Pular para o conteúdo principal

RECOMENDAÇÃO DE LIVRO: "SALINAS", DE PAULO COTIAS

Nesta quinta-feira (16), acontecerá no Charitas, às 18:30, o lançamento de mais um romance do escritor e professor Paulo Cotias, "Salinas". Trata-se de um novo livro da série iniciada com "Boulevard". São livros independentes, que retratam etapas e focos diferenciados da saga de Antônio Salinas, personagem narrador do primeiro livro cujo resumo que fiz segue logo abaixo. 

O lançamento acontecerá durante o Sarau Flores Literárias, um encontro com outros escritores em que acontecem declamações, sorteios, microfone aberto e apresentação do maestro Angelo Budega. 

Vale a pena participar!

______________________________________________________

Resumo do livro "Boulevard" - Autor: Paulo Cotias.

O livro é narrado na primeira pessoa. Um político, já não mais na ativa, conta suas memórias em uma cafeteria.

O personagem narrador não representa unicamente uma pessoa, mas sim um arquétipo que visa mostrar uma das muitas sínteses do universo político em que vivemos. Ali, Antônio Salinas conta suas armações políticas sem o mínimo de ética e caráter, sua vida de luxúria, seu envolvimento com drogas e sexo, as informações pessoais que consegue utilizando supostos encontros católicos de casais promovidos por ele e sua esposa e o uso de tais informações como meio de chantagem nas armações e acordos. A decepção de sua esposa quando descobre o uso de algo que, para ela, era sagrado, como estes encontros religiosos. Tanta decepção, aliada à vida desregrada do marido, a leva a uma vida apagada e deprimida, vindo a falecer de câncer. Traições conjugais aos montes são também utilizadas para manter o controle por meio de chantagem. É uma visão do poder pleno de orgulho e vaidade.

Os fatos narrados são velhos conhecidos nossos da política brasileira, como, por exemplo, os acordos com aparentes "opositores", as licitações fraudulentas, obras superfaturadas, dossiês sobre uns e outros para usar como chantagem, entre outros.

O que mais surpreende na narração é a forma clara e direta com que o narrador mostra não ter nenhum pingo de caráter, dizendo expressamente que nas providências tomadas, nas obras e serviços executados pelo grupo governante, não há nada com intuito real de trazer melhorias para o povo: "O benefício para o povo era um efeito colateral de um jeito novo de saber enriquecer com a política, de controlar os cordões e ainda parecer que, de fato, fazíamos uma revolução ética" (frase do livro), o que chamam de "hipócritocracia" (termo usado no livro). O personagem nos mostra todo seu raciocínio, suas ações meticulosamente calculadas, sua falta total de pudor em expor claramente sua personalidade, a meu ver, psicopata, pois não há na fala dele qualquer limitação ética em passar por cima de quem quer que seja para chegar ao seu alvo. Antônio Salinas não representa nenhum personagem específico do meio político, mas sim todo o universo de corrupção e vaidade que sabemos existir.

O livro todo é uma ficção, mas as artimanhas casam perfeitamente com algumas notícias sobre a política em geral que diariamente nos chegam através da mídia.

Vale a pena a leitura de ambos os livros para ampliarmos nosso conhecimento sobre o universo político.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si