Pular para o conteúdo principal

COLUNA "CANTINHO DAS IDEIAS" - REVISTA DIGITAL ALDEIA MAGAZINE: O LIXO NOS MARES

Segue abaixo a minha coluna na Revista Digital Aldeia Magazine, edição 15, 1ª quinzena de maio 2021.
Nela falo sobre a importância de nos conscientizarmos em relação ao lixo nas praias e fazermos nossa parte, cada um contribuindo dentro do seu possível. Clique na capa da revista para acessar e conhecer meu texto de hoje, na página 90 da revista:

Caros leitores,

É impressionante a quantidade de lixo, em sua grande maioria plástico, que segue todos os dias para os mares! 
Dias atrás tivemos a formação de um ciclone subtropical na costa brasileira, o que causou ressaca nas praias de nossa região. E, durante as ressacas, pudemos observar o quanto de lixo que chega, trazido pelas águas, e o quanto de lixo, descartado na areia, que segue para o oceano. 
Em uma breve caminhada pela praia, em um desses dias de ressaca, nos dispusemos a recolher um pouco do lixo que encontrávamos pelo caminho. O resultado foi este revelado nas fotos: enchemos nossa sacola! São tampinhas, garrafas plásticas, embalagens descartáveis, cacos de vidro, etc. Todos objetos que poderiam muito bem ter sido descartados de maneira regular e em locais apropriados. O descarte em locais apropriados é o mínimo cuidado que se deve ter. Nem irei abordar aqui a questão da reciclagem e reaproveitamento. Se os seres humanos tivessem o cuidado de simplesmente não abandonar nas ruas ou na areia os objetos que descartam, já seria um enorme ganho para a natureza. Quantos animais marinhos morrem todos os dias por ingestão destes objetos descartados! Frequentemente vemos tartarugas mortas nas praias, com seus estômagos cheios de plástico!
O período compreendido de 2021 a 2030 foi classificado como a "Década dos Oceanos" pela Organização das Nações Unidas - ONU, justamente para buscar maior conscientização da sociedade em relação ao tema. 
É importante que a população se conscientize de que cada pequena ação de cada ser humano pode fazer muita diferença, pois a ela somam-se muitas outras. E, se eu faço a minha pequena parte, além de contribuir para que não haja maior acúmulo de lixo, eu posso ajudar na conscientização de outras pessoas. Quantas vezes observamos pessoas totalmente distraídas, sem a menor percepção da questão, verem, a seus pés, materiais sendo levados pelo vento até a água e nada fazem para impedir. Não despertaram ainda para a gravidade desse assunto e, muitas vezes, podem ser tocadas por uma atitude consciente de outra pessoa ao seu redor.
Por fim, somos aquilo que semeamos. Construímos o mundo de acordo com o que geramos ao nosso redor, portanto, ainda que outros não compreendam a importância de pequenos gestos conscientes, ainda que uma ação individual possa parecer minúscula perante a grandiosidade do ambiente, o que vale é nossa consciência alinhada com a promoção do bem e com a preservação e cuidado com a natureza. Fazer a parte que nos cabe, dentro do que nos é possível, para que sejamos agentes promotores da vida, durante todo o tempo que durar nossa estada neste planeta.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Bom diameu nome é Alexandre sou casado tenho dois filhos estou sendo despejado de casa amanhã estou pedindo ajuda pra pagar meu aluguel quem puder me ajudar meu pix CPF 09025607780

    ResponderExcluir
  2. Bom dia meu nome é Alexandre sou casado tenho dois filhos estou sendo despejado de casa amanhã estou pedindo ajuda pra pagar meu aluguel se puder me ajudar meu pix CPF 09025607780

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói