Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: UMA LIÇÃO DE SUPERAÇÃO

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

Hoje gostaria de dividir com vocês uma história de superação, um exemplo de como podemos mudar nossa vida a partir do momento em que mudamos a forma de encará-la.
Minha amiga Deborah Prates é advogada no Rio e integrante das comissões de Direitos Humanos; OAB-MULHER; Tecnologia da Informação (Federal) e Comissão de Política de Igualdade (FEDERAL), na OAB/RJ. Deborah ficou cega em 2006, em consequência de glaucoma. Antes da cegueira, ela chegou a fazer diversas cirurgias, e, quando se preparava para mais uma delas, contraiu uma pneumonia e passou a tomar antibióticos. Em seguida, apareceu uma "prega" no pulmão. Para este problema, ela precisou tomar corticoides. Mas, para um portador de glaucoma, tomar corticoides é sinônimo de cegueira, pois eleva ainda mais a pressão ocular. Deborah viu-se entre duas opções: ou tomava o corticoide e tratava do problema do pulmão e ficava cega, ou não tratava do pulmão e morria. Em momento de difícil decisão, quando a maioria de nós certamente se entregaria ao desespero, Deborah, muito lúcida, busca o equilíbrio, chama sua filha de 12 anos, conversa com ela, explica o caso e pergunta: você prefere uma mãe cega ou uma mãe morta? Então neste momento decidem prosseguir no tratamento do pulmão. Em 15 dias, Deborah foi se despedindo da visão, fez aula de bengala e, no final dos 15 dias, quando terminou a aula de bengala, ficou completamente cega.
Deborah perdeu clientes, ficou em difícil situação financeira, mas não desistiu. Tornou-se estudiosa dos direitos das pessoas com deficiência, passou a dar palestras e a advogar em causas de acessibilidade.
Gravou o filme "Uma simples cegueira", classificado no festival "Assim Vivemos / 2011", mostra de filmes sobre deficiências no Centro Cultural do Banco do Brasil/RJ. Neste filme, Deborah mostra situações de seu dia a dia no computador e nas ruas, no shopping, no taxi, com seu cão-guia americano. Aborda questões importantes que precisam ainda evoluir muito no Brasil, como, por exemplo, a questão do cão-guia. No Brasil, ainda é muito difícil conseguir um cão-guia. Não há muitas escolas. Na época em que ela precisou, só encontrou uma escola com poucos cães para atender a toda a demanda de cegos do país. Outra visão que precisa mudar é o preconceito de certos profissionais contra o cão. É preciso que se conscientizem de que há lei garantindo a presença do cão-guia em qualquer ambiente. Deborah destaca também situações práticas em nossas calçadas em que o cão faz extrema diferença, pois ele impede que o cego trombe no obstáculo, coisa que a bengala não impede. O filme mostra, ainda, como a tecnologia já se desenvolveu a favor das pessoas com deficiência, através dos ledores de tela para computador, ledores de cores, etc.
Vale a pena assistir ao filme, pois é enriquecedor. Está dividido em duas partes, no youtube. Deixarei os links aqui para facilitar a busca de quem se interesse.
Por fim, a lição que fica para mim é a lição de superação, de otimismo que Deborah nos transmite. Ela acredita que, quando se perde algo, é preciso olhar para o que ainda resta agradecer pelo que ainda se tem e ficar feliz por isso. Seguir em frente sem nunca perder a alegria e vontade de viver. Deborah nos ensina uma nova forma de enxergarmos a vida, muito além do que se tem ou do que se perde, mas sim a vida pela vida, o "estar vivo” e alegrar-se por isso, e assim aprender que a vida não é só isso que se vê. E ainda, que não é um simples obstáculo que nos fará desistir de seguirmos em busca de nossos projetos. Tudo depende de nós, de nossa maneira de enxergarmos além da pedra no caminho e assim contorná-la como a água contorna o obstáculo. Limitações físicas ou materiais podem até surgir, mas nunca haverá nada capaz de limitar a nossa vontade.
Conheçam mais sobre Deborah também em seu blog deborahpratesinclui.blogspot.com.br

Links para o filme:
https://www.youtube.com/watch?v=6VNpV06N4oE uma simples cegueira 1ª parte
https://www.youtube.com/watch?v=Oeyj9X73d0w uma simples cegueira 2ª parte

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019