Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: MEIO AMBIENTE: INTEGRAÇÃO NATUREZA-SOCIEDADE

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

Semana passada foi comemorada a Semana do Meio Ambiente, em função do dia 5 de junho que, em 1972, foi declarado pela ONU como o Dia Mundial do Meio Ambiente.
Toda data comemorativa busca chamar nossa atenção para determinado tema em prol de maior reflexão sobre sua importância, sob os mais diversos focos. Geralmente há comemorações, eventos, palestras, ações, etc., sempre com objetivo de divulgar o tema, estudar e refletir. Mas, considerando a presença constante do meio ambiente no nosso dia a dia, digo que todo dia é dia do meio ambiente. Vivemos no meio, interagimos com ele a cada instante, somos parte do mesmo, portanto todo dia é dia de buscarmos hábitos mais saudáveis e que sejam menos danosos ao nosso ambiente.
Certa vez li um estudo no periódico "Pesquisa em Educação Ambiental" (periódico semestral envolvendo pesquisadores de três instituições universitárias do Estado de São Paulo) que descrevia o conceito de meio ambiente baseado em três concepções diferentes: concepção naturalizante; humanizante e integradora. A concepção naturalizante diz respeito ao entendimento de que o meio ambiente significa a natureza intocada; humanizante o vê como meio de obtenção de recursos naturais para sobrevivência do ser humano e a concepção integradora o vê como um meio integrado entre a natureza e a sociedade.
Eu simpatizo mais com a terceira vertente, pois entendo que preservação pode ser conciliada com presença humana, desde que esta presença se faça de forma sustentável, ou seja, que o ser humano busque a satisfação de suas necessidades, mas sem comprometer os recursos ambientais para as gerações futuras.
Com base nessa visão, ou seja, considerando o ser humano como parte do meio em que se vive, digo sempre que o homem precisa ver-se dessa forma, ver-se parte do todo e, assim, ter empatia para com o outro que também é parte do meio, seja este outro uma pessoa, um animal, uma planta ou um oceano. Ter empatia é colocar-se no lugar do outro, sentir aquilo que o outro sentiria em função de nossa atitude para com ele.
O compreender e o entender passam pela esfera da razão. É importante entender, compreender a repercussão, no meio ambiente, das atividades que realizamos. Hoje em dia nossa sociedade possui ampla fonte de informações que podem levar a esse entendimento, mas mesmo assim os hábitos danosos continuam acontecendo.
Por isso eu creio que a mudança para hábitos de vida mais saudáveis, que possibilitem maior preservação e cuidado com todo o meio ambiente, passa pela transformação do sentir. É aprender a sentir o outro, sentir o meio em que se vive, abandonar a visão individualista e abrir os olhos da alma para o ser que está ao seu lado. É desenvolver aquela nossa faceta que ficou guardada, bloqueada pela prevalência da luta diária pela sobrevivência, que se mostrava mais presente em nossa infância, onde o sentir era o maior meio de expressão. Mas desenvolvê-la aliada ao saber, à noção de responsabilidade com o nosso agir e suas consequências.
É sentir o amor, a solidariedade, a compaixão e parar de bloqueá-los em nossa vivência diária. Não ter vergonha de amar e expressar o amor. E estender este amor através da visão de nós e do outro como partes do mesmo meio, sabendo que aquilo que hoje prejudica o outro ser, de alguma forma nos prejudicará também, seja a curto, médio ou longo prazo. Voltará para nós de alguma forma, pois somos parte do mesmo todo.
Consciência é tudo: consciência com o meio ambiente, consciência com o outro, consciência com a Vida. No mundo atual, se pensarmos bem, os problemas estão acontecendo de tal forma que somos chamados a todo instante para o desenvolvimento de ações coletivas como meio de minimizá-los, isso em todas as áreas. A cada dia é preciso mais compartilhamento, colaboração e união por parte das pessoas para cuidar do meio em que se vive, pois o poder público sozinho já não é capaz de mantê-lo em perfeitas condições.
Que possamos aproveitar esta data comemorativa que passou para refletirmos em relação ao nosso modo de agir junto ao outro, seja este outro um ser da natureza ou outra pessoa, e em nosso modo de interagir com o meio ambiente, para que busquemos fazer nossa parte, dar nossa contribuição para a melhoria do TODO que nos pertence, por empréstimo do Criador, e ao qual, por sua vez, todos nós pertencemos.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Parabéns, ótimo post. Trabalho com grama natural (Esmeralda e São Carlos) e se alguém se interessa segue o meu contato. Obrigado desde já.

    Compre Grama - Comércio e Plantio de grama Esmeralda

    Grama Esmeralda

    Grama São Carlos

    Grama para jardim

    Grama em

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si