Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: MUTIRÃO FISCAL E CONSCIÊNCIA CIDADÃ

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Leia o texto logo abaixo da foto:

Nosso país vive um período complicado de crise econômica. Há poucos dias tivemos o anúncio de que o governo federal determinou cortes de 10,7 bilhões no orçamento, e que não deverão ser preservados nem investimentos, nem programas sociais. A situação é crítica, e reflete gravemente nos municípios. Já não é de hoje que a tendência tem sido de municipalizar as responsabilidades, mas e quanto aos recursos para assumi-las? Em tempo de crise geral, somem os repasses. Temos como exemplo o governo do estado, que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, há cerca de um ano não estaria repassando a quantia mensal de 800 mil reais para a UPA, o que já resultaria em uma dívida acumulada de oito milhões para com o município.Então percebemos que a descentralização de responsabilidades acaba funcionando como um "vire-se como puder", e jogam o ônus somente para os municípios, sobrecarregando-os de encargos sem se importarem com as condições financeiras dos mesmos. Assim os governos municipais lutam, e fazem até o impossível para tentar sobreviver nesse caos.Em nossa cidade, há outras agravantes: a cidade perdeu duplamente, pois, além da crise geral, houve a queda de uma das principais fontes de arrecadação, que são os recursos dos royalties do petróleo. Estes, se compararmos com a fartura de antes, praticamente acabaram.  E, além disso, há a agravante consciencial dos cidadãos. Antes, muitos cidadãos simplesmente não pagavam IPTU e o município sobrevivia bem apesar disso, pois era grande a arrecadação vinda dos royalties. Agora, assim como em qualquer outra cidade do país, a receita dos tributos municipais é essencial para que Cabo Frio continue a sobreviver. A cidade não pode mais abrir mão da contrapartida dos cidadãos e precisa que estes exerçam seus deveres, por isso deve cobrá-los. A visão de uma cidade com farta arrecadação já não corresponde à realidade, o poder público perdeu grande parcela dessa arrecadação e ainda foi prejudicado no recebimento de repasses financeiros.  Diante disso, é urgente que aqueles que possuam débitos tributários se conscientizem dessa realidade e busquem regularizar sua situação fiscal. A prefeitura, em parceria com o Tribunal de Justiça do Rio e com a Corregedoria Nacional de Justiça, lançou um mutirão de conciliação - CONCILIA - que começou na segunda-feira, dia 30, e vai até o próximo dia 13. O programa visa oferecer meios menos burocráticos para os contribuintes quitarem suas dívidas com descontos que podem chegar até 100% dos juros e multa. Com essa iniciativa, ganham todos os envolvidos: o cidadão e pessoas jurídicas obtêm sua certidão negativa de débitos, o Judiciário reduz o número de execuções fiscais e o município melhora seu crédito público. O CONCILIA acontece no CAV - Centro de Artes Visuais - de 9 as 16 horas, inclusive aos sábados e domingos.O panorama mudou, a cidade passa pela transição de fim do ciclo do petróleo. Esta fase chegaria mais cedo ou mais tarde, porém chegou mais cedo devido à crise nacional. Não adianta fugirmos dessa realidade. Agora, mais do que nunca, é tempo de uma visão menos individualista, mais participativa e colaboradora, e consciência de que, para fazermos jus aos nossos direitos, precisamos primeiramente cumprir nossos deveres. É hora de mudarmos o hábito de enxergar o poder público como o provedor de renda farta, aquele que tudo lhe cabe e que com tudo deve arcar, e exercermos uma cidadania mais consciente e com mais maturidade. 

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói