Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: DIA MUNDIAL DO CONSUMIDOR E DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:
 
Março é mesmo cheio de importantes datas comemorativas, entre elas: o Dia Mundial do Consumidor, comemorado no dia 15, e o Dia Mundial da Água, no dia 22. Devido à importância do tema "água" nos dias atuais, gostaria hoje de propor uma reflexão para alertar sobre a estreita ligação entre estas duas datas. Não tratarei aqui de responsabilidades do poder público, mas sim de responsabilidades de indivíduos, conscientização individual.
As datas comemorativas têm como objetivo maior chamar a atenção para os temas com o intuito de propor reflexão, o que pode acontecer sob óticas diversas. O dia do consumidor, por exemplo, pode nos trazer as seguintes indagações: o que é ser um consumidor consciente? Como tenho agido enquanto consumidor? Qual a importância do meu papel de consumidor perante o meio ambiente e a saúde do planeta? E, o dia da água, nos faz pensar: o que me cabe fazer para evitar o desperdício no meu consumo? Minha postura individualista do tipo "gasto sim o quanto eu quiser, pois estou pagando" garante um consumo eficiente? Podemos ver que, em todo este questionamento, o binômio água/consumidor se faz presente.
Vivemos um tempo onde a força consumista é avassaladora, como uma onda poderosa utilizando apelos emocionais e psicológicos fortes para se consumir. Bens antes duráveis, hoje duram muito pouco, sendo quase descartáveis. A moda, a imposição do capitalismo selvagem dificultando e algumas vezes até impossibilitando a manutenção dos produtos, a pressão da propaganda, tudo isso promove um consumismo danoso, não saudável, e causador de males emocionais, ambientais, financeiros e sociais.
E a água? Onde ela entra nessa questão do consumo? Além de analisarmos como andam nossos hábitos enquanto consumidores de água, vale a pena refletirmos também que tudo aquilo que consumimos leva água no seu processo produtivo. É a chamada "água virtual", que significa a medida indireta dos recursos hídricos consumidos por um bem. Há discussões e controvérsias sobre a água virtual, mas o fato é que quanto mais acentuada a escassez de água, mais este conceito é levado em consideração na fase de produção, devendo também ser pesado na hora de consumir.
O consumismo exagerado é agravante para a crise da água. Hoje é de vital importância que haja maior conscientização em relação à necessidade de equilibrar o desenvolvimento econômico com a preservação dos recursos naturais essenciais à nossa vida. É imperioso termos os pés no chão na hora de comprar e pensarmos: temos necessidade real deste produto ou estamos nos deixando levar pela emoção que se traduz em uma falsa necessidade? Este produto, ou sua produção, é agressivo ao meio ambiente? Há outro produto similar cujo processo de produção seja ambientalmente menos agressivo?
Tanto o consumo em geral quanto o consumo da água são processos de caráter coletivo, pois ambos envolvem uma cadeia de fatores. Eu não produzo minha própria água para utilizá-la individualmente na quantidade que eu quiser; da mesma forma, quando eu consumo determinado produto ele é derivado de toda uma cadeia de produção que utiliza capital humano e recursos naturais não produzidos exclusivamente por mim. Por isso, em ambos os casos, não cabe dizer simplesmente "estou pagando, posso gastar o que quiser". São questões de ordem coletiva, que representam uma oportunidade sensacional de abandonarmos nosso individualismo e exercitarmos nosso pensar coletivo.
A crise da água, também agravada pelo consumismo desenfreado, demanda união, demanda modificação de hábitos, deixar de se focar tanto no próprio umbigo para treinar um olhar mais coletivo, olhar para o lado e perceber que o outro também é parte desse círculo, e, principalmente, enxergar que, nesse caso, nossas atitudes são parte de um somatório que poderá resultar positivo ou negativo, conforme sejam nossos hábitos, ou seja, nosso modo de consumir interferirá drasticamente na definição da qualidade do ambiente que se refletirá em nós mesmos, em futuro próximo.
As indagações e reflexões que propus acima devem ser feitas a qualquer tempo, para avaliarmos nosso comportamento dentro dessa onda de consumismo que nos invade, ao mesmo tempo em que sofremos carência de recursos naturais básicos, como a água. Aproveitemos estas datas comemorativas para acentuar a discussão e as campanhas conscientizadoras que nos levem a renovar nossas atitudes à luz do bom senso.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si