Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: REFLETINDO SOBRE O “DIA DO AMIGO”

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

Na segunda-feira, 20 de julho, comemoramos o "Dia do Amigo". 
E por falar em “amigo”, será que ainda sabemos realmente o seu significado? O termo tornou-se hoje tão banalizado, que parece que o significado original perdeu-se no tempo. Algumas redes sociais (o facebook, por exemplo) colaboraram muito com essa banalização ao utilizarem o termo para designar os membros da rede. Melhor e mais de acordo seria se esses fossem chamados “seguidores”.
Pesquisando em várias fontes sobre o significado da palavra "amigo", encontrei em todas elas alguns quesitos comuns que caracterizam uma relação amistosa, quais sejam:  afeição, apreço, admiração, querer bem, reciprocidade, intimidade, intercâmbio de ideias, compartilhamento, compreensão, aceitação das diferenças, etc. Então, quando vemos diversas pessoas se autoafirmando "amigos", principalmente nas redes sociais onde há tantas mensagens sem respostas, tanta fuga (sob as mais vis desculpas) ao diálogo franco e direto, tanta incompreensão com um pensar ou um proceder diferente, tanto preconceito e não aceitação de ideias, de crenças ou de estilo de vida, fica ainda mais evidente o quanto o termo se banalizou. E o imediatismo das pessoas da atualidade não as deixa perceber que na verdade estão permitindo que essa banalização aconteça também nas relações, pois não há uma vontade de construí-las verdadeiramente, de ouvir o outro com empatia, tentando compreender seu jeito e suas ideias, muitas vezes diferentes, e de tomar contato real com o mundo do semelhante. Por outro lado, pode acontecer também a ilusão de que se é amado, de que se possui realmente um amigo com o qual se pode contar e com quem pode haver franqueza sem medo de incompreensão. E talvez as decepções sejam resultado direto dessa ilusão formada.
O amigo, no sentido real do termo, não foge ao diálogo reservado, à conversa franca, não deixa sem respostas. O amigo respeita o outro sem expô-lo ao ridículo, sem menosprezar publicamente a relação, sem distorcer suas palavras. O amigo sabe discernir quando, às vezes, a razão trai o sentimento, o cérebro se desentende com o coração ao tentar ocultar, com palavras, um sentimento ferido, uma mágoa recôndita. O amigo se preocupa, busca notícias, segue presente, ainda que não fisicamente, não só nos momentos prósperos, mas também nas dificuldades. E o que vemos hoje não é nada disso. Vemos amizades por conveniência (o termo correto para isso, a meu ver, seria "contato", e não "amizade"), onde as pessoas unem-se a outras por um mero interesse específico e não por um real querer bem. À primeira desavença ou diferença, corta-se o laço sem o mínimo pesar.
Acho que vale a pena uma análise mais profunda sobre esse assunto. E, em comemoração (um pouco atrasada) ao “dia do amigo”, deixo aqui algumas palavras para reflexão: na amizade, é intrínseca a liberdade. Livre querer bem, sem porquês, sem razão. Não se gosta de alguém por medo, pressão ou dever. Ama-se por amar, o amor não se explica. Reciprocidade, compreensão, intimidade e respeito também não faltam na amizade. Compreender a imperfeição do outro e amar sabendo que ninguém está isento de erros e falhas, e que não há um só ser perfeito no mundo. 
Um amigo? Que seja leal, não precisa ser perfeito. Que seja presente, ainda que distante. Que se aproxime de verdade, coração a coração, com coragem e sem poréns, que doe incondicionalmente seu amor, sem exigir perfeição. Existe? Hum... acho que sim. Basta treinarmos e tentarmos ser assim. Errar? Claro, vamos errar... Afinal, somos aprendizes! É natural que seja assim! Mas... não vale a pena tentarmos?

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói