúdo principal

RECOMENDAÇÃO DE FILME: DOCUMENTÁRIO "DATA LIMITE, SEGUNDO CHICO XAVIER"







Hoje assisti ao documentário "Data Limite, segundo Chico Xavier".
O filme engloba diversos aspectos componentes do tema maior, o qual refere-se a uma afirmação feita por Chico Xavier de que, desde que o homem pisou na lua, em 1969, a humanidade obteve, das potências celestes do sistema solar, uma dilatação de prazo de 50 anos para aprimorar-se moralmente e em paz, sem mais nenhuma guerra mundial. O prazo se extinguirá, portanto, em 2019. A partir daí, se a paz houver sido preservada, viveremos uma nova era de maior conhecimento, maior abertura para contato com seres de outros orbes para intercâmbio de informações acerca do desenvolvimento científico, promovendo inclusive a cura de doenças, uma era de maior amadurecimento da humanidade. Mas se o homem deixar-se levar novamente pelos caminhos de uma nova guerra mundial, a evolução prosseguirá, mas, infelizmente, em um ambiente de muita dor, pois nosso planeta também tem seu ciclo evolutivo e não suportará mais as energias densas de um novo conflito generalizado, devolvendo esta energia em forma de catástrofes naturais.  Uma terceira guerra mundial seria uma guerra sem vencedor. 
Vale a pena assistir ao filme, bastando para isso clicar no vídeo acima.
Eu penso que nossa situação atual é preocupante. À primeira vista, parece algo óbvio dizer que uma terceira guerra mundial não aconteceria hoje em dia, pois, devido ao arsenal nuclear, destruir o inimigo significaria destruir também a si mesmo. Mas em termos de seres humanos, nunca há obviedade. O ser humano é uma caixinha de surpresas com seu psiqué muitas vezes ilógico, dominado por sentimentos rasteiros, derivados do egoísmo e orgulho exacerbados.
O fanatismo é um exemplo desse sentimento. Mata-se por algo irracional, doentio. Promovem-se atos terroristas movidos por ideias totalmente ilógicas, inundadas de fundamentalismo. E, em consequência, brotam as guerras contra o terrorismo, que são mostras do que seja uma guerra sem vencedor e sem inimigo determinado. Hoje em dia vivemos como se estivéssemos em um caldeirão de água fervente, prestes a entornar.
Somos ainda seres belicosos. Somos como pavios acesos e deixamos a bomba explodir por muito pouco. Na relação com os outros, deixamos o melindre falar mais alto e já partimos para a guerra pessoal, para intrigas, ofensas, conflitos. Isso gera uma energia pesada que, somada à energia dos demais seres humanos, gera um ambiente belicoso em todo o planeta, tornando o ambiente propício para eclosão de conflitos. Assim também funciona a nível de universo: um cataclisma na Terra afetará  não só o planeta, mas também a todo o universo. Isso é certo, é fato. A interligação é lei natural. Nada está solto no universo, e a ação destrutiva de uma parte afetará o equilíbrio universal. Somos Todos Um.Precisamos acordar e atentar para a necessidade premente de iniciarmos a mudança em nós mesmos. A mudança individual, traduzida em mais cooperação do que destruição do outro, maior compreensão, mais empatia e amor nas relações humanas e elevação dos caracteres intelecto-morais, levará à mudança vibracional da humanidade. A partir daí, compreenderemos nossa razão de ser, nosso objetivo maior na existência. Ampliar-se-á o entendimento de que fazemos parte de uma família universal, que não somos o único mundo criado por Deus. "O próprio Jesus, a quem reverenciamos como nosso senhor e mestre, disse: Há muitas moradas na casa de meu Pai" (Chico Xavier). 
Já dizia Sócrates, sábio filósofo da antiguidade: “Não sou nem ateniense, nem grego, mas sim um cidadão do mundo". Sócrates, naquela época, já demonstrava um saber muito avançado, pois se até mesmo hoje, que o entendimento já se ampliou, ainda há predomínio do individualismo, de uma visão excludente, restrita e preconceituosa, imagina então naquele tempo quando a mente humana era ainda mais fechada em seus clãs, vilarejos, cidades. Seria demais incompreensível, para a humanidade daquela época, se ele falasse em “cidadão universal”. Mas Sócrates já semeava a idéia de universalidade.
No passado, a compreensão da humanidade era ainda mais individualista. Temos, por exemplo, as questões ambientais, quando simplesmente não se enxergava a relevância do tema e a importância de cada um fazer sua parte em prol de um meio ambiente saudável para todos. Era puro desconhecimento. Antigamente pensava-se que bastava cuidar bem de si mesmo, do seu espaço e pronto, viveria-se bem a partir daí.
Atualmente, com o advento da globalização e internet, já temos a compreensão de que não podemos mais viver neste individualismo do passado. Vivemos um constante compartilhamento de deveres e responsabilidades, e consequentemente, maior necessidade de respeito aos direitos alheios, sejam estes de seres humanos ou de seres da natureza. Nossas ações repercutem diretamente em nosso próximo. Começa a abrir-se caminho, agora, para o entendimento de que somos "cidadãos universais". Nossa sociedade encontra-se em condições de compreender melhor o significado deste termo. Vivemos uma era globalizada, onde o conhecimento não pode ficar e nem ficará mais restrito. A natureza nos mostra diariamente os resultados de anos a fio vivendo um modo de ser egoístico, e vem nos alertando para a necessidade de mudança e entendimento da universalidade.
Em pequena escala, já vislumbramos pessoas, ou núcleos, tomando as rédeas desta mudança em suas vidas, em suas relações com o outro. Mestres do saber deixam seu exemplo e suas lições para que possamos abrir nossos olhos. 
Chico Xavier é um destes mestres. Sua vida inteira foi um exemplo de integração com o outro, de boa semeadura, foco no trabalho do bem, aplicação de sua energia totalmente neste trabalho e nenhum gasto energético com melindres e mágoas decorrentes das críticas ferrenhas que recebia. É um exemplo para nós de como mudarmos e ampliarmos nosso nível de consciência individual para que assim estejamos fazendo nossa parte na mudança vibracional coletiva. 
Se vamos mudar a humanidade inteira com nossa mudança interior? Não pensemos nisso. Saibamos simplesmente que somos parte desse processo, somos parte do todo, e como tal influenciamos no resultado geral. Então colaboremos dando o nosso quinhão, façamos nossa parte buscando a autorreflexão a cada dia em torno de nosso proceder, do que estamos sentindo, dos nossos pensamentos, buscando efetivamente uma constante renovação do que precisa ser mudado em nós para que melhoremos nosso padrão vibratório, o que, com certeza, deixará sua consequência no padrão vibratório coletivo. 
Que possamos dar de nós o nosso melhor, espalhar as boas sementes, que certamente produzirão algum fruto neste Universo, e lembremos sempre: somos SERES UNIVERSAIS.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Como sempre excelente texto, concordo totalmente, estamos todos interligados e com certeza as nossas ações são refletidas em tudo e se transformam em energia boa ou ruim, dependendo da ação que foi executada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si