Pular para o conteúdo principal

JÓIAS OCULTAS

Hoje de manhã, ao entrar na internet, me deparei com a mensagem abaixo, no face de uma amiga, que serviu de inspiração para algumas reflexões que passo a fazer agora neste blog.

A história do garoto é algo muito comum nos dias de hoje, principalmente por vivermos em uma sociedade onde o mais importante é o ter, e não o ser, onde as pessoas sabem o quanto a aparência é utilizada para manipular, controlar, confundir,  e mesmo assim se deixam levar por ela ao priorizarem as relações vazias como forma de demonstração de prestígio social.

A capa reluzente continua atraindo muito mais que o conteúdo das páginas amareladas pelo tempo.

A sociedade ainda persiste na adoração de seus bezerros de ouro. 

O garoto era um desconhecido para sua própria família. Por não se comportar como os outros, por ser do seu próprio jeito e ter sua própria preferência de diversão, foi rotulado como "uma pessoa de jeito estranho", o que seria dele amanhã, afinal de contas seu comportamento era diferente dos demais.

Assim costuma acontecer com muitas pessoas que sofrem pré-julgamentos e, em consequência, são isoladas, como se um ser humano se resumisse ao seu jeito de ser, à sua aparência ou às suas relações com o meio externo.

Acontece que aqueles que estão sempre prontos ao julgamento rápido, que estão perdidos em seus castelos imaginários, loucos no ritmo vertiginoso de seus delírios de parecer, de possuir, acabam tendo sua percepção atrofiada. Perdem a capacidade de distinguir entre o que é real e o que é ilusão, perdem-se de si mesmos de tanto ter que parecer com o outro, ter que ser como o outro, viver a vida do outro. Já nem se lembram do garoto ou garota cheio de esperança e confiança que foram um dia e que foi largado (a) pelo caminho. 

Perdem a oportunidade de conhecer e de se aproximar de pessoas cujo único bem que trazem para compartilhar é o amor. Aquele amor simplesmente sentimento, sem julgamentos, sem avaliações, amor de amigo, amor de pai, amor de mãe, amor de bem-querer, incondicional. Como o amor não é algo visível, palpável, e, por ser algo que segue justamente o caminho contrário das adorações fúteis das aparências, estas pessoas que o trazem em suas mãos para ofertá-lo geralmente são "invisíveis". E basta observar, geralmente as pessoas que mais têm a nos oferecer em termos de acolhimento, compreensão e relações verdadeiramente construtivas e satisfatórias são aquelas que não precisam se anunciar, não precisam fazer alarde e não precisam se mostrar vivas através de relações construídas puramente de aparências. São verdadeiras jóias ocultas, só percebidas por aqueles de sensibilidade mais apurada, que não deixaram que as ilusões do caminho atrofiassem sua percepção. Só são percebidas por aqueles que, como disse o Mestre Jesus, têm olhos de ver e ouvidos de ouvir.

Fica aqui a minha reflexão de hoje para que possamos olhar pra nós mesmos e meditar: quantas jóias ocultas estaremos deixando passar por nossas vidas sem que percebamos? De quanto amor em forma de mãos amigas estaremos abrindo mão em troca de nossos bezerros de ouro? Quantas pessoas podemos ter abandonado ou magoado simplesmente por elas serem elas mesmas, do seu próprio jeito e querer? Quantas oportunidades de um convívio agradável teremos desperdiçado por nos mantermos agarrados em nossa pequenez?
Tenham um bom domingo...

Luciana G. Rugani


QUINTAL DOS MEUS SONHOS

Solitário, um menino excluído brinca
No fundo do quintal com uma rodinha nas mãos. 
Parece estar dirigindo, mas tão concentrado... 
"Esse menino, não joga bola, 
Não brinca com os outros, 
Não se aproxima de meninas... 
Não sei o que vai ser dele!" _ fala a mãe, solteira, do garoto.
Aliás, a família comenta o estranho jeito de ser do menino.

O tempo vai passando e ele continua isolado,

Mas substitui a rodinha por um papel e uma caneta.
Quantas fantasias e viagens fantásticas ele teve naquelas tardes de solidão?
Os melhores sonhos, são os que sonhamos acordados,
E são esse que ele, agora já adulto, publica em jornais e revistas.
Agora que ficou conhecido de todos,
Deixou de ser desconhecido pela família.

(mensagem copiada do face de Lúcia SantAnna https://www.facebook.com/lucia.santanna.12/posts/534151646624876 )

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói