Pular para o conteúdo principal

LEANDRO KARNAL: AMIZADE X CUMPLICIDADE

O palestrante Leandro Karnal é historiador e professor da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. 
Este pequeno vídeo traz trecho de sua palestra em que ele fala sobre amizade x cumplicidade. Vale a pena assistir. E logo abaixo segue texto da jornalista e empresária Isabel de Farias, onde ela faz uma breve e precisa explanação sobre o tema e sobre o vídeo em questão:

https://www.youtube.com/watch?v=Ia5cU8SOvxM


Assista ao vídeo na íntegra clicando neste link: https://www.youtube.com/watch?v=Nz80Kd6FHBY


Você tem cúmplices ou amigos?

Em tempos de delação premiada e da desconfiança aflorada em tudo e todos, encontro nas redes sociais um vídeo do historiador Leandro Karnal, que cita o Discurso da Servidão Voluntária, de Etienne de La Boétie, um filósofo e humanista francês, nascido em 1530 e que viveu apenas 32 anos.

Esse discurso foi elaborado após a derrota do povo da França contra o exército e fiscais da monarquia, que estabeleceram um novo imposto para o sal. À época, no século XVI, o texto soou como um hino à liberdade.

“Não cabe amizade onde há crueldade, onde há deslealdade, onde há injustiça. Quando os maus se reúnem, fazem-no para conspirar, não para travarem amizade. Apoiam-se uns aos outros, mas temem-se reciprocamente. Não são amigos, são cúmplices”, escreve La Boétie no discurso. E, mais de 500 anos depois, tenho convicção de que esse pensamento certamente vale para os dias de hoje.

La Boétie tinha como seu melhor amigo outro filósofo, o Michel de Montaigne, que, em seu livro “Ensaios”, escreveu sobre a amizade dos dois. Na obra, Montaigne aborda de tudo, como se realmente fosse uma conversa com um bom amigo. Para mim, a beleza do texto é entender que somos percebidos pelos olhos dos outros, mas que pouco olhamos para dentro de nós mesmos. E voltar o olhar para nosso interior é fundamental para criarmos mais empatia com quem está do lado. Precisamos nos compreender para entender o mundo, pois para onde vamos levamos nossa mente e nosso coração. Lugar nenhum será adequado se não estivermos em paz com nós mesmos. E nos adequarmos internamente nos permite criar laços ainda mais duradouros e saudáveis.

É difícil encontrar alguém com quem a gente se identifique por completo e com quem tenhamos prazer em dividir alegrias, angústias e sofrimentos. Às vezes, ficamos distantes de pessoas que encontramos por disputas sem nenhum sentido. Uma vida sem amigos é vazia, é desperdiçada.

Para La Boétie, essa amizade verdadeira só existe entre os éticos e bons. Os maus possuem temores, têm cúmplices, e se desesperam ao pensar o que pode ser feito contra eles. Quem está do lado pode ser sempre uma ameaça. Fato é que viver sob suspeita, desconfiando de tudo e todos, não é a vida mais tranquila e prazerosa que podemos ter.
Como quase tudo, ter cúmplices ou amigos é uma escolha de cada um. É fruto de um cultivo diário, entre relacionamentos e atitudes que temos. O resultado, a vida que levamos, é uma reação às nossas ações. Afinal, como dizem, o plantio é opcional, mas a colheita é obrigatória.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si