Pular para o conteúdo principal

INVEJA, CIÚMES E FOFOCAS DESTROEM AS COMUNIDADES CRISTÃS

                                 


A HOMILIA DESTA MANHÃ NA CASA SANTA MARTA

"Que os cristãos fechem as portas ao ciúme, à inveja e às fofocas que destróem as nossas comunidades". Esta foi a exortação do Papa Francisco na homilia desta manhã na Missa celebrada na Casa Santa Marta.

A reflexão do Santo Padre partiu da primeira leitura do dia que fala da vitória dos israelitas sobre os filisteus, graças à coragem do jovem Davi. A alegria da vitória transforma-se logo em tristeza e ciúmes por parte do Rei Saul, diante das mulheres que louvavam Davi por ter matado Golias. "Aquela grande vitória - afirmou o Papa - torna-se a derrota no coração do Rei", onde se insinua, como aconteceu com Caim, o "verme do ciúme e da inveja". E como Caim com Abel, o Rei decide matar Davi. 

"É isto que faz a inveja nos nossos corações - observou o Papa - é uma inquietação má, que não tolera que um irmão ou uma irmã tenha uma coisa que eu não tenho". Saul, "ao invés de louvar a Deus por esta vitória, como faziam as mulheres de Israel, prefere fechar-se em si mesmo, lamentar-se" e "cozinhar os seus sentimentos no caldo da amargura": 

"O ciúme leva a matar. A inveja leva amatar. Foi justamente por esta porta, a porta da inveja, que o diabo entrou no mundo. A Bíblia diz: "Por inveja do diabo o mal entrou no mundo". O ciúme e a inveja abrem as portas a todas coisas más. Também divide a comunidade. Uma comunidade cristã, quando sofre - alguns dos seus membros - de inveja, de ciúme, fica dividida, uns contra os outros. É um veneno forte este. É um veneno que encontramos na primeira página da Bíblia com Caim". 

No coração de uma pessoa ferida pela inveja e pelo ciúmes - sublinha ainda o Papa - acontecem "duas coisas muito claras". A primeira é a amargura: 

"A pessoa invejosa, a pessoa ciumenta é uma pessoa amarga: não sabe cantar, não sabe louvar, não sabe o que seja a alegria, sempre olha" o que aquele tem que eu não tenho". E isto leva à amargura, uma amargura que se espalha por toda a comunidade. São estes, os semeadores de amargura. E o segundo comportamento que a inveja e o ciúme provoca, são as fofocas. E por não tolerar que este ou aquele tenha tal coisa, a solução é rebaixar o outro para que eu seja um pouco mais alto. E o instrumento disto é a fofoca. Observe e verás que por trás de uma fofoca tem o ciúme e a inveja. E as fofocas dividem a comunidade, destróem a comunidade. São as armas do diabo". 

"Quantas belas comunidades cristãs - exclamou o Papa - caminhavam bem, mas depois, num de seus membros entrou o verme do ciúme e da inveja e, com isto, a tristeza, o ressentimento nos corações e as fofocas". "Uma pessoa que está sob o influxo da inveja e do ciúme - ressaltou Francisco - mata", como diz o Apóstolo João: "Quem odeia o seu irmão é um homicida". E "o invejoso, o ciumento, começa a odiar o seu irmão". Então conclui: 

"Hoje, nesta Missa, rezemos pelas nossas comunidades cristãs, para que esta semente da inveja não seja semeada entre nós, para que a inveja não encontre lugar no nosso coração, no coração das nossas comunidades e assim possamos seguir em frente com o louvor ao Senhor, louvando o Senhor, com alegria. É uma grande graça, a graça de não cair na tristeza, no ressentimento, no ciúmes e na inveja". 

De: RadioVaticano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si