Pular para o conteúdo principal

DIA DA MENTIRA: AS MENTIRAS QUE OS POLÍTICOS CONTAM


"PEGA NA MENTIRA"

TEXTO DE CRISTIANO MARTINS, PUBLICADO NO JORNAL "O TEMPO" http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=199775,OTE&busca=mentira&pagina=1

São omissões de pequenos detalhes, mudanças de opinião por simples conveniência eleitoreira ou até discursos cheios de falácias para acobertar graves fraudes e irregularidades. Em suas mais diversas proporções, a mentira - lembrada neste dia 1º de abril em quase todo o mundo - praticamente já se incorporou ao jeito de se fazer política no Brasil e ao imaginário do eleitorado quando o assunto são os seus governantes. 

A cada dois anos, a prática se repete em grande escala pelo país durante as campanhas, fartas de promessas que não convencem nem mesmo os mais otimistas. Exemplo recente é o do pré-candidato à Prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB), que negou falta de compromisso ao ter abandonado o cargo em 2006 para disputar o governo. Ele chamou de "papelzinho" o termo assinado no qual prometia cumprir o mandato inteiro.

Os casos atingem até os que erguem a bandeira da verdade e da moralidade, como o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), flagrado na semana passada em gravações policiais pedindo dinheiro e vazando informações para Carlinhos Cachoeira, acusado de exploração ilegal de jogos em Goiás.

No passado recente, também não foram raros os ministros e secretários que recorreram a fantasiosos argumentos para tentar escapar de acusações.

[Atitudes. Nos últimos anos, surgiram no país iniciativas - ainda tímidas - de entidades e grupos apartidários com o objetivo de acompanhar as ações das autoridades. As mais importantes delas estão na internet, como grupos denominados "Adote um vereador" e "Adote um deputado", existentes em vários Estados, por meio dos quais internautas se comprometem a denunciar atos falhos e cobrar o cumprimento de promessas. Outras ferramentas digitais têm sido importantes meios de controle, como o Observatório Social do Brasil, que recebe denúncias e monitora as ações e gastos de câmaras e prefeituras.

E você, já foi enganado? Qual a maior mentira que já ouviu de um político?

CURIOSIDADES

Manobra. As brincadeiras de 1º de abril são tão famosas que levaram os militares responsáveis pelo golpe de 1964 a mudarem a data oficial do início do regime. A iniciativa ficou "registrada" no dia 31 de março, mas faria aniversário hoje.

Origem. Tudo começou quando o rei francês Carlos IX implantou o calendário gregoriano, no qual o ano começa em 1º de janeiro. Alguns não gostaram da ideia e continuaram celebrando a data antiga, 1º de abril, o que virou motivo de chacota. No resto do Ocidente, a data é chamada de "dia dos tolos".


CONTRADIÇÃO

Criticado, mas novamente eleito

Na avaliação do cientista político Rudá Ricci, a "cultura ambivalente" da população colabora para a perpetuação dos mentirosos no poder. Ele reforça que o mais eficiente instrumento de combate à prática é o voto.

"Os brasileiros, em geral, dizem condenar a mentira, mas esse comportamento contraditório leva, por exemplo, um ex-presidente alvo do primeiro impeachment da América a ter a chance de ser eleito e, hoje, ser um dos senadores mais influentes da República", disse, referindo-se a Fernando Collor.

Ricci também destaca como ferramentas de combate à mentira na política o controle social – por meio de instituições e iniciativas populares – e o aperfeiçoamento da transparência nos Poderes.

EXCEÇÃO

Apesar de classificar como "absolutamente condenável" a mentira quando utilizada para o benefício próprio dos homens públicos, Ricci avalia que um julgamento simplista pode "infantilizar" a discussão.

"Algumas das principais atribuições dos políticos são o equilíbrio e a responsabilidade. Isso significa que nem sempre uma autoridade possa ou deva falar a verdade, tornando público algo que deveria ser omitido quando as razões de Estado são superiores às pessoais", argumenta.

Como exemplo, ele cita casos em que declarações possam provocar conflitos internos ou internacionais, ou ainda impactos imediatos na vida econômica. (CM)

Comentários

  1. Quanta mentira. Até quando o brasileiro vai ficar inerte a tamanhas falácias?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói