domingo, 24 de fevereiro de 2013

REFLEXÃO SOBRE A AMIZADE

Já refleti sobre a amizade em outros artigos, mas hoje abordarei o assunto por outro prisma, através do qual ultimamente tenho observado com mais frequência.

Todos sabemos o quanto se banalizou o termo "amigo", principalmente com o advento do facebook que utiliza este termo para todos que se encontram na rede. É utilizado por todos nós enquanto "facebokeanos". Mas isso não justifica que se banalize também o próprio conceito de "amizade". E isso que tenho verificado nos últimos tempos, principalmente no meio político, onde tive a experiência de conviver um pouco mais de perto nos últimos anos.

Há diversos tipos de amizades, assim como há diversos tipos de amor: amor platônico, amor materno, amor filial, amor físico. Certa vez li algo de Aristóteles sobre amizade que, nas minhas palavras e no meu entendimento, seria mais ou menos isso: além da amizade perfeita, caracterizada pelo puro exercício do bem-querer, há também as amizades motivadas pela utilidade e pelo prazer. A amizade duraria, então, até onde pudesse ser útil ou até onde estivesse sendo agradável ao nosso ego. A partir do momento em que não houvesse mais benefício a receber ou a partir do momento em que fosse dito ou colocado algo que não soasse tão agradável para nós, a amizade estaria desfeita. Seriam então amizades transitórias, voláteis, diferentemente da amizade perfeita, que subsistiria a qualquer situação, pois que o bem simplesmente pelo bem não se prende a condições.

Acontece que hoje há uma confusão geral, o conceito puro e único destes sentimentos se confundiu com as diversas formas de manifestação. Eu entendo e concordo com a definição de que a amizade verdadeira é o querer bem do outro, alegrar-se quando ele se dá bem, compartilhar e interagir tanto nos altos como nos baixos da vida. É pura liberalidade, doar, dar-se e dar atenção independente da situação do momento. A essência da amizade é o bem, e, dessa forma, uma verdadeira amizade é algo raríssimo pois o bem puramente bem é algo também muito raro na espécie humana.

Ao trazer esta análise então para o meio político, como eu disse acima, o que temos: sabemos que a política contém em si a convivência de interesses diversos de uma sociedade. O que a caracteriza é justamente a eterna tentativa de conciliação da diversidade de interesses, portanto, o interesse é a motivação da política. Está na sua essência. Até aí, nada demais. Mas o que mais me espanta é o quanto predominam as amizades de conveniência dentro da política. Sei que pode parecer meio ilógico eu dizer que me espanto com isso, pois acabei de falar que o interesse encontra-se na essência da política. Mas só depois de vivenciarmos certas experiências é que conseguimos entendê-las melhor, e justamente por havermos nos espantado é que buscamos entender melhor os fatos, e é o que estou fazendo aqui agora. Só depois de ter vivenciado tanta coisa nesse meio foi que consegui começar a entender certos fatos, e a análise que faço hoje não seria possível sem que tivesse ocorrido essa vivência. 

Lembro até hoje, de certo conhecido do face me dizer que "não acreditava em amizade no meio político". Na época lamentei comigo mesma o fato de ele pensar assim e não imaginei que teria que sentir na pele essa experiência para finalmente vir a concordar com ele. Hoje vejo quanto que a utilidade e o prazer predominam nas relações neste meio! Quantas pessoas que, até uns  meses atrás, outras um pouco mais, interagiam, curtiam, compartilhavam... e quando obtiveram o que queriam, silenciaram. Quantas pessoas nos procuram e outras respondem a nossas colocações somente quando lhes é conveniente.. Quantas nem nos "enxergam", mas nos deixam ali em seus perfis para uma possível necessidade.. e as que nos respondem com desculpas estapafúrdias? Inventam cada absurdo para justificarem seu silêncio! São todas pessoas movidas exclusivamente pela troca de interesses. Vivem assim, acostumaram-se tanto a ser assim em suas vidas que até mesmo assuntos pessoais ganham conotação de propaganda com finalidade de promoção social. 

A política gira em torno de interesses, portanto o meio político funcionando da mesma forma é mera consequência dessa premissa. É fato constatado pela observação e vivência durante certo espaço de tempo. O que é lamentável é o quanto muitos incorporaram essa forma de amizade como conceito em suas vidas, fechando-se para o significado primeiro e verdadeiro desse termo, e com isso atrofiando sua capacidade de amar e doar-se. Apequenaram-se ao apequenar um sentimento. Esqueceram que antes de tudo são seres humanos destinados a aprimorarem seus dons e capacidades, entre eles a capacidade de amar. 

Fui obrigada a concordar com este conhecido, e constatei essa realidade. Mas essa constatação não significa pra mim uma regra a cumprir. Aprendi a perceber, a distinguir os interesses na nebulosa dos contatos efêmeros, mas ainda continuo sendo eu mesma. Conheço as regras do jogo mas não sou o jogo. Aprendo a tornar-me esperta como as serpentes, mas não a tornar-me uma serpente. Porque antes de tudo, sou um ser humano que busca aprimorar-se a cada dia. Minha vida tem amplas facetas (família, trabalho, relacionamentos, etc.) mas não sou nenhuma delas. Sou a soma de todas, e não me fecho em nenhuma delas. Aprendi que a sabedoria consiste em vivermos no meio mas sem sermos o meio. As regras do meio, seja ele político, social, de alguma categoria profissional, ou qualquer que seja, não serão as regras do meu viver. Continuarei aberta a vivenciar sentimentos de forma mais ampla e real, mas agora não mais lançarei pérolas aos porcos. Saberei distinguir melhor onde, quando e aqueles que estão aptos e são merecedores de receber a graça de um sentimento real.

Luciana G. Rugani

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

CIDADANIA - ÉTICA - MEIO AMBIENTE

O texto abaixo é muito interessante pois trata do conceito de cidadania e sua prática, e se encaixa muito bem com o conceito de cidadania sobre o qual falei no meu artigo "Cidadania nos dias atuais"http://www.cantinhodasideias.com.br/2011/10/cidadania-nos-dias-atuais.html ). 

Neste texto, o foco é o exercício da cidadania na proteção do meio ambiente. Muito válida a abordagem e muito útil para impulsionar a conscientização ambiental. Enquanto leitora, eu só ampliaria o leque da reflexão sobre o exercício de cidadania a que se refere o texto expandindo-o também para todos os demais setores de organização da sociedade. A postura cidadã deve ser ativa, constante e diária.  Respeito com o patrimônio público, cumprimento dos deveres, visão coletiva, contribuição individual para a melhoria do meio em que se vive, acompanhamento, fiscalização e atuação na defesa dos direitos: isso é cidadania. 

Luciana G. Rugani

Cidadania – Ética – Meio Ambiente


por Luiz Antonio Batista da Rocha –Eng. Civil – Consultor em Recursos Hídricos – Auditor Ambiental – rocha@mdbrasil.com.br – www.outorga.com.br – www.rochaoutorga.hpg.com.br

Os detentores de cargo público não são donos da Nação, porém mandatários do povo. Como tais precisam prestar contas de seus atos. Os organismos estatais  existem para  atender ao interesse coletivo, não ao  interesse grupal ou setorizado. Qualquer pessoa do povo está legitimada a defender o meio ambiente, por preceito expresso da Constituição.

Em Ética Geral e Profissional, José Renato Nalini declara com firmeza que “uma ética ambiental dispensa notáveis conhecimentos da matéria, ou aprofundamento científico ecológico. Apenas requer vontade, alimentada por uma consciência sensível”.

Qualquer pessoa que sinta em si o desconforto de assistir impassível à destruição da natureza poderá servir-se de largo instrumental que só depende de sua vontade para ser operacionalizado.

Atuar na defesa do ambiente é uma explícita dimensão da cidadania no terceiro milênio.

Desde a célebre expressão da alemã Hannah Arendt teórica política, muitas vezes descrita como filósofa, apesar de ter recusado essa designação, –  “cidadania é a consciência que o indivíduo tem do direito a ter direitos”, inúmeras formulações do termo foram propostas.

Cabe lembrar a feição democrática daquele cidadão disposto a  enfrentar interesses dos “poderosos” para auxiliar na defesa de um patrimônio que não é só dele, mas é bem comum a todos. Não apenas os seus contemporâneos, mas também dos filhos e netos, homens do amanhã.

