Pular para o conteúdo principal

CIDADANIA E RESPONSABILIDADES

Ultimamente, Cabo Frio tem aparecido com muita frequência no noticiário sobre criminalidade e, infelizmente, não vemos nenhuma movimentação mais intensa do poder público no sentido de modificar esse quadro.

Sábado passado, a única agência bancária de Tamoios, distrito de Cabo Frio, foi explodida por bandidos. Ontem, matéria da Intertv revelou que funcionários da limpeza de alguns bairros da periferia da cidade estão sendo impedidos de realizar suas funções por serem vítimas de ameaças de criminosos. E, também ontem, mais uma matéria da Intertv, esta por sinal muito interessante: tendo em vista o avanço da criminalidade, e a carência de ações públicas para contê-la, moradores de Tamoios se uniram para construção de novo DPO para a polícia. O distrito possui somente seis policiais por turno para dar conta de uma população em torno de 46 mil habitantes, e o atual DPO encontra-se em situação precária, e, apesar de muitos pedidos e solicitações de moradores, nenhuma ação pública foi tomada para melhorar as condições da segurança. Assim, os próprios moradores, cansados do silêncio e inércia do governo, resolveram colaborar com doação de materiais, projeto e mão-de-obra para a construção de novo DPO.

Não há que se questionar a excelente ideia e espírito de cidadania da população, muito louvável e exemplo de atitude para todos nós, cidadãos. Mas, vale a pena refletirmos de forma mais profunda em torno deste fato.

É dever do cidadão colaborar para a melhoria do ambiente em que vive. Um governo deve incentivar a cidadania, pois é dever do governo educar o seu povo. Ações de união e cidadania sempre são bem-vindas e devem ser estimuladas pelos governos, pois a vida em sociedade requer participação de todos em prol do bem comum. Mas, participação de todos não significa omissão do governo. Este tem sua competência legal e dela deve dar conta. Em uma sociedade organizada, dotada de um governo constituído, os atos de cidadania devem ser de colaboração, de soma, e nunca de substituição de responsabilidades. Não se pode confundir o ato de colaborar com o ato de assumir responsabilidades do outro. Se chegou ao ponto de ser necessário que os próprios cidadãos se encarregassem da construção do novo DPO, é sinal que alguma coisa não está funcionando bem. Onde fica a responsabilidade do poder público no cumprimento de suas obrigações? Por que não está agindo? Por que tanta inércia? Lembremos que Cabo Frio é uma cidade com arrecadação de mais de um milhão de reais por dia, é uma cidade rica. Não há justificativa para que o governo não arque com sua responsabilidade nessa questão e não assuma a obrigação que lhe é própria. Muito justa a preocupação dos moradores e louvável a busca de solução para um problema que os atormenta há tempos, para o qual já fizeram inúmeras solicitações obtendo o silêncio como resposta. Mas, que saibam que estão executando algo de responsabilidade própria do poder público, estão assumindo uma tarefa que faz parte do dever da administração pública, portanto, que estejam conscientes de que tudo isso é resultado da postura omissa de um governo eleito democraticamente pela população, e que a mesma cidadania, responsabilidade e atitude que estão tendo agora para realizar esta obra cabe-lhes ter no momento da escolha de seus representantes. Que se lembrem disso no momento único em que terão a chance de mudar esse quadro elegendo aqueles que verdadeiramente assumam suas obrigações e responsabilidades e que saibam incentivar e promover a cidadania através do próprio exemplo de atitudes.

Já disseram que "a palavra convence, o exemplo arrasta". Em uma sociedade cujo governo se esforça no cumprimento de suas obrigações, as pessoas são muito mais abertas ao aprendizado da cidadania e muito mais estimuladas a contribuírem. A postura de um governo reflete, e muito, no ânimo participativo de seus cidadãos.

links das matérias em referência:
http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=25753
http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=25756
http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=25770

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. A população de Tamoios, cansada de esperar por atitudes de nossos governantes, lançou essa louvável atitude de construir um novo DPO. Parabéns a todos os que irão contribuir de alguma forma para que esse momento histórico seja realizado em nosso Distrito. Tomara que agora ao menos o nosso efetivo de policias seja aumentado, pois se tal efetivo não for ao menos triplicado nos plantões diários, de nada adiantará esse esforço da população de Tamoios, em construir uma nova edificação para abrigar os nossos irmãos de farda. Tamoios pede socorro ! Chega de ser SEGUNDO em tudo ! Que venha uma Nova Tamoios !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si