Pular para o conteúdo principal

A SIMPLICIDADE DESCOMPLICA A ALMA


A simplicidade descomplica a alma
Por Mark Nepo, em seu livro "Satori O Livro do Despertar"

Tenho apenas três coisas a ensinar: simplicidade, paciência, compaixão. Esses são os seus maiores tesouros. "Simples nas ações e pensamentos, você retorna à fonte do ser" - Lao Tzu Mas, afinal, o que significa ser simples? 
Num mundo que é complicado, somos muitas vezes induzidos a acreditar que ser simples é ser simplório. Na verdade, ser simples significa viver diretamente nossas experiências, ou seja, deixar que as coisas nos apareçam, como realmente são, e expressar nossos pensamentos e emoções claramente. Quantas vezes vi a reação da pessoa amada, ou de colega, e depois lutei em particular para entender o que realmente significavam? Quantas vezes fiz tudo o que era possível, menos perguntar diretamente? Quantas vezes me recuso a ser direto: sem dizer o que quero, sem mostrar o que sinto, sem deixar que a vida ao meu redor realmente me toque? Incrivelmente, nada na natureza é indireto. O tigre, tentando subir a montanha, alonga-se e mostra o seu esforço. O esquilo, assustado na árvore, vacila e mostra o seu medo. A onda, elevando-se em direção à costa, nada poupa, ao se dobrar e bater sem parar na praia, que abertamente se desfaz, para ser abraçada. Somente os humanos expressam uma coisa, mas querem dizer outra. Somente nós vamos numa direção, mas desejamos ir a outro lugar. 
Como em muitas outras tarefas que estão à nossa espera, a recompensa pela simplicidade é chegarmos mais perto de nossa essência. Parece que Lao-Tzu nos revela uma ferramenta mantida secreta, devido à nossa relutância em aceitar a verdade. Esse sábio antigo nos diz que "o ato da simplicidade - o de viver diretamente é o caminho para a fonte de todo o ser". 
Por isso, imploro a você que, quando se sentir perdido ou distante, experimente ser direto, e o universo, sem uma palavra, responderá. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si