Na defesa do meio ambiente encontra-se um saudável exercício da  cidadania democrática.  João Carlos Quartim de Moraes em  A democracia: história e destino de uma idéia, afirma que "Cidadania só cria raízes num povo ao longo da experiência coletiva da aprendizagem do exercício da cidadania que é lenta e muitas vezes turbulenta. Mas insubstituível, tanto no que se refere ao voto quanto a formas superiores da participação democrática, como o  autogoverno local e as múltiplas formas de autogestão social. Nisso parece-nos consistir o essencial de sua força enquanto valor ético-político. É muito restrita essa noção baseada na capacidade de votar e ser votado”.

Para exercer sua cidadania ética, o indivíduo tem de realizar mais. Intervir decisivamente em inúmeras instâncias. Alargar o território do interesse coletivo, rompendo a já derruída barreira entre público e privado.

Essa experiência de exercício da sociabilidade contemporânea e de conferir eficácia às instituições e equipamentos públicos pode traduzir-se em posturas de tolerância zero para com propostas destrutivas e mesmo com as aquelas aparentemente flexibilizadoras, mas que disfarcem mediato comprometimento dos recursos naturais.

Cada pessoa pode, no universo em que habita contribuir para tornar o mundo melhor. Esse é um exercício cívico, um exercício de cidadania. Dispensável a vocação heróica. Basta acreditar na causa. E para crer, basta convencer a vontade. Assim se constrói a democracia.
Sem participação da cidadania, não há necessidade de regime democrático. A luta pela preservação do ambiente pode ser um compromisso de vida. Justificar uma existência. Dar-lhe qualidade e intensidade.

É um projeto permanente, que transcende os interesses imediatistas e egoísticos, para alcançar até as mais longínquas gerações. Nem estaremos aqui, mas teremos  garantido uma vida melhor à posteridade. A vivência democrática dá sentido a qualquer vida.  Aung San Suu Kyi, Prêmio Nobel da Paz de 1991 assevera que: “Mesmo sem saber o  que acontecerá, temos de seguir adiante da melhor maneira possível, sem desvios, no rumo certo.

Mesmo sem saber o que acontecerá, devemos participar desta luta. Todos entramos nela por
acreditar que é uma luta justa. Se me perguntarem se chegaremos à democracia... responderei o seguinte: não pensem no que acontecerá ou não acontecerá. Continuem simplesmente fazendo o que acham certo. Mais tarde, surgirão por si mesmos os frutos do que  fazem agora. Nossa responsabilidade é fazer o que é certo”.

Posso não ser capaz de sozinho, salvar a Amazônia. Tenho condições, porém, de salvar uma árvore.

Aquela que é maltratada defronte à minha casa e a cuja destruição assisto impassível. Cada qual encontrará a melhor forma de atuar para que o mundo não seja, num futuro não remoto, um deserto fuliginoso e morto.

Há um pressuposto válido, suscetível de estimular a atuação ambientalista: não posso compelir o governo a fazer o bem ambiental, mas sou capaz de impedi-lo de praticar o mal ecológico.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

HAIRON, FELIZ ANIVERSÁRIO!!! PARABÉNS!!!



Segunda-feira, 18 de fevereiro. O dia amanheceu com bastante sol, céu azul sem nuvens, um verdadeiro presente de Deus!

E até parece que o brilho do sol se faz ainda mais lindo, mais alegre. Talvez seja o reflexo do quanto esta data tem de especial: hoje é o aniversário de um ser humano iluminado! 

Hairon, você que tem me acompanhado todos estes anos com sua paciência, sua alegria, seu espírito sempre otimista e pra cima, hoje o dia é seu. Você merece todas estas bençãos com que a natureza vem nos brindar, merece todo o brilho e as boas vibrações deste dia que vem abrir as portas para uma semana festiva e positiva.

Parabéns, feliz aniversário! Que você receba em dobro o tanto que nos doa com sua simples presença. Que Jesus siga sempre do seu lado, acompanhando-o; na sua frente, guiando-o e nas suas costas, protegendo-o. Obrigada por sua presença, por seu amor e por ser este companheiro que tanto tem me apoiado em minhas determinações. Obrigada,principalmente, por sua paciência!! rsrs

Te amo! Não se esqueça NUNCA de ser FELIZ, SEMPRE!!

