Pular para o conteúdo principal

REFLETINDO SOBRE A ANSIEDADE

Nós, seres humanos, muitas vezes escravos da ansiedade, perdemos até mesmo a noção racional do próprio andamento do tempo no determinismo do suceder de seus dias em ritmo próprio.

Completamente dominados pelos nossos desejos, nos atormentamos, atormentamos os outros e criamos situações que complicam ainda mais nossa caminhada. Fazemos o que precisamos fazer para chegar ao nosso objetivo, e nos esquecemos de que nossas ações devem parar por aí. De nada adianta nos afligirmos tentando controlar o incontrolável. O tempo e o outro são incontroláveis. O outro vai agir da sua forma e no seu tempo. O tempo vai continuar seu compasso, imperturbável a nossos lamentos e aflições. Então, para que tanto desgaste, para que tanta queixa com nosso próximo, para que tanta irritação com o outro que tem seu próprio jeito e ritmo de agir?  Façamos nossa parte, e a façamos bem feita. E saibamos entregar o restante à Vida. Podemos agir dentro do que nos cabe fazer, somente isso. O que não nos cabe, cabe a outrem, ou cabe ao próprio destino, à sorte, a Deus.

Hoje as pessoas se perdem profundamente na ansiedade e com isso afastam-se cada vez mais de si mesmas. A taquicardia, os tremores, as dores de cabeça, a irritação...tudo isso nos transforma em um ser completamente diferente do que realmente somos. Alguns exercícios mentais nos auxiliam a nos aproximarmos de nós mesmos novamente. Por exemplo: vamos nos sentar, buscar tranquilizar nossos pensamentos, olhos fechados, respiração mais lenta e mais profunda, e visualizar uma paisagem linda de nossa preferência, um lugar que nos seja agradável e nos traga paz. Vamos nos imaginar neste lugar, presentes, observando cada detalhe, cada cor, atento a cada ruído deste lugar que é inteiramente de paz. Imediatamente já nos sentiremos mais próximos de nós mesmos, mais calmos, menos escravos desse tormento ansioso. Com este exercício de forma frequente, aprenderemos a trazer para nosso dia a dia esta sensação que temos ao fazer essa visualização. Aprenderemos a entregar à Vida o que é da Vida, a confiar, a fazer nosso melhor com amor e alegria, e entregar o restante a Deus, ou, aos que não compartilham dessa crença, entregar às infinitas possibilidades o que não nos cabe realizar. 

A ansiedade, irritação, taquicardia, apreensão...tudo isso não faz parte de nós. Nosso corpo, nosso batimento cardíaco, nossos órgãos, não foram criados para responderem bem neste quadro. Nós criamos estas sensações justamente quando nossas tribulações passam a nos controlar, a gerir nossas atitudes e sentimentos. Vale refletir, meditar, trabalhar e confiar, lembrando sempre de estarmos abertos à Vida com suas infinitas probabilidades! 

"Oração da Serenidade
Deus, concedei-me,
A serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar;
Coragem para modificar as coisas que posso, e
Sabedoria para saber a diferença.
Vivendo um dia de cada vez;
Desfrutando um momento por vez;
Aceitando as dificuldades como o caminho da paz;
Tomando, como ele fez, este mundo pecaminoso como ele e, não como eu gostaria que fosse;
Confiando em que ele fará todas as coisas certas se eu submeter-me a sua vontade.
Que eu possa ser razoavelmente feliz nesta vida;
E infinitamente feliz com ele para sempre na próxima.
Amém."

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói