Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: PARA VIVERMOS O PRESENTE

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

Uma amiga compartilhou comigo um texto lindo, muito emocionante, intitulado “Para quando eu me for”, de autoria desconhecida.
O texto conta a história de um pai que morreu jovem, mas antes de partir deixou várias cartas para serem lidas por seu filho, se assim o desejasse, nos mais relevantes acontecimentos futuros de sua vida. E uns cinco dias após receber esse texto, leio no jornal “O Globo” uma matéria contando a história real de uma mãe americana, com câncer terminal, que fez o mesmo com sua filha. Foi a forma que encontraram de se manterem presentes em sentimento, ainda que não fisicamente, durante toda a vida dos seus filhos.
Essas cartas foram escritas, tanto na ficção quanto na realidade, por pessoas com doença terminal. Mas, se pensarmos bem, qual a diferença que há em relação à certeza da morte que um dia virá para qualquer um de nós? A diferença é que, no caso delas, essa certeza se faz um pouco mais clara em relação ao tempo que resta. Digo “um pouco mais clara” porque ainda assim a situação pode mudar, pois em termos de atuação divina nos é impossível afirmar que algo se dará neste ou naquele momento. Muitas vezes, quantas pessoas em plena atividade e com saúde perfeita partem bem antes daqueles portadores de males incuráveis; quantos jovens e crianças partem bem antes de idosos com seus 90 e poucos anos.
Ler estes dois artigos, tanto o texto quanto a reportagem, me fez pensar no quanto às vezes nós seguramos as palavras, guardamos a manifestação de sentimento para uma ocasião especial ou simplesmente nunca o manifestamos. Quantas vezes nos tornamos somente presença física, sem a presença de alma, de vontade, de sentimento. Quanto tempo que desperdiçamos sem vivermos em sintonia com nosso querer. Quantas vezes nosso orgulho nos leva a calarmos nossos sentimentos, ou a camuflá-los por medo ou receio de abrirmos nosso coração. E qual a porcentagem que a mera “obrigação” representa em nossas vidas? Quantos momentos de nossas vidas que vivenciamos por pura obrigação, sem nenhuma conexão com nossa alma? Claro que há obrigações que o dever nos impõe, há também obrigações sociais as quais precisamos cumprir. Mas o quanto será que destinamos de nossas vidas para estes momentos? Muitos passam às vezes uma vida inteira de obrigações e só quando chega uma situação de fragilidade ou perda é que se dão conta do quanto deixaram passar, do quanto realmente não viveram.
O fato é que não sabemos o momento de nossa partida, não temos controle total de nossas vidas em relação ao tempo que nos resta. Escolhemos confiar na opção de que permaneceremos aqui fortes e saudáveis, por muito e muito tempo, e nossa escolha certamente nos ajudará nos cuidados que deveremos ter para alcançar este objetivo. Fazemos nossa parte para isso, mas a realidade é que isso não nos torna seres humanos infalíveis e seguimos frágeis perante as determinações daquilo que não podemos controlar, e que se chama destino.
Então penso que vale a pena querermos mais, além de escrevermos nossas cartas para o futuro. Presença de verdade, vivermos o que fala alto à nossa alma, manifestarmos o sentimento sem medo de parecermos ridículos. Abrirmos mão de nosso orgulho para tomarmos de verdade as rédeas de nossas vidas. Seres imperfeitos vivendo a perfeição da plenitude de ser! O presente é o tempo de que dispomos para viver, para sermos verdadeiramente quem somos em essência. Não vale a pena passá-lo em branco e deixar para vivê-lo amanhã. Talvez amanhã o único tempo de que disponhamos seja somente para escrevermos nossas cartas.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Muito verdadeiro seu texto, a única certeza que temos é que tudo é transitório e todos partiremos, cabe a nós procurar fazer o melhor enquanto estivermos aqui por nós e a quem pudermos ajudar. Excelente análise.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si