Pular para o conteúdo principal

RECOMENDAÇÃO DE FILME: "EU MAIOR"

Alguma vez algo já tocou os seus sentidos e sua consciência de forma a despertá-lo para uma nova percepção de seu ser? Ou para alguma epifania, ou algum "insight"? Alguma vez algo ou a atitude de alguém já fez seu olhar desviar-se da forma, da imagem, para em seguida você se encontrar cara a cara com as indagações mais profundas do ser e com a certeza de que precisa despir-se dessa "capa" para que possa ir em busca das respostas que o farão ainda mais certo de sua amplidão a qual, paradoxalmente, lhe mostrará sua pequenez?

Já me senti assim. Já descobri na natureza, nas palavras, na busca, a certeza de que eu sou "Eu maior". Não sou, ou pelo menos não devo ser, a pequenez de uma vida curta.

Hoje gostaria de recomendar a vocês o filme "EU MAIOR". Composto de entrevistas com pessoas das mais diversas correntes de entendimento, cada uma dando sua colaboração com uma abordagem, um foco diferente, mas todas têm algo em comum: partindo de uma pergunta, ou de uma palavra trivial, ao final da fala nos vemos dentro de uma amplidão de algo mais, algo maior, aquela sensação de ser levado da superfície às profundezas. São falas que funcionam como aquele toque nos sentidos e na consciência a que me referi no início deste texto, nos colocam cara a cara com nossa amplidão e ao mesmo tempo com nossa pequenez.

Vale a pena assistir uma vez para conhecer, e mais duas ou três vezes para meditar nas colocações e defrontá-las com sua própria vida, com seu próprio ser. Autoconhecer-se verdadeiramente: esta é a busca, a razão maior.
Seguem algumas frases do filme que achei por bem destacar para ilustrar este texto:

“Uma maneira de representar o conhecimento é pensar que tudo que a gente conhece está numa ilha, e esta ilha está cercada pelo desconhecido. À medida em que o conhecimento avança, a ilha vai crescendo, mas, à medida em que ela cresce, aumenta também a margem que ela faz com o desconhecido. Ou seja, quanto mais a gente conhece sobre as coisas, mais desconhece também, e mais perguntas surgem. Isso não nos torna menos humanos. Na verdade, nos torna mais humanos e menos deuses” (Marcelo Gleiser - cientista).

"Fazer falta não significa ser famoso, significa ser importante... Muita gente não é famosa e é absolutamente importante. "Importar": quando alguém me leva pra dentro, ele me importa pra dentro, ele me carrega. Eu quero ser importante. Por isso pra ser importante eu preciso não ter uma vida que seja pequena, e uma vida se torna pequena quando ela é uma vida que é apoiada só em si mesmo, fechada em si. Eu preciso transbordar, ir além da minha borda, preciso me comunicar, preciso me juntar, preciso me repartir. Nesta hora minha vida, sem dúvida, ela é curta, e eu desejo que ela não seja pequena" (Mário Sérgio Cortella - filósofo).

Eis aqui o arquivo do filme. Assista, reflita, medite. Você merece isso!



Maiores informações sobre o filme: http://eumaior.com.br/
Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019