Mil beijos, com muito amor,

Luciana G. Rugani


domingo, 17 de fevereiro de 2013

JÓIAS OCULTAS

Hoje de manhã, ao entrar na internet, me deparei com a mensagem abaixo, no face de uma amiga, que serviu de inspiração para algumas reflexões que passo a fazer agora neste blog.

A história do garoto é algo muito comum nos dias de hoje, principalmente por vivermos em uma sociedade onde o mais importante é o ter, e não o ser, onde as pessoas sabem o quanto a aparência é utilizada para manipular, controlar, confundir,  e mesmo assim se deixam levar por ela ao priorizarem as relações vazias como forma de demonstração de prestígio social.

A capa reluzente continua atraindo muito mais que o conteúdo das páginas amareladas pelo tempo.

A sociedade ainda persiste na adoração de seus bezerros de ouro. 

O garoto era um desconhecido para sua própria família. Por não se comportar como os outros, por ser do seu próprio jeito e ter sua própria preferência de diversão, foi rotulado como "uma pessoa de jeito estranho", o que seria dele amanhã, afinal de contas seu comportamento era diferente dos demais.

Assim costuma acontecer com muitas pessoas que sofrem pré-julgamentos e, em consequência, são isoladas, como se um ser humano se resumisse ao seu jeito de ser, à sua aparência ou às suas relações com o meio externo.

Acontece que aqueles que estão sempre prontos ao julgamento rápido, que estão perdidos em seus castelos imaginários, loucos no ritmo vertiginoso de seus delírios de parecer, de possuir, acabam tendo sua percepção atrofiada. Perdem a capacidade de distinguir entre o que é real e o que é ilusão, perdem-se de si mesmos de tanto ter que parecer com o outro, ter que ser como o outro, viver a vida do outro. Já nem se lembram do garoto ou garota cheio de esperança e confiança que foram um dia e que foi largado (a) pelo caminho. 

Perdem a oportunidade de conhecer e de se aproximar de pessoas cujo único bem que trazem para compartilhar é o amor. Aquele amor simplesmente sentimento, sem julgamentos, sem avaliações, amor de amigo, amor de pai, amor de mãe, amor de bem-querer, incondicional. Como o amor não é algo visível, palpável, e, por ser algo que segue justamente o caminho contrário das adorações fúteis das aparências, estas pessoas que o trazem em suas mãos para ofertá-lo geralmente são "invisíveis". E basta observar, geralmente as pessoas que mais têm a nos oferecer em termos de acolhimento, compreensão e relações verdadeiramente construtivas e satisfatórias são aquelas que não precisam se anunciar, não precisam fazer alarde e não precisam se mostrar vivas através de relações construídas puramente de aparências. São verdadeiras jóias ocultas, só percebidas por aqueles de sensibilidade mais apurada, que não deixaram que as ilusões do caminho atrofiassem sua percepção. Só são percebidas por aqueles que, como disse o Mestre Jesus, têm olhos de ver e ouvidos de ouvir.

Fica aqui a minha reflexão de hoje para que possamos olhar pra nós mesmos e meditar: quantas jóias ocultas estaremos deixando passar por nossas vidas sem que percebamos? De quanto amor em forma de mãos amigas estaremos abrindo mão em troca de nossos bezerros de ouro? Quantas pessoas podemos ter abandonado ou magoado simplesmente por elas serem elas mesmas, do seu próprio jeito e querer? Quantas oportunidades de um convívio agradável teremos desperdiçado por nos mantermos agarrados em nossa pequenez?
Tenham um bom domingo...

Luciana G. Rugani


QUINTAL DOS MEUS SONHOS

Solitário, um menino excluído brinca
No fundo do quintal com uma rodinha nas mãos. 
Parece estar dirigindo, mas tão concentrado... 
"Esse menino, não joga bola, 
Não brinca com os outros, 
Não se aproxima de meninas... 
Não sei o que vai ser dele!" _ fala a mãe, solteira, do garoto.
Aliás, a família comenta o estranho jeito de ser do menino.

O tempo vai passando e ele continua isolado,

Mas substitui a rodinha por um papel e uma caneta.
Quantas fantasias e viagens fantásticas ele teve naquelas tardes de solidão?
Os melhores sonhos, são os que sonhamos acordados,
E são esse que ele, agora já adulto, publica em jornais e revistas.
Agora que ficou conhecido de todos,
Deixou de ser desconhecido pela família.

(mensagem copiada do face de Lúcia SantAnna https://www.facebook.com/lucia.santanna.12/posts/534151646624876 )

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

EMBAIXADORES DA ALEGRIA: CARNAVAL COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO

Estamos na semana que antecede o carnaval, por isso hoje eu gostaria de aproveitar para falar um pouco pra vocês sobre um lindo trabalho realizado com deficientes na cidade do Rio de Janeiro, e que tem o carnaval como instrumento. 

Trata-se da "Embaixadores da Alegria", uma organização social, fundada em 2006, que visa promover a inclusão social e emocional dos deficientes através do carnaval. O inglês Paul Davies (hoje presidente de honra da escola), amante do samba e da cultura carioca, teve uma grave crise na coluna que o impossibilitou de desfilar. A partir deste seu sofrimento momentâneo, colocou-se no lugar daqueles que perpetuamente se encontravam impossibilitados de curtir o carnaval e surgiu a ideia de fazer uma escola de samba para pessoas com qualquer tipo de deficiência. Uniu-se, então, ao empreendedorismo de Caio Leitão (atual presidente da escola) e estava pronta a fórmula de sucesso de um maravilhoso trabalho social.

A "Embaixadores" é uma escola de samba composta por deficientes e que todos os anos abre o desfile das campeãs no carnaval do Rio. Mas seu trabalho adquiriu maior amplitude, indo muito mais além das atribuições de uma escola de samba. Suas ações se dão em duas frentes: cultural e social.

No âmbito cultural, através da escola de samba e das oficinas profissionalizantes de carnaval, com atividades teóricas e práticas relacionadas ao assunto, há a preocupação de capacitar seus alunos e abrir-lhes possibilidades de emprego. Há também a promoção de eventos e encontros variados durante o ano, inclusive eventos internacionais. No âmbito social, busca-se a inclusão emocional e social dos alunos, inclusive com um núcleo de atendimento especializado para seus amigos e familiares. São prestados também serviços de acompanhamento psicológico, consultoria jurídica e palestras motivacionais aos participantes do projeto.


Neste ano, o enredo da escola será "Mãe da Alegria", em homenagem a todas as mães, especiais ou não. A imagem ao lado é a foto da camisa que será usada no desfile, e nela encontramos pequenas fotos de todas as mães participantes. Entre elas, encontra-se a foliona Elizabeth Marge, animadíssima e incansável batalhadora pela causa da acessibilidade na capital. Beth, a carioca mais cabo-friense que conheço, e, assim como eu, uma cabo-friense de coração, também contribuiu bastante para que, anos atrás, a ideia da acessibilidade germinasse e ganhasse força na cidade de Cabo Frio, no interior do estado do Rio. Hoje o assunto faz parte da agenda de políticas públicas da cidade. 

Vale assistir ao vídeo abaixo para conhecer um pouco mais sobre este maravilhoso trabalho de cidadania que busca, antes de tudo, promover a alegria e a autoestima dos deficientes. É, sem dúvida nenhuma, uma ideia que merece ser  bastante divulgada e que seria muito interessante se dela fossem geradas iniciativas semelhantes por este Brasil afora.

Luciana G. Rugani
 

http://www.youtube.com/watch?v=GN2Nsl6I52U
Caio Leitão (presidente) e Paul Davies (presidente de honra)

Isabel Kuster, Elizabeth Marge e Juliana Marge

Camila Rodrigues, responsável pelas coreografias 

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

CABO FRIO: PIONEIRA NO PAÍS NA CRIAÇÃO DE COMUNIDADE PARA TRATAMENTO DE DEPENDENTES QUÍMICOS A FUNCIONAR COM RECURSOS PRÓPRIOS

Todos os dias, no meu caminho para o trabalho, passo por uma avenida em cuja margem, já chegando na região central da cidade, encontra-se parte de nossa terrível cracolândia. Já de manhã bem cedinho e aquelas pessoas ali, perdidas de si mesmas, entregues totalmente ao poderio da droga, à margem da vida.

Hoje observei e fiquei refletindo: como pode um poder público, uma prefeitura, permitir esse tipo de coisa dentro de seu município? Há tantos anos que vivemos esta situação em Belo Horizonte, reportagens e mais reportagens na TV, nos jornais, e nenhuma atitude por parte do Poder Público. Daí lembrei da matéria abaixo, e resolvi publicá-la aqui neste blog como divulgação para que, quem sabe, outras cidades possam se sensibilizar com a ideia e investir em projeto semelhante. 

