Pular para o conteúdo principal

PAPA FRANCISCO: O PAPA DA NOVA ERA


Há mais de um ano escrevi um pequeno texto para este blog sobre o que chamam "fim dos tempos". Neste texto, eu disse que, para mim, o significado deste termo "fim dos tempos" seria a mudança do padrão de consciência, o que já estaria acontecendo há alguns anos. 
O fim não existe, o que existe é a transformação. A humanidade segue seu processo de evolução de forma lenta e progressiva, a evolução é Lei da Vida. Pouco a pouco a humanidade vai expandindo sua consciência por meio da transformação e renovação de suas ideias e costumes.
A cortina do palco se abre pouco a pouco... o véu está caindo... As informações chegam com mais rapidez, está mais difícil ocultar os fatos. Os dons se expandem, as energias atuam de forma mais direta. Por isso tantos acontecimentos horripilantes, tristes, tanta loucura explícita, e ao mesmo tempo quanta revelação, quantas mentes brilhantes e crianças e jovens da chamada "geração y", ativos, corajosos e questionadores.
É neste panorama de transformação e chegada de uma nova era que surge um novo papa. Há cerca de quatro meses, tivemos a renúncia do papa Bento XVI e a entrada do papa Francisco. Papa Francisco esteve semana passada aqui no Brasil para a Jornada Mundial da Juventude. Foram poucos dias, mas sua presença foi marcante.
Além de seu discurso ser inovador na igreja católica, os valores pregados e a mensagem transmitida não se circunscrevem a uma só religião, tanto é que suas palavras, seu carisma e sua espontaneidade conquistaram pessoas de todos os credos. Ele mostrou ser uma dessas mentes brilhantes do novo tempo, para as quais vale mais o conteúdo que o rótulo. Dono de uma linguagem clara, direta, natural, ele expôs seu pensamento sobre questões polêmicas e tornou evidente sua preocupação em semear valores que nossa sociedade tão individualista e consumista não conhece, como a solidariedade, a simplicidade e a autenticidade.
A evolução da sociedade humana é lenta, gradual e constante. Não se faz de um dia para o outro. Mas não podemos negar que ter uma pessoa que prega justamente valores que se chocam com o egoísmo e salve-se-quem-puder predominante em nossa sociedade, ocupando um dos cargos de maior relevância mundial, é mais uma certeza de que não estamos ao léu como uma nau sem rumo, e que se faz presente a transição para um novo tempo, um tempo de maior consciência acerca das consequências dos nosso proceder, um tempo em que diminui pouco a pouco o espaço para a hipocrisia, para o falseamento de informações, para o "empurrar a sujeira para debaixo do tapete" para satisfazer as pretensões de uma sociedade dominadora.
Seguem algumas colocações do Papa Francisco que destaquei:

"Que todos trabalhemos por esta palavra que hoje em dia não é bem aceita: solidariedade. É uma palavra que procuram deixar de lado, sempre, porquê incômoda. Todavia, é uma palavra que reflete os valores humanos e cristãos que hoje nos pedem para ir contra; da cultura do descartável, de que tudo é descartável.

"Uma cultura que sempre deixa as pessoas de fora: deixa à margem as crianças, deixa à margem os jovens, deixa à margem os idosos, deixa a fora aos que não servem, aos que não produzem, e isso não pode acontecer. Invés, a solidariedade, coloca todos dentro. Devem seguir trabalhando por esta cultura da solidariedade e pelo Evangelho”.

"Deus chama para escolhas definitivas, Ele tem um projeto para cada um: descobri-lo, responder à própria vocação é caminhar para a realização feliz de si mesmo. A todos Deus nos chama à santidade, a viver a sua vida, mas tem um caminho para cada um. Alguns são chamados a se santificar constituindo uma família através do sacramento do Matrimônio. Há quem diga que hoje o casamento está “fora de moda”. Está fora de moda? [Não…]. Na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é “curtir” o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas, “para sempre”, uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã. Em vista disso eu peço que vocês sejam revolucionários, eu peço que vocês vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem: que se rebelem contra esta cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, crê que vocês não são capazes de amar de verdade. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de “ir contra a corrente”. E tenham também a coragem de ser felizes!" (Papa Francisco)

“Nenhum esforço de pacificação será duradouro numa sociedade que deixa à margem, que abandona, na periferia, parte de si mesma”.

“Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram seu próprio benefício”.

“Não existe verdadeira promoção do bem comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação: a vida, a família, a educação integral, a saúde e a segurança”.

“Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que persistem. Que cada um saiba dar sua contribuição para acabar com as injustiças sociais”.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Me sinto muito ajudada com as suas palavras. Bendito sejas papa Francisco

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si