Pular para o conteúdo principal

A IMPORTÂNCIA DE SABER ELOGIAR

Certa vez li um artigo que enfatizava a necessidade das pessoas cultivarem o hábito do elogio, a terapia do elogio. Desde a garantia constitucional de livre expressão, abriu-se espaço para críticas e desabafos a tantos anos retidos. As pessoas perceberam que podem reinvindicar, reclamar, criticar. E isso é muito bom, é evolução dos tempos.
Mas, tenho observado que as reclamações e desabafos estão tornando-se hábitos na vida das pessoas, e o elogio é algo esquecido para muitos. Mandar um comentário de elogio, aprovação, incentivo..é algo raro. Ficou fora de moda. Assim em todos os setores tem sido a conduta da maioria das pessoas, seja o empregador em relação ao empregado, o cidadão perante os bons administradores, os pais perante os filhos, os leitores em relação às obras dos escritores, e por aí vai...
Entendo que, num primeiro momento, assim que é chegada a liberdade, é normal pender-se para um lado da balança, e extravasar como desabafo e reclamações tudo que estava contido. Mas, com o tempo, é preciso voltar ao ponto de equilíbrio e resgatar um pouco do outro lado, resgatar a capacidade de ver também o lado bom de nosso semelhante, de suas obras. Recuperar a capacidade de elogiar, de incentivar. Isso, principalmente no ambiente de trabalho, faz enorme diferença. E ainda, é preciso saber elogiar. Resgatar a capacidade de elogiar a qualidade de alguém sem ser de modo comparativo, portanto sem incentivar a disputa, a competitividade perversa, que já existe demais em nossa sociedade, sem reforçar a vaidade. Se o filho tira excelente nota, não é dizer "parabéns, você é o melhor, você é demais". Não. O mais sensato é dizer "parabéns, você teve êxito com seu esforço próprio em se preparar, realizou o seu melhor possível e obteve sucesso por isso". Daí, estaremos incentivando-o e ao mesmo tempo educando-o ao fazê-lo entender que o seu sucesso é resultado do próprio esforço em aprimorar-se, e que dando o melhor de si é que poderá ter maior chance de chegar ao êxito.
A mesma coisa para o empregado de uma empresa. Elogiá-lo fazendo-o ver que ele foi um bom colaborador dentro da equipe, soube atuar de forma harmônica ajudando a integrar e unir os esforços, daí o bom resultado na produtividade.
Vale dizer mais uma vez que me refiro a elogios verdadeiros, de coração, e não elogios vazios, ocos, aqueles que ouvimos e que em nada nos acrescentam, pois percebemos neles a mesquinha intenção de manipular a outra pessoa, controlar pelo ego, cutucar a vaidade para ter o outro nas mãos.
O elogio real pode ser aplicado em todas as relações, também nas pessoais. Atualmente as relações estão muito frias, secas, e um elogio,um incentivo, é um pequeno gesto de atenção que ajudará a fortalecer os laços e aquecer a relação. 
Como tudo na vida, o hábito de elogiar, assim como o de criticar, se feito com sabedoria poderá ser algo educativo, construtivo, alavancador, que poderá fazer crescer a união em torno dos objetivos comuns e, portanto, pode ser excelente ferramenta para o sucesso pessoal e institucional, e também para uma sociedade mais saudável, menos fria e competitiva.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Que ótimo texto para o momento em que estamos vivendo, vi que foi escrito em 2011, mas continua muito necessário e atual.
    Parabéns, você como sempre captando com sua sensibilidade as mensagens certas no momento certo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si