A cidade de Cabo Frio certamente será a primeira cidade no país a ter uma Comunidade Terapêutica para tratamento de dependentes químicos com recursos próprios! Parabéns! Com certeza será um primeiro passo de suma importância para atacar o problema das drogas de uma forma mais realista e mais efetiva. 

Que os prefeitos das cidades que sofrem com este grave problema possam se inteirar melhor deste projeto e adaptarem algo semelhante em seus municípios, pois o problema da dependência adquiriu proporção gigantesca e tornou-se um grave problema social que atinge diversas áreas, como saúde, assistência social e segurança pública.

Não basta ignorar, não basta mudar de caminho ou se acostumar com um fato tão degradante, passando a enxergá-lo simplesmente como algo comum nos dias de hoje.
Vale ler a matéria abaixo:
Luciana G. Rugani

Cabo Frio ganha Comunidade Terapêutica para tratamento de dependentes químicos
 Comunidade ficará no Alecrim e será a primeira a funcionar no país com recursos próprios


Oferecer um ambiente seguro e acolhedor que facilite a socialização e a busca de equilíbrio no tratamento de dependentes químicos. Esse é o objetivo da Comunidade Terapêutica que a Prefeitura de Cabo Frio, através da secretaria Municipal de Prevenção ao Uso de Drogas, vai criar no bairro Alecrim. Será a primeira Comunidade Terapêutica pública do país a funcionar com recursos próprios, já que este tipo de tratamento só é oferecido hoje à população através da rede particular de saúde.

- Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) cerca de 5% da população mundial – 200 milhões de pessoas – entre 15 e 64 anos de idade, consomem algum tipo de droga ilícita ao menos uma vez no ano. O Brasil está entre os países onde este problema ocorre com maior intensidade, daí a importância da sua prevenção e o enfrentamento com a adoção de políticas públicas e ações articuladas que minimizem as conseqüências do tema em questão, bem como a conscientização da população, diz a secretaria Cris Mansur.

Comunidade Terapêutica é um modelo residencial de tratamento da dependência química, que utiliza como método, a experiência de vida e a convivência em uma cultura saudável organizada como uma micro-sociedade. Ao todo serão disponibilizados 75 leitos, sendo 50 para homens e 25 para mulheres. Sua estrutura (organização social), seus moradores (funcionários, residentes e profissionais da área de saúde) e sua rotina de atividades diárias (recreação, palestras, reuniões, trabalhos) serão preparados para facilitar o tratamento, a aprendizagem e a recuperação do interno.
- Nosso objetivo é minimizar os danos provocados por este grande mal da sociedade e os problemas que se agravam a cada dia, interferindo no desenvolvimento dos indivíduos, principalmente na vida de jovens e adolescentes, alerta.

A Comunidade Terapêutica do Alecrim terá clínico geral, neurologista, atendimento odontológico, psicólogo, psiquiatra, enfermeiros, monitores, biblioteca, espaço para terapias em grupo, academia de ginástica, lavanderia, campo de futebol, quadra de vôlei, hidroginástica, salão de jogos e cursos profissionalizantes nas áreas de hotelaria, culinária, artesanato, eletricista, entre outros. Todos os dormitórios têm banheiro para os internos. Além disso, um dos alojamentos será adaptado com 6 leitos para receber portadores de necessidades especiais.

Na Comunidade Terapêutica, além de receber todo o atendimento necessário para sua recuperação, o interno precisa trabalhar. Eles formam a mão-de-obra para o cultivo de hortaliças, criação de animais e fabricação de pães e bolos numa mini-padaria. Todos os alimentos são para consumo próprio. A transformação biopsicossocial e espiritual envolve o aprendizado de novos valores, comportamentos, capacidades e responsabilidades, gerando os instrumentos necessários para a reinserção social. Segundo especialistas, o trabalho realizado incentivar o usuário a retomar suas relações familiares e atividades profissionais.

- O objetivo é tratar o transtorno do indivíduo, mas também proporcionar uma transformação no estilo de vida e na construção de uma identidade cidadã, conclui Cris Mansur. 

