Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: VALDIR DA SILVA, O FOTÓGRAFO CEGO

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

As histórias de vida que retratam superação sempre me encantaram. São histórias de pessoas que souberam dar a volta por cima, que fizeram de sua dor um trampolim para saltar e mergulhar de cabeça na vida, vivendo-a em toda sua plenitude. Pessoas que se encontraram, ou se reencontraram, a partir de uma virada de 180 graus em suas vidas provocada por um fato a princípio doloroso e triste, mas que, devido à enorme resiliência de que são dotadas, tornou-se um desafio que acabou por fazer brotar em si novos dons e capacidades.
Hoje venho falar sobre mais uma destas pessoas, o amigo gaúcho Valdir da Silva.
Valdir ficou cego aos 24 anos de idade, em decorrência de um acidente de trabalho na linha de montagem de uma empresa de calçados em que trabalhava. Quando recebeu do médico a notícia de que ficaria cego em 6 meses, ficou sem chão. Quis desistir, viveu o momento de sua vida em que foi ao fundo do poço. Viveu sua dor ao extremo. Mas olhou para o lado, e percebeu que sua família também sofria por vê-lo sofrer daquela forma. Sua mãe, seu pai, seus irmãos. Foi assim que se deu conta do quanto estava sendo egoísta ao pensar somente na sua dor. Resolveu reagir. Buscou ajuda com sua irmã, sua fiel escudeira. Conheceu a Associação dos Deficientes Visuais (ADEVIC), em Canoas (RS), e acordou para o fato de que existiam outras pessoas cegas como ele.
Começou sua reabilitação, estipulou metas para sua vida. Aprendeu o braile em 6 meses; começou a andar sozinho em 2 meses; fez teatro e passou a representar a associação em diversos eventos. Hoje é vice-presidente da associação; conselheiro do Conselho das Pessoas com Deficiência de Canoas e do Conselho de Educação. Formou-se em massoterapia e começou a pintar em tela. Tornou-se artista plástico. Os desafios surgiam um atrás do outro, então lhe perguntaram: "por que você não fotografa?" A princípio ficou surpreso. Pensou: como um cego iria fotografar? Sua professora lhe falou: Valdir, você pode fotografar, usa seus sentidos!
Foi aí que despertou em si uma nova paixão: a fotografia. Comprou uma máquina simples, começou a fotografar através da voz das pessoas, do barulho do vento, do cheiro e do tato, através do toque das mãos, através do calor e, principalmente, através da essência do ser humano e da natureza. A perda da visão fez que seus demais sentidos se apurassem bastante, a ponto de conseguir fotografar uma pessoa por seu estado de espírito, ou seja, pela energia que ela transmite. O neuropsicólogo Marcelo Rigoli explica que, em pessoas cegas, existem evidências de uma maior ativação de áreas cerebrais normalmente visuais, em tarefas não visuais, se comparadas às que enxergam. Pode até mesmo ocorrer um redirecionamento das populações de neurônios, antes destinados ao sentido perdido, para os sentidos que permanecem ativos, como um processo de compensação.
Valdir ama tudo que faz, pois ama demais a vida e agradece a Deus todos os dias por tê-lo permitido ver o mundo à sua volta de maneira diferente. "Fotografar tudo o que meus olhos não podem ver: este é o meu grande desafio", disse. Começou a mostrar suas fotos para as pessoas, conheceu sua curadora, que organiza suas exposições e palestras e lhe dá dicas valiosas de como levar a beleza do mundo da essência do ser humano e da natureza para todas as pessoas. 

Hoje Valdir tem 39 anos e uma filha linda de 3 anos, cujo desenvolvimento ele acompanha pela voz. É casado, nunca viu sua atual esposa, mas a reconhece pelo perfume e pelo som de seus passos. Pelo tom de sua voz diz se ela está triste ou feliz. Valdir diz estar certo de que é o homem mais feliz do mundo. Aprendeu, depois de cego, a olhar no espelho e ver o seu interior, passou a ser mais tolerante com as pessoas, a valorizar o que há de melhor em cada uma delas. Diz orgulhar-se de ser cego e defender seu segmento, lutando pelo direito à vida, ao amor, à paz e à acessibilidade.
Valdir Silva, além de fotógrafo, trabalha com palestras motivacionais por todo o país, em empresas, escolas, universidades, etc. E ainda corre atrás de seu grande sonho: fazer um livro book com sua história e suas fotos. Para isso, corre atrás de patrocínio. Qualquer empresa ou pessoa que se interesse em patrocinar essa maravilhosa história de superação, ou em contratar suas palestras, pode contatá-lo através do telefone 051-97833179 ou através do perfil facebook https://www.facebook.com/valdir.dasilva.129

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói