Pular para o conteúdo principal

LUTA E CONQUISTAS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

por Luciana G. Rugani - Vejo as datas comemorativas como lembretes para trazermos à tona temas de interesse da sociedade, oportunidade para organizarmos calendários de debates e reflexão sobre a diversidade de temas sociais.
Hoje, além do "Dia da Árvore", é também o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. Elizabeth Marge, incansável batalhadora pela causa da acessibilidade, enviou para nosso blog um texto sobre o assunto onde ela faz uma reflexão sobre toda a luta e as conquistas obtidas nos últimos 17 anos. 
Com a palavra, Elizabeth Marge:


Luta e Conquistas das Pessoas com Deficiência

Por Elizabeth Marge

Quando, há 17 anos, nos reunimos nesta mesma praça para elaborarmos em conjunto com outros deficientes os rumos que tomaríamos em relação à acessibilidade da cidade, não imaginávamos que estávamos praticando a acessibilidade atitudinal, que é a tomada de decisão sob um novo olhar para as pessoas com deficiência.

Considero construtiva a crítica de um jornal da época, o qual estampou em suas páginas que a nossa primeira reunião havia sido um fracasso. E foi! E não poderia ter sido diferente, pois há 17 anos ninguém falava em acessibilidade e pessoas com deficiência eram tidas como doentes e fadadas ao confinamento. Como então poderiam chegar até aqui, se nem em suas calçadas podiam chegar?

Hoje é dia de comemorarmos, pois já podemos contar com alguns acessos. E se ainda não estão como gostaríamos, já trilhamos boas rampas de acesso aos nossos sonhos. Hoje podemos ver muitos deficientes pelas ruas, nos ônibus acessíveis, e em vários lugares de nossa cidade, inclusive aqui onde, naquela época, havia somente umas poucas pessoas, entre elas eu, Maria Helena e mais dois ou três cadeirantes mais “metidinhos”.

Neste tempo, sou grata aos nossos dois prefeitos por terem ouvido e realizado meus pedidos quanto às acessibilidades. Sou grata a todos que durante esses 17 anos fizeram valer a acessibilidade atitudinal.

Eu entendo que uma cidade é para seu povo e, sendo assim, não pode discriminar nenhum biotipo e para isso o desenho universal deve ser utilizado acessibilizando todos os lugares. Só assim a cidade será plenamente nossa.

Hoje podemos comemorar a efetivação da Lei 13146 de 2015 que promove e protege os direitos de aproximadamente 45 milhões de pessoas com deficiência, cerca de 24% da população, de acordo com o censo de 2010. Após 15 anos de tramitação no Congresso Nacional, o Estatuto da Pessoa com Deficiência é transformado em Lei Brasileira de Inclusão. Abre-se com ela um ciclo de avanços, ampliação de direitos e maior visibilidade das pessoas com deficiência.

O grande atributo dessa lei é que essa é uma conquista de toda a sociedade. Enquanto a deficiência antes era vista apenas como algo restrito à pessoa, agora passou a ser o resultado da ausência de acessibilidades que a sociedade e o meio ambiente tanto precisam e merecem. Em poucas linhas, traduz algo que sempre pensamos a respeito das diferenças: nós não somos iguais. E, fazendo uma alusão ao nosso digníssimo Rui Barbosa, é pela promoção da desigualdade que se alcança a igualdade. E ainda, eu acrescento que, pela distinção legislativa, tivemos um novo olhar para a inclusão, utilizando-nos da acessibilidade atitudinal.

Comentários

  1. Parabenizo a querida Elizabeth Marge por sua insistência em fazer a diferença. Neste país onde muito poucos tem a ousadia e coragem de insistir em buscar e construir algo diferente para muitos.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Elizabeth Marge sua luta constante está hoje vindo a tona.

    ResponderExcluir
  3. Beth Marge é um exemplo! Mulher de garra, de fé, de coragem. Que se preocupa com o próximo!!! Ser humano raro!!! Esse país seria muito melhor se houvessem mais pessoas como ela. Parabéns Elizabeth Marge.

    ResponderExcluir
  4. Beth Marge. Mulher guerreira, determinada, mulher de fé. Sempre preocupada com o próximo e preocupada em fazer o bem. Ser humano raro nos dias de hoje! O Brasil seria um país bem melhor se tivéssemos mais pessoas como a Elizabeth Marge. Parabéns pela iniciativa e pelas conquistas desses 17 anos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si