Texto: Alexandra de Oliveira e Marcelo Velloso / Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Prevenção ao Uso de Drogas

INFORMATIZAÇÃO DA MARCAÇÃO DE CONSULTAS

Por Luciana G. RuganiQuando ouço as histórias de pessoas que precisam sair de casa de madrugada para pegar lugar no início das filas gigantes de marcação de consulta no SUS, penso em como que, para algumas coisas, a modernidade caminha devagar... 
Hoje em dia, com tantos recursos tecnológicos que existem na área da informática, não tem mais cabimento acontecer esse tipo de coisa. 
Reflito na questão, e penso que, principalmente nas grandes cidades, há recursos financeiros e humanos mais que suficientes para serem utilizados no desenvolvimento de sistemas eficientes de informatização de forma a organizar o setor e acabar com esse sofrimento na marcação de consultas. Mas, quanto maior a máquina administrativa de uma cidade, mais vai aumentando o distanciamento entre o local de atendimento e o centro das decisões, com isso a sensibilização para as necessidades do atendimento vai diminuindo. A situação pela qual passa o povo no dia-a-dia, as reclamações, tudo isso demora mais a ser "visto" ou "ouvido" pelos que implementam e organizam as secretarias. Falta um pouco mais de atenção com a base do organograma, com os órgãos que lidam direto com o atendimento público. Seria muito bom que visualizassem e sentissem de perto a luta da população para agendar atendimento, pois creio que muitas vezes não fazem nem noção da luta e do sofrimento que é marcar uma consulta.
Gostei muito do projeto que começou a ser implantado em Cabo Frio para acabar com as filas de madrugada: a informatização da marcação de consultas. É algo que já poderia estar sendo feito há anos, mas que só agora começou a funcionar. Vale ler a matéria abaixo:
______________________________________________________________________________


Moradores de Cabo Frio já contam com melhorias na área de Saúde
Sistema informatizado acabou com as filas durante a madrugada

Os moradores de Cabo Frio já podem contar as primeiras melhorias na área da Saúde. Com a implantação do sistema informatizado, as pessoas não precisam mais dormir nas filas para conseguirem marcar as consultas, como era anteriormente, com o processo manual.

O novo sistema da Central de Marcação de Consultas está em funcionamento desde o dia 13 de janeiro e já contabiliza números positivos: foram 2468 consultas marcadas em 10 dias de utilização. Por dia, cerca de 240 pessoas tem as suas consultas marcadas. Com o novo sistema, todos os dados do modelo antigo foram migrados, e hoje, mais de 90 mil pessoas estão cadastradas.

O horário da marcação também mudou. Os funcionários agendam as consultas das 18h às 21h. Segundo o diretor administrativo do PAM, Antônio Marcos, desde então, não há mais aquela situação deprimente de antes.

- A informatização da marcação de consultas acabou com as filas durante a madrugada. Isso é coisa do passado em Cabo Frio. As pessoas não precisam mais se sacrificar daquela maneira como faziam antes. Chegam aqui, agendam seus horários e vão embora tranquilas para casa, sabendo que na semana seguinte serão atendidos pelo médico da especialidade que necessitam, afirma o diretor.

Outra novidade do sistema é o envio de SMS para os pacientes que marcaram a consulta. Um dia após a marcação, o sistema envia uma mensagem via celular para lembrar os pacientes da consulta, informando dia, horário e nome do médico com o qual será consultado. Desde a implantação do projeto, mais de 900 SMS já foram enviados aos pacientes.

O sistema de marcação de consultas já está sendo implantado também no bairro Jardim Esperança. Na próxima quinta-feira (31/01) começará o treinamento com os funcionários, para que na semana seguinte as pessoas já possam utilizar esse benefício.

Outro local onde a implantação está bastante adiantada é em Tamoios. Segundo o superintendente de informática da Secretaria de Saúde, Leonardo Vital, dentro de 30 dias o sistema estará em pleno funcionamento, integrado à Central de Marcação de Consultas do PAM, em Cabo Frio. O projeto de informatização da marcação de consultas prevê ainda este ano, a implantação do sistema em todas as unidades de saúde do município, incluindo todos os Postos de Saúde da Família.

Texto: Glória Passos
Secretaria Municipal de Comunicação Social de Cabo Frio
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...